Troféu Edialeda Salgado valoriza mulher afrodescendente

 

Em sessão especial, requerida pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur), a Prefeitura de Salvador homenageia, nesta quarta-feira (25), 20 mulheres afrodescendentes com o troféu Drª Edialeda Salgado. A cerimônia, que será realizada no Centro Cultural da Câmara de Vereadores, faz parte das comemorações pelo Dia da Mulher Negra, instituído em 2008, através da Lei Municipal n. 7.440.

 

De acordo com o secretário da Reparação, Ailton Ferreira, esta terceira edição da premiação valoriza as mulheres mestras e doutoras. “Este ano, vamos homenagear aquelas mulheres que venceram obstáculos na educação. Mulheres vitoriosas que enfrentaram o racismo e o preconceito, alcançando destaque na vida acadêmica” , afirmou.

 

Em edições anteriores, lembrou o secretário, foram homenageadas mulheres de diferentes comunidades e também as trabalhadoras. “O objetivo principal é lembrar o papel da mulher na sociedade, de grande importância, porém pouco valorizado”, completou.

 

Na lista de homenageadas constam 14 mestras, cinco doutoras e uma pós – doutora. A palestra fica por conta de Ivete Alves do Sacramento, mestra em Educação e eleita a primeira reitora negra do Brasil, pela Universidade Estadual da Bahia (Uneb). Além de Dia Municipal da Mulher Negra, o 25 de julho é também Dia Mundial da Mulher Afro-latino-americana e Afro-caribenha.

 

Sobre Edialeda Salgado – Edialeda Salgado do Nascimento, médica ginecologista de profissão, foi a primeira mulher negra a ocupar uma secretaria de estado no Brasil. Reconhecida como militante em prol dos direitos das mulheres negras, foi figura determinante no movimento de conquistas das mulheres. Edialeda foi, ainda, organizadora conferencista do I Congresso de Mulheres Negras das Américas, realizado no Equador em 1984. A ativista também fez parte do gabinete civil, na gestão do presidente João Goulart. Vítima de infarto, ela faleceu em janeiro do ano passado.

 

Confira lista das homenageadas:

 

1. Ana Célia da Silva – Doutora e Mestra em Educação, advogada, autora dos livros – A Discriminação do Negro no Livro Didático e Desconstruindo a Discriminação do Negro no Livro Didático.

 

2. Ana Cristina Conceição Santos – Mestra em Educação, militante negra, atuou por 19 anos como professora da rede municipal e estadual de educação, e atualmente é professora da Universidade Federal de Alagoas.

 

3. Andréa Reis de Jesus – Mestra em Educação e atua na linha de Pesquisa de Educação: História, Trabalho e Sociedade. Grupo de Trabalho: História da Educação

 

4. Claudia Rocha da Silva – Mestra em Educação e Contemporaneidade – Coordenadora do CEPAIA – CENTRO DE ESTUDOS DOS POVOS AFRO-ÍNDIO-AMERICANOS

 

5. Delcele Mascarenhas Queiroz – Doutora em Educação, Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, desenvolvendo atividades no Departamento de Educação, do Campus I, e no Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade.

 

6. Eliene Gomes dos Anjos – Doutora em Sociologia – professora leciona na Universidade Estadual da Bahia, na Plataforma Freire, e na Rede Pública de Ensino. É também assessora de Cooperativas populares e desenvolve pesquisa na área da economia solidária, cooperativismo, etnia e gênero. Professora de Ciência Política da Unijorge.

 

7. Isabel Alice de Pinho – Mestra em Desenvolvimento e Gestão Social – Assessora técnica do Gabinete do Delegado Geral da Policia Civil.

 

8. Juvanete Santos de Souza – Mestra em Educação pela Ufba, tendo como área de concentração as Ciências Sociais aplicadas a Educação.

 

9. Liliane de Jesus Bittencourt – Mestra em saúde materno/infantil, área saúde coletiva. Fez parte do Grupo de Trabalho de Saúde da População Negra do município, onde foi responsável pela saúde da mulher, e elaborou a I Cartilha Quilombola – Saúde da Mulher Negra de Salvador.

