Uma em cada quatro mulheres com câncer de mama precisa de duas cirurgias

Aproximadamente uma entre quatro pacientes com câncer de mama que fazem mastectomia parcial tem que passar por segunda cirurgia para remover o tecido suspeito. A conclusão vem de um estudo realizado pelo Lacks Cancer Center (EUA), que avaliou mais de 2.000 mulheres mastectomizadas.

Três em cada quatro mulheres com câncer de mama nos Estados Unidos optam por realizar cirurgia conservadora. A segunda cirurgia é realizada quando há suspeita de que a cirurgia inicial não removeu todo o tumor. Os pesquisadores observaram que essas taxas variam muito de cirurgião para cirurgião. Alguns quase nunca realizam a segunda cirurgia, enquanto outros realizam em aproximadamente 70% dos seus pacientes.

No estudo, foram avaliadas as taxas de re-excisão (segunda cirurgida) em quatro instituições norte-americanas. Eles encontraram uma grande variação de centro para centro. Das 2.206 pacientes com câncer de mama incluídas na análise, 454 passaram por segunda cirurgia. Quarenta e oito mulheres passaram por duas cirurgias adicionais e sete mulheres por três reoperações.

A segunda cirurgia foi realizada em 86% das mulheres cujos exames de imagem mostraram que ainda havia tecido canceroso. Alguns cirurgiões também realizavam essa cirurgia quando não havia imagem clara que indicasse tumor. Essa taxa variou em até 70 % entre os cirurgiões e de 1,7% a 21% entre as instituições.

O estudo deixa claro que há muita variação na forma como é feito o atendimento à mulher que passa por mastectomia parcial. É necessário que esse assunto seja abordado com mais frequência entre paciente e médico. Também é preciso que seja cuiadosamente avaliada a real necessidade de cirurgia ems casos em que a imagem de tumor residual não é clara.

Os especialistas afirmam que a reoperação, além de agressiva, pode ser desnecessária atualmente. A quimioterapia e a terapia hormonal são opções eficazes e comumente utilizadas após a cirurgia. Uma operação desse porte precisa de mais critérios para ser realizada.

Proteja-se do câncer de mama

Quando o assunto é câncer de mama, a situação é alarmante, praticamente uma epidemia, segundo o diretor do Instituto Paulista de Cancerologia e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia, Ricardo Antunes. Por isso mesmo é necessário, mais do que nunca, o diagnóstico precoce. Veja a algumas recomendações para detectar a doença.

Faça o autoexame

“O autoexame ainda é uma das formas mais eficientes de detectar a doença. Quando ela é diagnosticada cedo (tumores de 2cm, em média) as chances de cura são de 90%” , afirma o médico. Para fazer o autoexame:

1. Tire a sua blusa e olhe a aparência de suas mamas em frente ao espelho.

2. Levante os braços e, em seguida, apalpe os seios até as axilas.

3. Coloque os braços na cintura e depois, alternando as mãos, continue apalpando. Perceba se há algum nódulo.

4. Deite-se e percorra suas mamas calmamente. Nesta hora, é bom apertar o bico dos seios para ver se não há secreções.

Evite álcool e cigarro

Cerca de 30% dos casos de câncer de mama advêm do vício em bebidas alcoólicas e cigarros. “Estes hábitos diminuem a resistência do organismo e favorecem o acúmulo de gordura corporal, o que pode levar ao câncer”, explica o médico.

 

Fonte: Minha Vida

+ sobre o tema

Google é processada por pagar menos a mulheres que a homens

Um trio de ex-funcionárias da Google entrou, nesta quinta-feira...

Tragédia em Brumadinho revela omissão do Brasil com direitos humanos em empresas

Ruptura de barragem, trabalho escravo e adoecimento eram sintomas...

Na saúde e na doença

A cena corriqueira aconteceu no fim de uma manhã...

Mariana vira 1º crime ambiental apontado como violação de direitos humanos

O rompimento da barragem do Fundão, operada pela mineradora...

para lembrar

Saúde feminina e maternidade

Lançada no final de março pelo Ministério da Saúde...

Félix, Carrasco e cenas pedagógicas da novela das nove, por Cidinha da Silva

Na primeira cena, Niko, personagem gay, doce, honesto, ético,...

Desigualdade é o maior desafio da América Latina e Caribe, diz ministro brasileiro em reunião da ONU

“O vínculo entre desenvolvimento social e direitos humanos deve...

Estudo denuncia produção de soja e cana em terras indígenas

Relatório detalha cadeias produtivas no Mato Grosso do Sul...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=