Uma vereadora criou um projeto de lei que quer punir as ‘cantadas de rua’ em Curitiba

A capital paranaense pode contar, muito em breve, com uma lei inédita: criada pela vereadora Maria Letícia Fagundes, do PV, sua ideia é multar os responsáveis por assédio nas ruas da cidade. Esse tipo de punição já é aplicado em cidades como Buenos Aires, na Argentina, e na região de Nottingham, no Reino Unido.

Por Giovana Feix Do Brasil Post

“O famoso ‘fiu fiu’ em locais públicos e outras cantadas não são elogios”, opina Maria Letícia. “Trata-se de uma forma de assédio sexual que passa despercebida, uma vez que está travestida de ‘flerte’”.

O projeto de lei já está em trâmite na Câmara de Curitiba, deve passar pelas comissões temáticas do Legislativo e ser aprovada pelo plenário e pelo prefeito, Rafael Greca, para ser aplicada.

Ele prevê multa de 30% do salário mínimo (atualmente, R$ 280) para quem for identificado realizando comentários e insinuações alusivas ao corpo ou ao ato sexual, gestos obscenos e atos verbais constantes, além de abordagens intimidadoras, exibicionismo, masturbação, perseguição, uso de palavras impróprias para denegrir ou constranger e conduta lasciva ou agressiva. Caso haja reincidência, a multa passa a valer um salário mínimo (atualmente, R$ 930).

Maria Leticia conta ter sido inspirada por uma pesquisa feita em 2014 pelo site Think Olga, a “Chega de Fiu-Fiu“, que se tornou uma campanha. Os dados em questão mostram que, entre as cerca de 8 mil mulheres entrevistadas, 99,6% já tinham sido assediadas.

“Como esse tipo de assédio em locais públicos não é criminalizado na maioria dos países, grande parte das vítimas não denuncia os ataques que sofre”, ela diz.

Para a legisladora, a prática tem efeitos psicológicos extremamente negativos para as vítimas.

“É incontável o número de vítimas dessa prática que gera medo, trauma e constrangimento, sobretudo para as mulheres que enfrentam diariamente assédios na ida ao trabalho e no seu retorno, nas vias públicas e, mais constantemente, nos transportes públicos”

+ sobre o tema

Jovens feministas reunidas em Lisboa. E não é para queimar sutiãs

Há feminismos e feministas. De várias cores, origens sociais...

Janaína Dutra, primeira travesti advogada do Brasil, é homenageada pelo Google

A ativista social cearense Janaína Dutra, que lutou em...

#LeiaMulheres: 23 livros escritos por mulheres que você precisa ler

Quantos livros escritos por mulheres você leu neste ano?...

para lembrar

Governo entrega proposta para regulamentar emenda de domésticas

Proposta do governo estende a domésticas direitos previstos na...

Mulheres negras realizam Encontro Estadual contra o Racismo

Reunião preparatória é no sábado. Evento definirá a participação...

Feminista responde a leitores da BBC Brasil sobre igualdade de gênero

"Quero que os homens embarquem nessa luta para ajudar...

Enegrecer o Feminismo: A Situação da Mulher Negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero

"São suficientemente conhecidas as condições históricas nas Américas que...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=