 

10. Lucia Maria de Oliveira – Mestra em Pedagogia Profissional – Professora do curso de Design da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e subcoordenadora do grupo de pesquisa Design, Arte e Tecnologia, é também orientadora dos alunos desta graduação.

 

11. Maria Durvalina Cerqueira Santos – Mestra em Educação Atualmente é professora da Faculdade 2 de Julho, Professora e Coordenadora Pedagógica da Rede Municipal de Ensino de Salvador.

 

12. Maria Nazaré Mota de Lima – Doutora em Letras e Lingüística, Mestra em Educação. Coordenadora da área de Educação do Ceafro – Programa Educação para a Igualdade Racial e de Gênero Ceao / Ceafro; e Professora da Uneb – Universidade Estadual da Bahia.

 

13. Nadja Gomes de Santana – Mestra em Nutrição. Atualmente é Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia – Uneb e Faculdade Dom Pedro II

 

14. Narcimária Córeia do Patrocínio Luz – Pós-Doutora em Comunicação e Cultura – desenvolveu a pesquisa “Itapuã da ancestralidade africano-brasileira”, Professora Titular Plena do Departamento de Educação do Campus I da Universidade do Estado da Bahia-Uneb; é coordenadora do Prodese- Programa Descolonização e Educação.

 

15. Penha Lúcia Correia Pires – Mestra em Educação Social pela Universidade Católica de Leuven Bélgica, no programa “Trabalho intercultural e social no contexto mundial”,é presidente do Omodara.

 

16. Rosangela Costa Araújo – Mestra em Estudos Feministas Atualmente é Professora Adjunta da Faculdade de Educação/Faced e do Bacharelado de Estudos de Gênero e Diversidade, do Núcleo de Estudos Interdisciplinar sobre a Mulher- Neim/Ufba, é professora do Doutorado Multidisciplinar e Multiinstitucional de Difusão do Conhecimento.

 

17. Silvana Santos Bispo – Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo – PPG/NEIM, da Universidade Federal da Bahia – Ufba. Professora da Rede Estadual de Ensino e técnica da Coordenação de Relações Étnico-Raciais e Diversidade da Secretaria da Educação do Estado da Bahia

 

18. Solange Maria dos Anjos Gesteira – Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é professora associada da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia, onde exerce segundo mandato da Chefia do Departamento de Enfermagem Comunitária.

 

19. Vilma Maria Santos Reis – Mestra em Ciências Sociais – Presidente do CDCN – Conselho Desenvolvimento das Comunidades Negras. É coordenadora do Projeto Encruzilhada de Direitos – Raça, Gênero e Enfrentamento à Violência contra as Mulheres Negras da Bahia, do Ceafro. É ativista do movimento de mulheres negras. Professora da Uneb – Universidade Estadual da Bahia – Campus 23, em Seabra.

 

20. Ivete Alves do Sacramento – Mestra em Educação – E leita, em 2002, a primeira reitora negra do Brasil, pela Uneb. Conhecida nacionalmente pela defesa do sistema de cotas na Uneb onde gestou por oito anos.

 

 

 

Fonte: JusBrasil

+ sobre o tema

Leci Brandão: Todas nós, mulheres negras, temos a mesma história

Aos 73 anos, Leci Brandão tem a energia e...

Um prato cheio de machismo no ‘MasterChef’

'MasterChef': Paola Carosella entra em discussão épica sobre machismo...

Kaique e os rolezinhos: o lugar de cada um – por Eliane Brum

A lógica que criminalizou os rolezinhos é a mesma...

Oba, líder da sociedade Elekô comanda todas as mulheres guerreiras

Obá é um dos “orixás femininos” sobre a qual...

para lembrar

Não dá para falar de feminismo sem a mulher negra, diz Sueli Carneiro

No podcast, a intelectual e ativista fala sobre a...

LGBTs negros que criaram gangue armada para se proteger tentam deixar vida de violência para trás

“Se ninguém vai nos defender, nós vamos nos defender...

A carta de Jean Wyllys para Roberto DaMatta e Ziraldo

Jean Wyllys lamentou as atitudes homofóbicas de Roberto DaMatta...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=