Ufes demite professor Malaguti após denúncia de racismo em sala

Decisão foi divulgada nesta segunda-feira (9) pela Universidade. 
Há um ano, Malaguti foi acusado por alunos por ter dito frases racistas.

no G1

O professor Manoel Luiz Malaguti Barcelos Pancinha, acusado por alunos de ter cometido preconceito racial durante uma aula foi demitido do cargo pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), segundo a instituição. A informação foi divulgada pela Ufes na tarde desta segunda-feira (9). O professor não atendeu às ligações do G1.

O caso ocorreu em novembro do ano passado, durante uma aula na Ufes. Na ocasião, o professor teria dito que “detestaria ser atendido por um médico ou advogado negro”, por exemplo. Na época, os alunos protestaram contra a permanência do professor na universidade. Ele chegou a ficar suspenso por 30 dias, mas depois voltou a dar aulas normalmente.

Em entrevista ao Gazeta Online na sexta-feira (6), o professor confirmou que foi afastado das funções e que vai recorrer da decisão da reitoria. O docente recebeu o comunicado pelo Chefe de Gabinete da Reitoria da Universidade, Edebrande Cavalieri.

Coletivo Negrada
Desde que o processo foi instaurado, o Coletivo Negrada cobrava um posicionamento da universidade em relação à postura do professor. Nesta segunda-feira (9), um representante do grupo falou sobre o resultado.

“A gente já tinha recebido essa informação [da demissão] desde sexta-feira. Mas só hoje é que foi dado o posicionamento público. De certa forma, ficamos surpresos, porque achamos que a Ufes iria adiantar a aposentadoria do professor. Estamos felizes com o resultado, mas a luta é grande. É uma vitória parcial, a gente comemora, mas sabe que tem muitas outras pautas entaladas na nossa garganta”, disse.

Denúncias
Em novembro do último ano, a Ouvidoria da Ufes recebeu duas denúncias envolvendo o professor Malaguti. Uma delas realizada por alunos do curso de Ciências Sociais. Na ocasião, Malaguti teria feito declarações racistas dentro de sala de aula durante uma discussão sobre cotas raciais.

Já a segunda denúncia, era de que o professor teria estacionado seu veículo de forma irregular. Na ocasião, Malaguti teria parado seu carro junto à rampa de acesso para cadeirantes no Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Ufes (CCJE).

Com o intuito de apurar as denúncias, foi nomeada uma Comissão de Sindicância. A Comissão foi conduzida pelo CCJE, ao qual o professor está ligado. O trabalho foi encerrado ainda em dezembro de 2014 e o relatório final indicou a instauração de processos disciplinares para os dois casos. Os processos foram conduzidos em separado por duas comissões de inquérito nomeadas pelo reitor Reinaldo Centoducatte.

As comissões foram criadas a fim de apurar se a atitude do professor configurou infração disciplinar, com base na a Lei 8.112 (que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais), e apresentar a conclusão do processo.

Relembre o caso declaração racista no 1:15′ do vídeo

+ sobre o tema

Uma nota sobre a arte de arranhar a vida entre os dentes

“A noite está tépida. O céu já está salpicado...

A madame é racista? Não… Desculpe, foi erro do digitador

Agência de empregos que contrata domésticas pergunta se cliente...

Audiência aborda a igualdade e o combate ao racismo

Uma nova audiência foi marcada para dia 26 de...

Folha ignora evidências favoráveis às cotas raciais

Na quinta-feira (7), pela oitava vez, esta Folha publicou um editorial...

para lembrar

Alerj Garante Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância no Estado

Por: Fernanda Porto   O Estado do Rio de Janeiro ganhará...

Imagens da África: Entre a violência discursiva e a produção de memória

IMAGENS DA ÁFRICA: ENTRE A VIOLÊNCIA DISCURSIVA E A...

Jogador brasileiro foi expulso do campo com gás pimenta

Robson, jogador brasileiro do Genus, foi expulso com gás...

Cereales y racismo

Su expresión casi adulta de seriedad, con el...
spot_imgspot_img

SC tem alta de 51% nos casos de injúria racial e lidera denúncias do crime no país

Em Santa Catarina, seis pessoas procuraram a polícia por dia, em média, para denunciar casos de injúria racial em 2023. No ano passado, 2.280 pessoas sofreram ofensas...

O destino dos negros

A semana em que o Estatuto da Igualdade Racial (lei 12.288/2010) completou 14 anos foi repleta de notícias que atestam o quanto o Brasil está longe...

Roda de samba no Centro do Rio registra dupla imitando macacos em evento: ‘não será tolerado’

O PedeTeresa, roda de samba que acontece na Praça Tiradentes, no Centro do Rio, compartilhou um vídeo de uma dupla imitando macacos em um...
-+=