Universidades tingidas de povo

Estudantes negros promoveram uma (r)evolução do conhecimento científico

A implementação da reserva de vagas para alunos oriundos de instituições públicas, respeitada a composição étnico-racial de cada estado da Federação, representa uma das maiores conquistas do movimento negro brasileiro.

Os ganhos da adoção da medida são inegáveis. Não apenas as universidades se tingiram de povo como há hoje uma elite intelectual negra ocupando espaços outrora reservados quase exclusivamente aos brancos. Bancadas de telejornais, programas de entrevistas, telenovelas, propagandas, colunas de jornais e revistas são hoje povoadas de figuras e ideias negras que inspiram novas gerações e suscitam discussões em que pessoas negras são o centro e não o objeto dos debates.

Os temores de queda na qualidade das instituições com a adoção das cotas se mostraram infundados e deixaram ainda mais evidente o preconceito da discussão que antecedeu a medida. Nenhuma universidade teve sua posição nos rankings nacionais e internacionais alterada por efeito da reserva de vagas. Muito pelo contrário, pesquisas recentes mostram que cotistas têm desempenho acadêmico semelhante ou levemente superior a seus pares não cotistas, sobretudo em instituições que adotaram, conjuntamente à reserva de vagas, políticas robustas de incentivo à permanência e à efetiva inclusão desses/as estudantes na vida universitária.

Isso tudo já seria suficiente para atestar o sucesso das cotas. Entretanto, há um argumento central que tais fatos falham em reconhecer: a (r)evolução do conhecimento científico e das práticas educacionais promovida por esses/as estudantes.

Nos últimos anos, escutei inúmeros relatos a respeito de residentes negros de dermatologia que contestaram professores e seus guias visuais de doenças dermatológicas ilustrados exclusivamente por pessoas de pele clara. Vi estudantes de direito organizarem processos civis para denunciar e forçar a apuração de fraudes nas cotas em instituições que se furtaram a acompanhar a implementação da medida conforme preconiza a lei.

Assisti ao surgimento de coletivos voltados ao suporte múlti e interdisciplinar em questões relacionadas a direito, tecnologia e racismo (o Aqualtune Lab, por exemplo, que promove cursos de formação antirracista em direito e tecnologia). Ouvi jovens obstetrizes negras apontar a discordância de procedimentos adotados para gestantes negras e brancas durante o pré-natal e o trabalho de parto.

As discussões sobre referenciais bibliográficos majoritariamente eurocêntricos obrigaram professores a encarar seu próprio viés teórico. Os mais abertos se beneficiaram da inclusão em sua bibliografia de autores africanos, latino-americanos e de povos tradicionais, ampliando o alcance e a qualidade das discussões.

O argumento central anticotas que alardeava a queda da qualidade da academia com a entrada desses estudantes deve ser revisto. São as universidades que estão qualificando suas práticas e ampliando seu conhecimento para dar conta do aumento de qualidade trazido pela diversidade social e racial, algo que já está presente nas melhores universidades do mundo.

Prova desse incentivo à reestruturação do ensino superior é a recente criação da pró-reitoria de Inclusão e Pertencimento da Universidade de São Paulo. A exemplo de outras instituições, a Prip tem como uma de suas missões a promoção de um ambiente sadio e acolhedor a toda a população uspiana, com interesse especial nas populações ainda sub-representadas na pós-graduação e, sobretudo, na docência universitária.


Adriana Alves

Professora do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo

+ sobre o tema

Artuzi é condenado a três anos de prisão e multa de R$ 300 mil por racismo

Ex-prefeito de Dourados vai ter de pagar indenização de...

Não existe racismo fora de uma relação de poder, diz jurista

Jurista Silvio Luiz de Almeida, professor da FGV, discute...

UEPG afasta estudantes após denúncia de troca de mensagens racistas em grupo de aplicativo; MP-PR investiga

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), nos Campos Gerais do...

Professora denuncia adolescentes por injúria racial durante aula no RS

Uma professora da cidade de Campo Bom, no Rio...

para lembrar

Estudante Negro da UFRJ é coagido a sair de ônibus universitário

Por Chico Motta     Na terça-feira dia (26/02) , às 22h,...

Cota não é concessão, mas resultado de luta

Para o professor Marcus Orione, adoção de cotas sociais...

Mulher é demitida após denunciar racismo e intolerância religiosa em hipermercado no Rio

Uma auxiliar de cozinha negra foi demitida após denunciar...

Só quem nunca sofreu racismo na vida que pensa que isso é mera injúria

A minha posição, no sentido de que a injúria...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=