Travesti eleita Princesa Gay do Carnaval de 2013 é espancada e jogada sobre linha de trem no Rio

Apesar da preocupação da Polícia Civil com um plano de policiamento preventivo e especializado para a comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais) no Carnaval, os casos de agressões a esse grupo da sociedade continuam ocorrendo na capital fluminense. No dia 31 do mês passado, a travesti Melissa Freitas, eleita Princesa Gay do Carnaval de 2013 no Rio de Janeiro, foi espancada e jogada de uma passarela sobre a linha do trem em Padre Miguel, na zona oeste, depois de deixar, por volta das 2h, a quadra da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel.

Depois de conversar com dois homens de carro, Melissa foi agredida e jogada do alto da passarela da Estação de Padre Miguel na linha do trem. A vítima sofreu múltiplas fraturas, nas pernas e na bacia, e está internada no Hospital Estadual Albert Schweitzer aguardando melhora do seu estado de saúde para ser transferida para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). O secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, foi informado do crime e aguarda que a paciente melhore para tratar da transferência.

O caso foi denunciado nas rede sociais e está sendo tratado em uma investigação rigorosa pela Polícia Civil, que trabalha com quatro frentes de investigação: assalto, homofobia, programa com cliente ou crime passional. A chefe de Polícia Civil, delegada Martha Rocha, também foi informada do crime e está empenhada para que seja esclarecido o mais rápido possível.

O coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Claúdio Nascimento, disse que, independentemente do que Melissa sofreu, o crime tem traço de homofobia porque o “autor mostrou que a violência foi com requintes de crueldade, rejeição, ódio e deve ser repudiada”.

Nascimento mostra-se indignado com a violência da ação que poderia resultar na morte da Melissa. “Esse nível de crueldade como ela sofreu era para estar morta. As violências ou assaltos contra gays e travestis são muito mais violentos. A finalidade do autor é exterminar a homossexualidade da face da Terra”, disse.

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Barbie ganha primeira versão em homenagem a uma mulher trans, a atriz Laverne Cox, da série ‘Inventando Anna’

A atriz Laverne Cox é a primeira mulher trans a ganhar uma versão da...

A ministra e a ira dos religiosos

A ministra Eleonora Menecucci despertou a ira dos religiosos...

Juliana Ribeiro mostra Preta Brasileira no verão de Salvador

Das partituras para o palco, a poesia vira som...

para lembrar

Que hino! Rosa Luz lança clipe de música contra machismo, racismo e transfobia

A rapper Rosa Luz lançou recentemente o clipe "Parte 1 -...

Ativista que processou jornal antigay é morto em Uganda

Publicação foi acusada de ter incitado no ano passado...

Filme mostra grupo de mulheres negras que ajudou a NASA a vencer a Corrida Espacial

Com direção de Theodore Melfi (Um Santo Vizinho), "Hidden...

44 frases (e fragmentos de poesias) sobre o amor. Por Camila Nogueira

Este artigo é o primeiro de uma série. Nela,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=