Trabalhadores de colheita de uva são resgatados em regime análogo à escravidão no Rio Grande do Sul

OUTRO LADO: vinícolas dizem que respeitam as leis, que contrato com fornecedor de empresa terceirizada foi rompido e que se solidarizam com trabalhadores

Homens contratados para trabalhar na colheita de uva em Bento Gonçalves, na serra gaúcha, foram resgatados na quarta-feira (22) à noite em situação análoga à escravidão.

Segundo os órgãos que participaram da operação —Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público do Trabalho e polícias Federal e Rodoviária Federal—, 192 trabalhadores relataram ter sido enganados pela promessa de emprego temporário, salário de R$ 4.000, alojamento e refeições pagas.

Eles trabalhavam para duas empresas que eram contratadas pelas vinícolas Aurora, Cooperativa Garibaldi e Salton, importantes produtoras da região. As três dizem que não tinham conhecimento da situação relatada pelos trabalhadores. A Garibaldi e a Aurora dizem que seus contratos com essas empresas eram somente para o serviço de descarregamento de caminhões. Leia abaixo as notas enviadas pelas empresas.

Segundo a Inspeção do Trabalho, porém, os trabalhadores resgatados na quarta-feira atuavam nos parreirais. A rotina de trabalho, que começou no início de fevereiro, era de domingo a sexta, das 5h às 20h, na colheita de uva.

As procuradoras Ana Lucia Stumpf González e Franciele D’Ambros, do MPT no Rio Grande do Sul, ainda apuram a suspeita de que o transporte até a serra gaúcha tenha sido cobrado dos trabalhadores. O alojamento, que deveria ser fornecido pelo empregador, era descontado dos salários, segundo o MPT.

O resgate foi organizado depois que um grupo conseguiu sair da pousada usada como alojamento. Em Caxias do Sul, buscaram uma base da PRF e relataram a situação em que viviam.

Os trabalhadores relataram à Inspeção do Trabalho que eram submetidos a choques elétricos.

As armas de choque eram usadas, segundo contaram aos procuradores e auditores, para que acordassem. A origem desses trabalhadores —todos de Salvador (BA)— também seria citada de maneira pejorativa pelo encarregado.

Eles contaram que a comida fornecida pela empresa chegava a eles já estragada. Caso quisessem comprar outros alimentos, só poderiam fazê-lo em um mercadinho a poucos metros do alojamento, que praticava, segundo eles, preços superfaturados. As compras, disseram, eram descontadas do salário.

“Como foram recrutados na Bahia, já vieram na viagem para o local de trabalho com dívidas de alimentação e transporte. Fora isso, todo o consumo deles no alojamento era anotado num caderno do mercado local, que vendia os produtos a preços extorsivos”, disse o auditor fiscal do Trabalho Vanius João de Araújo Corte, em nota.

“Além disso, eles relataram que iniciavam o trabalho às 4h da manhã e iam até as 8h ou 9h da noite, numa jornada extremamente exaustiva.”

Ao MPT e ao Ministério do Trabalho os homens relataram também que ficavam sob vigilância de seguranças armados. No alojamento, localizado no bairro Borgo, viviam em situação improvisada.

Quando tentavam deixar o local, segundo relataram aos envolvidos na operação, eram impedidos pelos seguranças por estarem em dívida com o empregador. Para o MPT-RS, o conjunto de relatos dos trabalhadores foi suficiente para a caracterização do trabalho análogo à escravidão.

A Inspeção do Trabalho descreveu o alojamento em que esse empregados viviam como um lugar sem segurança e sem higiene. Depois do resgate, os trabalhadores foram levados a um ginásio local, onde passaram a noite. Nesta sexta (24) à noite, eles começaram a receber seus pagamentos. Além de verbas rescisórias e demais direitos trabalhistas, eles receberão o transporte de volta para casa e três parcelas do seguro-desemprego.

Segundo o MPT-RS, foram 192 homens resgatados com idades entre 18 e 57 anos e tinham, a maioria, entre 20 e 39 anos.

Um homem que seria o responsável pelas empresas Fênix Serviços de Apoio Administrativo e Oliveira & Santana, que contrataram os trabalhadores resgatados, foi preso e libertado mediante pagamento de fiança de R$ 39.060.

A Fênix declarou que “os graves fatos relatados pela fiscalização do trabalho serão esclarecidos em tempo oportuno, no decorrer do processo judicial”.

