Universitário é preso em suposta abordagem racista da PM e mobiliza OAB-MG

Uma suposta abordagem policial truculenta e motivada pelo racismo está repercutindo nas redes sociais e mobilizou até a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais (OAB-MG). A vítima é Pedro Henrique Afonso, de 24 anos, que foi preso no último 30 de março, ao chegar para estudar na Faculdade de Políticas Públicas da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG).

 

Por Danilo Emerich , do Hoje em Dia

 

Segundo o relato do universitário e educador no Instituto Inhotim, quando ele trancava o carro, por volta das 19h, dois policiais da 124ª Companhia do 22º Batalhão da Polícia Militar chegaram em uma viatura, já com armas em punho e o acusando de furtar o veículo. Ele reclamou da abordagem e foi algemado e acusado de desobediência, desacato e resistência à prisão. Toda a cena foi testemunhada por colegas, professores e moradores próximos, que protestaram contra a atuação policial e considerando o caso racismo, uma vez que Pedro é negro.

 

“Não me agrediram, mas agiram com truculência, me xingavam e nem checaram se o carro era meu mesmo. Só depois que averiguaram isso e viram que não havia nenhum impedimento com o veículo. Já chegaram falando ‘mão na cabeça, vagabundo, e cala a sua boca’ e nem me deixaram falar”, afirmou Pedro, em entrevista por telefone ao Hoje em Dia.

 

Na delegacia, o estudante foi ouvido pelo delegado de plantão, que marcou uma audiência de conciliação na última terça-feira (15). Ele só foi liberado após quatro horas, acusado de um crime que Pedro alega ser inocente.

 

O comandante do 22º batalhão, o tenente-coronel Eucles Figueireido, afirmou que não poderá se pronunciar pelo caso, uma vez que não chegou nenhuma representação formal quanto ao caso. No entanto, ele afirma ter pedido um levantamento para ver o que ocorreu.

 

Repercussão

 

O caso chocou estudantes, professores, servidores e ate a reitoria da UEMG, que chegaram a organizar, no último dia 9 de abril, um de solidariedade ao estudante.  Nas redes sociais, o relato de Pedro também repercutiu, sendo compartilhado por centenas de pessoas.

 

Segundo Pedro Afonso, a audiência de conciliação terminou sem acordo no Juizado Especial Criminal. Foi oferecido a ele prestar serviços sociais para encerrar o caso. Agora, a Comissão de Direitos Humanos da OAB-MG deverá acionar o Ministério Público para analisar o caso e também a corregedoria da Polícia Militar, contra atuação dos policiais.

 

“Nunca tive problemas como esse e nenhuma passagem pela Polícia Militar. Os militares estavam identificados, mas tenho medo. Procuro não andar mais sozinho e sempre vou por locais mais abertos, públicos e avisando meus pais e namorada onde estou. Quero ir em frente, pois é o preconceito que sofri não é só comigo, mas ocorre todos os dias com várias outras pessoas, inclusive já aconteceu com familiares meus e amigos próximos”, afirmou Pedro Afonso.

 

+ sobre o tema

Pra 2018 começar

Milhares de pessoas se dirigem às águas, evocando paz...

“Mas morreu esse tanto de gente por covid-19 mesmo?”

A pergunta que temos ouvido com o anúncio de...

para lembrar

Mulher enfrenta protestos em Londres e pede luta por uma causa ‘justa

por Guilherme Ribeiro A morte do homem que...

Lewis Hamilton participa de protesto antirracista em Londres

O hexacampeão da F-1 Lewis Hamilton foi às ruas...

Ser homem e negro é um rascunho inconcluso e constante

"I'm gonna be the best me..." (da música "I'm...

Polícia algema Dr. Dre após confundir seu iPhone com arma

A semana não começou tão boa para Dr. Dre,...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=