Unimed faz festa com cenário de favela e gera polêmica

Empresa diz ser inclusiva e ter destacado ‘maravilhas brasileiras sem abrir mão de críticas sociais’

Por João Pedro Pitombo, da Folha de São Paulo

 

Com roupa de garçom, um homem negro faz um churrasco em cima de um simulacro de laje. Roupas penduradas em um varal e até fios enrolados junto a um poste representando uma ligação ilegal de energia completam a paisagem.

O cenário fez parte da decoração de uma festa dos médicos cooperados da Unimed em São José do Rio Preto (438 km de São Paulo). A confraternização, que aconteceu na noite desta sexta-feira (6), teve como tema “No país das Maravilhas” e teve diferentes cenários.

Vídeos divulgados por participantes da festa mostram cenário e figurantes da festa que tentou simular favela. (Foto: Reprodução/Instagram)

Vídeos da festa foram publicados em redes sociais e geraram reações críticas de pessoas que viram no cenário preconceito ou insensibilidade com os moradores de comunidades pobres.

Uma das pessoas que compartilhou o vídeo, a deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL) classificou a decoração da festa da Unimed como um “deboche à vida nas favelas e nas periferias”.

Cenário do evento incluiu postes com emaranhado de fios de energia, bares com tijolos à vista, lajes coloridas com uma churrasqueira em cima e até uma cozinha com a pia cheia de louça suja. (Foto: Reprodução)

“É revoltante que as pessoas não tenham o mínimo de bom senso e empatia ao fazer da vida da maioria da população motivo para chacota”, disse a deputada.

As imagens do evento foram recebidas com críticas também por outros internautas. “Atender na favela tem muito médico que não quer, mas fazer stories achando a representação cênica da favela exótica eles adoram! Esse povo me embrulha o estômago”, escreveu um deles, Jairo Gonçalves.

Em um dos vídeos, publicado no Instagram por uma assessora da Unimed, o espaço caracterizado como favela é classificado por ela como “o mais criativo da festa”. “Olha, tem até um varal”, diz a assessora durante o vídeo, sendo em seguida complementada pelo profissional que projetou o espaço: “E churrasquinho na laje, mostra lá”.

Festa promovida pela operadora de plano de saúde Unimed em um buffet de São José do Rio Preto (SP)simula favela. (Foto: Reprodução)

No vídeo, é possível ver uma mulher negra com roupa de baiana de acarajé manuseia um tacho em frente a um cenário de botequim de periferia.

Dentro de um cenário descrito na legenda do vídeo como “casa de favela”, uma garrafa de refrigerante vazia repousa sobra a pia. Junto ao varal, há um isopor em que está escrito “juju”, suco de fruta congelado também chamado de geladinho ou sacolé.

Em nota, a Unimed São José do Rio Preto informou que o tema da festa “No país das maravilhas” teve como objetivo estabelecer um paralelo entre o livro do escritor britânico Charles Lutwidge Dodgson —conhecido por seu pseudônimo, Lewis Carroll— e a realidade brasileira. E que procurou demonstrar a pluralidade do Brasil.

“A cenografia do evento usou recursos lúdicos com a intenção de despertar entre os convidados uma reflexão crítica a partir da representação de um mundo aparentemente sem sentido, como é o mundo de Alice. Assim, o evento destacou as maravilhas brasileiras sem abrir mão de fazer contundentes críticas sociais”, informou.

A Unimed ainda informou ser uma empresa inclusiva, plural e comprometida em promover a diversidade em todos os seus projetos. “Infelizmente, pessoas que não participaram da festa deturparam, a partir de fotos e vídeos publicados em redes sociais, a interpretação do propósito do evento com citações errôneas”, afirmou a nota.

A obra de Carroll, publicada em 1865, trata de uma menina, Alice, que, atrás de um coelho, se embrenha por um mundo fantástico de animais e objetos falantes governado por uma rainha tirânica, com alusões alegóricas à Inglaterra vitoriana e provocações a respeito da lógica convencional.

+ sobre o tema

CFCCT recebe encerramento da campanha “30 dias por Rafael Braga”

Ato reúne artistas e militantes sociais contrários à prisão...

Minhas férias destruídas pelo racismo

Meu primeiro dia de férias. Merecido! Acordei às 10h...

Mãe perde guarda das filhas por ‘descender de escravos’

De acordo com o Movimento Negro Unificado, ação do...

para lembrar

O que é ser Negro no Brasil

CONEXÃO REPÓRTER mostra quais as formas que o...

Racismo: Homem é brutalmente espancado no centro de Embu das Artes

por Karen Santiago Um homem enquanto passeava com sua namorada,...

Professor que denunciou racismo na UnB é constrangido durante conferência

No dia 16 de novembro, na semana da Consciência...

Para você que espanca até a morte

Você acha que faz parte de que prá dizer...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=