UNESCO e rádio espanhola lançam iniciativa contra racismo e discriminação no futebol

Sem respeito não há futebol. Esta é a campanha lançada pela UNESCO e a rádio espanhola PRISA para combater racismo, xenofobia e comportamentos machistas ou homofóbicos dentro e fora de campo.

Da ONU 

Foto: iStock.com

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e a rádio espanhola PRISA, integrante da Cadena Sociedad Española de Radiodifusión, apresentaram em janeiro (24) a campanha “Sem respeito não tem jogo” (Sin respeto no hay juego). O objetivo é combater o racismo e a discriminação no futebol.

A campanha foi baseada nas conclusões e recomendações do relatório da UNESCO Cor? Que Cor?, lançado em 2015, e será implementada no primeiro semestre deste ano com uma mensagem simples e clara: sem respeito, não há futebol.

O objetivo é “tirar de campo” o racismo, a xenofobia e comportamentos machistas ou homofóbicos. Juan Luis Cebrián, diretor-executivo do grupo PRISA, ressaltou a importância do acordo entre o grupo e a UNESCO, recordando que o futebol é uma poderosa ferramenta para alcançar um amplo setor da sociedade. “Nós queremos promover a consciência e fazer com que a opinião pública incorpore os princípios de tolerância”, disse.

A diretora-geral adjunta de Ciências Humanas e Sociais da UNESCO, Nada Al-Nashif, lembrou que o poder simbólico do esporte e seus códigos universais de respeito estão entre os veículos mais efetivos para o combate da desigualdade e a promoção da diversidade e da tolerância na sociedade. “A luta contra o racismo no esporte não deve ser opcional. É por isso que é tão importante essa iniciativa ser apoiada por três dos clubes de futebol mais prestigiados no mundo atualmente”, afirmou. Participaram do evento os presidentes dos três clubes por ela citados: o italiano Juventus e os espanhóis Real Madrid e Barcelona .

+ sobre o tema

O planeta das “negritas de 25 de mayo”

Moro na Argentina não sei faz quanto tempo em...

Estudantes da PUC-Campinas fazem ato contra racismo

O ato pediu o fim preconceito e pediu punição...

‘Me revoltei’: ela apelou a corte internacional para ver racismo punido

Simone André Diniz Rodrigues, 45, de Pirituba (SP), surpreendeu-se...

Policial mata homem confundido com ladrão; o suspeito era negro

Um homem foi assassinado dentro de uma lotérica em...

para lembrar

Mulher denuncia racismo após ser acusada de furto em shopping de São Paulo

A servidora pública Érica Scheila Rodrigues de Carvalho, de...

Governo Lula terá até 10 chances de reduzir desigualdade racial no Judiciário

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enfrenta pressão para ajudar...

Filho de desembargador é detido por racismo

O advogado José Luiz de Carvalho Júnior, 27, foi...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=