Transexuais da América Central buscam refúgio nos EUA

As duras histórias de quem tem medo de perseguição e morte em seus países de origem

Da Carta Capital 

No Brasil 70% dos transexuais assassinados são profissionais do sexo (Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil)

Joanne Stefani, de 27 anos, deixou Honduras há um mês e, após viajar em uma caravana migrante, chegou, junto com dezenas de transsexuais centro-americanas, à cidade mexicana fronteiriça de Tijuana (nordeste) com o sonho de obter refúgio nos Estados Unidos.

“Somos as mais vulneráveis, por discriminação, por medo de que nos matem (…) Tive amigas, muitas amigas que foram assassinadas por homofóbicos e pela polícia militar”, comenta Joanne enquanto está sentada junto com um reservatório de água da casa onde passaram a primeira noite.

No domingo passado, chegou um grupo de cerca de 75 transsexuais e alguns homossexuais a Tijuana. Foram os primeiros a chegar à fronteira com os Estados Unidos depois de percorrerem o México como parte de uma caravana que chegou a somar cerca de 7.000 pessoas, segundo as Nações Unidas, mas que se fragmentou. “Deixei minha mãe e minha irmã. Tomei a decisão de um dia para outro”, lembra Joanne.

Na casa, há migrantes de El Salvador, Honduras e Guatemala. Suas histórias são similares, todas lembram episódios de ódio e perseguição, que será seu principal argumento para solicitar refúgio nos Estados Unidos um momento, em que o presidente Donald Trump está decidido a deter as caravanas que percorrem o México. Ela nunca havia saído de seu país e também não queria emigrar.

“Não somos delinquentes, emigrar não é um delito. Queremos um melhor futuro para nós e pensamos que nos Estados Unidos poderíamos ter essa oportunidade”, explicou.

Durante o trajeto, elas sofreram agressões dentro da caravana, à qual milhares de pessoas se juntaram, incluindo famílias inteiras e mulheres grávidas, para se sentirem mais seguros em sua passagem pelo México, marcado pela violência criminal. “Fomos ameaçadas, disseram que queriam nos matar”, denunciou.

Com a ajuda de alguns advogados americanos, conseguiram se separar da caravana e se alojar em uma casa de Playas de Tijuana. No entanto, o temor persiste.

“Não podemos sair, temos medo. Ontem duas companheiras as ameaçaram. Foram comprar e lhes disseram que não podiam sair na rua, que se as vissem as matariam”, relatou.

O guatemalteco César Mejía, que é homossexual, pede compreensão. “Não viemos incomodar os mexicanos”, disse.

Caso os Estados Unidos lhes neguem o refúgio, eles já pensam em um plano B. “Voltaremos à Cidade do México, porque o presidente, tanto o que está agora (Enrique Peña Nieto) como o que entrará em dezembro (Andrés Manuel López Obrador), nos prometeram que podiam ajudar com documentação mexicana e com trabalho”, argumentou Mejía

+ sobre o tema

“Você é feminista demais!”

Depois que comecei a olhar o mundo de uma...

Publicada nomeação da professora Matilde Ribeiro para o cargo de diretora do Campus dos Malês

Nesta quinta-feira (22), foi publicada no Diário Oficial da...

Governo da Espanha aprova anteprojeto e lei pró-aborto

Fonte: Folha de São Paulo - Mundo -   Marcia Foletto...

Salve as negras pensantes

A história reserva à mulher momentos peculiares. Historicamente, em...

para lembrar

Carta à Carolina Maria de Jesus

No ano de 2020 a obra "Quarto de Despejo",...

O estilo de Serena Williams mudou a moda feminina no campo de ténis

Desde ter sido capa de revistas até ter definido...

Fraternidade é suspensa por foto com boneca inflável de ‘Beyoncé’

Enviado por Fernando Moreira A fraternidade Phi Delta Theta da...

Jovem que teve castigo divulgado na internet se mata nos EUA

A adolescente Izabel Laxamana, 13 anos, matou-se pulando de...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=