Trabalho doméstico tem ‘herança escravista’, diz secretária do governo

Enviado por / FontePor Letícia Casado, do UOL

O trabalho das empregadas domésticas tem uma “herança escravista”, diz a secretária nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Isadora Brandão. Veja destaques de entrevista exclusiva ao UOL.

Relação com a escravidão

  • O trabalho doméstico tem uma clara relação com o período de escravidão. Ou seja, há uma herança escravista muito presente no trabalho doméstico, que dialoga com essa divisão que a nossa sociedade estabelece entre trabalho intelectual e trabalho manual, no qual esse trabalho, considerado manual, é atribuído a grupos racializados.
  • No período da escravidão, existia um sistema de divisão do trabalho baseado na raça, em que as funções manuais eram desempenhadas forçadamente por pessoas negras. Essa lógica permanece. O trabalho doméstico, relegado a essas mulheres negras, é um trabalho socialmente desvalorizado.

Defesa dos direitos das domésticas

  • Enquanto algumas categorias de trabalhadores, por exemplo, mais masculinas, sindicalizados e vinculados ao setor produtivo, angariaram muitos avanços em termos de acesso a direitos trabalhistas, essas trabalhadoras continuam ainda numa situação de muita desproteção. Então, nosso papel é chamar a atenção para a realidade, para que ninguém fique para trás
  • Quando a gente chama a atenção para a realidade das trabalhadoras domésticas, ainda hoje, a gente está chamando a atenção para o fato de que esses elementos de gênero, de raça e classe têm sido responsáveis por toda uma invisibilização desses sujeitos das políticas públicas.
  • Nosso papel é esse, é chamar a atenção para esses sujeitos que, por serem afetados por essas múltiplas formas de opressão, como são as mulheres negras, acabam ficando à margem das políticas de direitos humanos, ficando à margem do acesso a direitos fundamentais, do acesso ao trabalho decente.

PEC das Domésticas

Passados 10 anos da promulgação da PEC das Domésticas, a categoria ainda enfrenta problemas. A estimativa do governo é que apenas um quarto dos trabalhadores domésticos tenha carteira assinada.

Brandão afirma que o alto índice de informalidade é um retrato do nível de vulnerabilidade dessas pessoas. A ausência do vínculo trabalhista compromete os direitos, diz ela.

Brandão trabalha no Ministério dos Direitos Humanos. Cabe à secretaria auxiliar a formulação de políticas públicas que considerem os diversos aspectos de grupos vulneráveis – gênero, raça, classe social ou orientação sexual, por exemplo. Ela estudou os limites da proteção jurídica das empregadas domésticas, tema de sua tese de mestrado apresentada em 2016 na USP.

+ sobre o tema

Enfrentei aquele homem e faria tudo de novo

Muitos de vocês conhecem minha história. Diria até que...

Instituto Avon lança Fundo Fale sem Medo para apoiar ações de enfrentamento à violência doméstica contra as mulheres

O Instituto Avon e o ELAS – Fundo de Investimento Social unem-se para a...

Pai de Malala critica patriarcado e exalta o feminismo em pronunciamento inspirador

Ziauddin Yousafzai ainda falou da importância de criar os...

Anabatistas americanos deram filha de presente a amigo

As autoridades do estado norte-americano da Pensilvânia apresentaram acusações...

para lembrar

Rapazes são expulsos de sorveteria após beijo gay e empresa se desculpa

O funcionário do estabelecimento alegou que o local era...

Eu não ando só: por que mulheres negras precisam umas das outras

A escritora Conceição Evaristo nos consagrou com o termo...

Como o desafeto do homem negro afeta a mulher negra

Nos últimos anos dentro das discussões do movimento negro...

“É que o povo é ignorante”: Por Adriano Senkevics

Este texto é um misto de reflexão e desabafo....
spot_imgspot_img

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...

Aos 80 anos, Zezé Motta celebra uma carreira de grandes feitos e garante: “Eu não paro!”

É com um sorriso solto e uma presença indescritível que Zezé Motta conversa comigo no camarim do estúdio onde fotografamos as imagens e a capa que...

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...
-+=