Turista americano é acusado de racismo depois de ofender funcionários negros em museu no Rio

Mesmo na delegacia, americano continuou com falas preconceituosas contra policiais; em nota, MAR diz que ‘racistas não passarão’

por Gilberto Porcidonio no O Globo

Elian Almeida, funcionário do Museu de Arte do Rio- turista se negou a ser atendido por ele – Gilberto Porcidonio

Um caso de racismo cometido por um estrangeiro revoltou funcionários do Museu de Arte do Rio, na Praça Mauá, Zona Portuária do Rio. De acordo com relatos de testemunhas e de uma das vítimas, o turista procurou a recepção por volta das 10h desta quarta-feira, querendo informações. Contudo, ao ser recebido por funcionários negros, se negou a conversar.

— Em inglês, eu perguntei se precisava de ajuda. Ele movimentou o corpo, ignorando a minha presença. Virou de costas para mim e falou: “Não quero negros” — contou o estudante Elian Almeida, que trabalha como educador no museu e foi uma das vítimas. — Eu fiquei chocado, perguntei novamente, e ele repetiu: “Não, negros”. Então eu disse que ia chamar a polícia e ele saiu do museu.

Almeida correu até uma base da Guarda Municipal, que fica em frente ao museu, que recomendou ao jovem procurar uma equipe de policiais do Centro Presente, também baseada na região. Feito isso, o jovem retornou ao museu acompanhado de um policial, e conseguiu localizar o estrangeiro nos arredores. Os envolvidos foram encaminhados para a 4ª DP, onde o caso foi registrado.

Rafael Martins, que trabalha na monitoria do museu e testemunhou o crime, contou que antes de se negar a conversar com Almeida, o turista já havia se negado a ser atendido por uma outra funcionária, Sanny Lopes, que faz a monitoria das artes externas do MAR.

— A minha reação foi de indignação total, mas não consegui fazer nada. O Elian correu para chamar a autoridade mais próxima, e a reação da Sanny foi chorar — relatou Martins, sobre o episódio.

A funcionária, que trabalha há apenas um mês no museu, está em seu primeiro emprego e nunca imaginou que poderia passar por uma situação como essa.

— Hoje, no século XXI, passar por isso é algo que me machuca mas que, ao mesmo tempo, me dá força para seguir e ver o que eu tenho que fazer. O meu choro foi de muita raiva, mas me motiva a continuar. A gente não vai parar aqui não — disse Sanny.

Advogada do Museu de Arte do Rio, Amanda Antunes informou que os funcionários agredidos e a direção do MAR devem se reunir ainda hoje para discutir que medidas jurídicas vão tomar sobre o caso.

— O museu apoia a igualdade racial e de gênero, sempre levantamos essa bandeira. Foi um caso atípico mas a gente não quer deixar isso impune e a gente apoia os nossos funcionários. As vítimas devem conversar com a diretoria para que isso realmente não morra aqui.

Anthony foi conduzido para a 4º DP (Centro) – Domingos Peixoto : Agência O Globo

Turista ainda se negou a falar com policiais negros

Mesmo na delegacia, na frente dos policiais, o turista continuou com suas falas racistas. Fábio Lisboa, policial militar há 4 anos, contou que o estrangeiro estava sem documentos e continuou dizendo que não queria ser abordado por pessoas negras.

— Quando a gente foi levá-lo para a cela, um colega que é pardo, com a pele mais clara, fez a revista. Quando fui falar com ele, ele repetiu: “no black people” — disse o policial. — Eu nunca passei por uma situação como essa.

‘Racistas não passarão’, diz museu

Por estar sem documento, o turista foi identificado apenas como Anthony, natural dos Estados Unidos, e aparenta ter cerca de 35 anos. Ele estaria hospedado no Hotel Barão de Tefé, localizado em frente ao Cais do Valongo, na Gamboa, sendo o principal porto de entrada de africanos escravizados nas Américas e um dos pontos do Circuito Histórico da Celebração da Herança Africana na Zona Portuária.

O consulado americano já foi informado sobre o caso e Anthony pode ser enquadrado em injúria racial.

Em nota, o MAR descreveu a dinâmica do crime e disse que outras medidas legais estão sendo estudadas pelo departamento jurídico do Instituto Odeon, responsável pela administração do local. Por fim, o comunicado reitera o repúdio à atitude do turista e diz: “Racistas não passarão.”

+ sobre o tema

Duas pessoas são condenadas por racismo e injúria racial no DF

Ex-policial e irmã dele cumprirão a pena em regime...

Mulher negra é acusada de fraude ao comprar bolsa de R$ 5,5 mil nos EUA

Jovem foi seguida e abordada por policiais ao deixar...

para lembrar

Diretora impede criança com cabelo afro de ser matriculado em escola do Maranhão

Caso aconteceu em São José de Ribamar. Pais levaram...

Reação à pobreza tem de ir além da política

Num intervalo de quatro décadas e quase uma dúzia...

Sociologia e o mundo das leis: racismo, desigualdades e violência

Foi com muita satisfação que recebi o convite do Justificando para...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=