Unicamp 2019: prova de redação aborda ‘doutrinação ideológica na sala de aula’ e desenvolvimento

Primeiro dia da 2ª fase teve início neste domingo (13) e candidatos também responderam às perguntas de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa; veja calendário.

Por Ana Letícia Lima, G1

Estudantes na primeira prova da 2ª fase do vestibular 2019 da Unicamp — Foto: Ana Letícia Lima / G1

A prova de redação na segunda fase do vestibular 2019 da Unicamp, aplicada na tarde deste domingo (13), abordou como temas a “doutrinação ideológica na sala de aula” e a relação entre Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB).

Estudantes ouvidos pelo G1 contaram que, no primeiro caso, a universidade propôs ao candidato a elaboração de um abaixo-assinado onde deve pedir explicações para uma escola, após a professora de filosofia ser alvo de ameaças anônimas por conta da suposta prática no trabalho.

Já a segunda proposta do exame era a elaboração de um comentário, para fórum em rede social, a partir de dois gráficos. A estudante Carolina de Moraes, de 22 anos, estuda química na Unicamp desde 2016 e conta que voltou a fazer vestibular para retomar o início do curso, por conta da atualização na grade da carreira. Ela avaliou que os temas reforçam necessidade de pluralidade.

“O novo currículo do curso atende mais às minhas expectativas profissionais, então decidi começar a faculdade de novo […] Os dois temas da redação são questões muito importantes, necessárias. Acredito que a Unicamp esteja tentando avaliar mesmo se os candidatos têm essa visão de que há muitas formas de pensar no mundo, não só aquilo que nos é imposto”, contou a jovem que trabalha com análises químicas ambientais e pretende, no futuro, ser professora.

A estudante Carolina de Moraes, após primeiro dia da 2ª fase da Unicamp — Foto: Ana Letícia Lima / G1

O tom foi mantido pelo estudante Guilherme Pereira Borin, que prestou como treineiro e planeja disputar uma vaga no curso de engenharia civil no próximo ano. “A proposta das duas redações foi bem formulada, eles davam o passo a passo de como fazer e os temas são bem atuais.”

Sobre as questões de literatura, ele considerou que a prova não estava difícil, mas era preciso ter lido com atenção as obras que integram a lista obrigatória. “As questões sobre as obras são bem específicas, não tinha como fazer no chute ou só lendo resumo”, frisou.

A lista de obras obrigatórias deste ano inclui poesias de Luís de Camões, Jorge de Lima e Ana Cristina Cesar; contos de Clarice Lispector, Guimarães Rosa e Machado de Assis; teatro, por meio de Dias Gomes; romances de Camilo Castelo Branco, Érico Veríssimo e de José Saramago; diário escrito por Carolina Maria de Jesus; além dos sermões de Antonio Vieira. Clique aqui e veja lista completa.

Já o candidato Caio Gentil Dotto destacou que é preciso ler com atenção os enunciados das questões dissertativas. “São mais diretas do que a dos outros vestibulares que e eu fiz, mas não são necessariamente difíceis”, avaliou o jovem que pretende estudar engenharia mecânica.

As avaliações foram aplicadas em 16 cidades de São Paulo e mais cinco capitais.

Uma das questões da Unicamp citou a ex-vereadora do RJ Marielle Franco, no vestibular — Foto: Ana Letícia Lima / G1

Análise
O coordenador executivo da comissão organizadora do vestibular (Comvest), José Alves Freitas Neto, destacou que os temas apresentados na redação do vestibular visam apresentar ao candidato um diálogo sobre a questão dos direitos humanos, sobretudo liberdade de expressão e pesquisa, e uma abordagem da economia, com foco no desenvolvimento sustentável.

Calendário
A segunda fase do vestibular terá continuidade nesta segunda-feira, quando os estudantes terão de resolver perguntas de matemática, geografia e história – cada disciplina tem seis questões. Já na terça-feira, o exame da Unicamp terá mesmo número de perguntas de física, biologia e química.

As provas começam às 13h, mas os candidatos devem chegar com uma hora de antecedência.

O que pode levar para a prova?
Documento de identidade original indicado na inscrição;
Caneta preta em material transparente, lápis preto e borracha;
Régua transparente e compasso;
Água, sucos, doces;
É permitido uso de bermudas e vestimentas leves
O que NÃO pode levar?
Aparelhos celulares (devem ser desligados imediatamente ao entrar na sala e colocar em embalagem; ele pode ser retirado após o candidato deixar o prédio);
Equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova;
O candidato pode usar relógio para controlar o tempo, mas ele deve ficar no chão.

Locais de prova
Além de 16 cidades paulistas, incluindo a capital, a segunda fase do vestibular será aplicada em outros estados. Salvador (BA) e Curitiba (PR) foram incluídas na lista da Unicamp neste ano, e as avaliações também serão realizadas em Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Fortaleza (CE).

Outros formatos
O total de vagas disponíveis no vestibular 2019 diminuiu após a Unicamp adotar novos formatos para aumentar a inclusão social. Uma delas foi a reserva de 645 cadeiras para ingresso via Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – o candidato teve a possibilidade de participar das duas seleções.

Além disso, a universidade estadual destinará 90 oportunidades a estudantes que foram premiados em olimpíadas ou competições de conhecimentos realizadas entre 2017 e o ano passado.

Calendário
Provas de habilidades específicas: 21 a 25 de janeiro
Divulgação da 1ª chamada: 11 de fevereiro
Matrícula não-presencial: 12 de fevereiro
Divulgação das notas da 2ª fase e classificação: 14 de fevereiro
O gabarito com as respostas esperadas das questões da segunda fase da Unicamp será divulgado no site da Comvest a partir do dia 16, quarta-feira, começando pela prova de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa. Na quinta-feira (17) serão divulgadas as respostas esperadas da prova de matemática, geografia e história. Já na sexta (18) o gabarito divulgado será das questões de física, química e biologia.

+ sobre o tema

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade...

para lembrar

Plano de Aula: A arte africana e suas influencias

TEMA:A arte africana e suas influências JUSTIFICATIVA: A arte africana e...

Ana Maria Gonçalves – Lobato: Não é sobre você que devemos falar

Por: Ana Maria Gonçalves Monteiro Lobato: um homem com um...

Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira

Estão sendo oferecidas, ao todo, 239.601 vagas em 130...
spot_imgspot_img

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos os candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no pagamento da inscrição do Exame Nacional...
-+=