O QUE DIZEM AS VINÍCOLAS

A vinícola Aurora disse que “se solidariza com os trabalhadores e reforça que não compactua” com nenhum tipo de trabalho análogo ao de escravo. Afirmou também que o contrato com a Oliveira & Santana tratava somente carga e descarga de uva.

“A Aurora conta com 540 funcionários, todos devidamente registrados e obedecendo à legislação trabalhista. Porém, na safra da uva, dentro de um período de cerca de 60 dias, entre janeiro e março, a empresa depende de um grande número de trabalhadores, se fazendo necessária a contração temporária para o setor de carga e descarga da fruta, devido à escassez de mão de obra na região.”

A empresa também disse que pagava R$ 6.500 à terceirizada por mês a cada trabalhador e que todos os seus prestadores de serviços recebem alimentação durante o turno de trabalho. A vinícola informa que oferecia condições dignas de trabalho no horário de expediente e os gestores responsáveis desconheciam a moradia desumana em que os safristas eram acomodados pela empresa terceirizada após o período de trabalho.

A Cooperativa Garibaldi, em nota, disse que desconhecia a situação relatada e que, diante do apurado, encerrou o contrato com a empresa para a prestação de serviço de descarregamento de caminhões, mas que “seguia todas as exigências contidas na legislação vigente”.

A cooperativa também afirmou que “reitera seu compromisso com o respeito aos direitos —tanto humanos quanto trabalhistas— e repudia qualquer conduta que possa ferir esses preceitos”.

A Salton, também em nota, disse que “a empresa não possui produção própria de uvas na serra gaúcha, salvo poucos vinhedos […] manejados por equipe própria”, mas que tinha contrato com sete trabalhadores da empresa em cada turno para o descarregamento de carga.

Diante do relatado pela imprensa, disse que “não compactua com essas práticas e se coloca à disposição dos órgãos competentes para colaborar com o processo”.

A Uvibra (União Brasileira de Vitivinicultura) também afirmou não tolerar, “sob nennhuma circunstância, as condições de trabalho e de habitação oferecidas por esta empresa prestadora de serviço”.

A entidade admitiu que, embora as vinícolas não fossem as empresas empregadoras, “existe amplo consentimento de que a cadeia vitivinícola deve ser mais vigilante e austera com relação à contratação de serviços terceirizados.” A Uvibra também se colocou à disposição para participar de um colegiado com autoridades e sindicatos para fiscalizar a questão dos serviços temporários.

+ sobre o tema

Idosa fica 50 anos em trabalho análogo à escravidão e sem ver família em SP

Yolanda, hoje com 89 anos, passou cinco décadas de...

Desigualdade social é uma das marcas de São Paulo, aponta estudo

São Paulo completou 469 anos nesta semana. Uma das marcas da realidade...

Comissão debate enfrentamento ao racismo na primeira infância

A Comissão de Direitos Humanos, Minorias e Igualdade Racial...

para lembrar

Pressão dos movimentos derruba flexibilização do trabalho escravo

Após audiência, relator suspende texto que afrouxava conceito de...

STF determina manutenção da “lista suja” do trabalho escravo

Por maioria, o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou, nesta...

De Rock in Rio a Lollapalooza, festivais são palco de escravidão há 10 anos

Trabalhadores que garantiam bebidas aos frequentadores de um megafestival...

Por que Brasil parou de divulgar ‘lista suja’ de trabalho escravo tida como modelo no mundo?

Apesar de ser reconhecido internacionalmente por seus esforços de...
spot_imgspot_img

Cinco trabalhadores são resgatados em condições análogas à escravidão na serra gaúcha

Cinco trabalhadores foram resgatados em condições análogas à escravidão em uma propriedade rural no município de Farroupilha, na serra gaúcha, pelo Ministério do Trabalho...

Quem cata suas latinhas é trabalhador?

Todo Carnaval tem seu fim. E com ele toneladas e mais toneladas de lixo... Não importa como você decidiu comemorar o seu Carnaval. Se decidiu cair na folia, lá...

Trabalho análogo ao escravo persiste em lavouras de café brasileiras, aponta estudo

O trabalho análogo ao escravo em lavouras de café não é algo do passado. Mesmo com certificações e auditorias, a violação de direitos de...
-+=