V Conferência internacional de direitos humanos – conselho federal da ordem dos advogados do Brasil (OAB): CARTA DE VITÓRIA

Vitória (ES) – Foi divulgada hoje (17) a Carta de Vitória, com as conclusões e principais recomendações da V Conferência Internacional de Direitos Humanos, realizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O evento, com o tema central “A Efetividade dos Direitos Humanos no Brasil”, foi conduzido pelo presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, que presidiu também a sessão solene de encerramento dos trabalhos. “Saímos daqui muito maiores do que chegamos, muito mais conscientes do papel que a advocacia brasileira ocupa na cidadania do país em torno da causa dos direitos humanos”, afirmou Ophir.

O respeito às políticas públicas de direitos humanos e ações concretas do governo na área são algumas das recomendações da Carta, que aborda questões relativas à proteção de grupos vulneráveis da sociedade (crianças, adolescentes, pessoas com deficiência, por exemplo); lei de acesso à informação; a Comissão da Verdade; sistema prisional; direito à saúde; e acesso à Justiça, entre outros.

Confira a íntegra da Carta de Vitória:

“Nós, participantes da V Conferência Internacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, reunidos em Vitória (ES), de 15 a 17 de agosto de 2012, manifestamos nosso olhar sobre “A Efetividade dos Direitos Humanos no Brasil”, fundamentado no respeito à diversidade, à pluralidade e à tolerância.

Reafirmamos nosso compromisso com a imprescindibilidade da proteção e promoção dos direitos humanos na consolidação do Estado Democrático de Direito, propondo as seguintes ações:

Implementar a Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, visando à superação de barreiras físicas e a mudança de atitudes, de modo a assegurar a sua plena inclusão e acessibilidade.

Garantir o acesso à saúde com ampliação da participação popular na elaboração e execução das políticas públicas.

Estimular práticas de proteção ao meio ambiente mediante a educação ambiental.

Militar pelo cumprimento integral da lei de acesso à informação como medida de proteção dos direitos humanos.

Reconhecer o direito de resistência como garantia constitucional para combater o abuso de poder e violações da dignidade da pessoa humana.

Pugnar pelo estabelecimento de metas de desencarceramento, construindo um Estado Penal Mínimo.

Defender a democratização dos meios de comunicação, com a transparência e lisura nas concessões e a participação da sociedade no Conselho constitucionalmente previsto, reafirmando o compromisso com a plena liberdade de informação;

Exigir a implementação de medidas visando a debelar o tráfico de pessoas e o trabalho escravo, bem como a combater as suas causas estruturais e lutar pela aprovação da PEC 57-A (antiga 438);

Cobrar que as empresas brasileiras, instaladas em outros países, respeitem os direitos dos trabalhadores brasileiros e estrangeiros, bem como os estrangeiros que trabalham em nosso país;

Repudiar a relativização dos direitos da criança e do adolescente, reafirmando a necessidade de sua proteção contra a violência e a exploração sexual, lutando contra o trabalho infantil.

Implementar o controle social da atividade policial e combater a violência, a tortura e o tratamento desumano e degradante, especialmente no sistema penitenciário.

Defender a natureza de norma constitucional de todos osTratados Internacionais de Direitos Humanos ratificados pelo Brasil;

Apoiar o fortalecimento do Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos e monitorar o cumprimento das recomendações feitas ao Brasil durante a Revisão Periódica Universal das Nações Unidas.

Agilizar a aprovação do projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional que reestrutura o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana – CDDPH e lhe confere atribuições e competências indissociáveis do alcance das finalidades do órgão.

Apoiar as ações que visam a combater a discriminação e a intolerância por orientação sexual ou identidade de gênero, bem assim o direito ao casamento civil entre pessoas de mesmo sexo.

Reconhecer a instalação da Comissão da Verdade como uma conquista da sociedade brasileira e pugnar pela celeridade e publicidade de seus trabalhos.

Defender a extinção dos manicômios judiciais e a construção de rede pública nos termos da lei 10.216, estimulando a criação de Centros de Atendimento Psicossocial.

Registrar a importância do julgamento do Tribunal de Justiça de São Paulo, reconhecendo a responsabilidade por atos de tortura praticados durante a ditadura militar pelo Coronel Carlos Alberto Brilhante Ulstra.

Repudiar o massacre do Pinherinho, ocorrido este ano, em São José dos Campos, clamando pela apreciação do caso pelo Conselho Nacional de Justiça.

Reconhecer a legitimidade da Turma de Direito “Evandro Lins e Silva”, da UFG, integrada exclusivamente por camponeses.

Reafirmar o ser humano como o centro gravitacional do Estado e da Sociedade, a merecer, em toda e qualquer circunstância, respeito e tratamento digno.

Recomendar ao Estado Brasileiro a efetivação de medidas de prevenção, educação e proteção com vistas erradicação do racismo e da discriminação racial, bem como a real implementação das políticas de ações afirmativas, nos campos educacional, social, econômico, cultural e outros, objetivando a promoção, o fomento e o avanço da igualdade da população afrodescendente, garantindo-lhes, em condições de igualdade, o pleno exercício dos direitos humanos e das liberdades fundamentais.

Exortar o Conselho Federal e os Conselhos Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil no sentido de promover ações junto aos advogados e advogadas que atuaram na defesa de presos políticos, para que disponibilizem os documentos, que porventura disponham, a fim de subsidiar os trabalhos da Comissão da Verdade.”
Referência: V CONFERÊNCIA: Carta de Vitória. Disponível em: http://www.oab.org.br/Ouvidoria/Acompanhe?bjHj9bvI9C3ynxWXaYwdOzlal+iPr7CEfIKJkhlTCv4H69xfzA51syIVlJiIgE3cL3BJ2j5gRsMm8biLaGXRBg==.

 

Conselho Federal da OAB
Ouvidoria-Geral
SAUS Quadra 5 – Lote 2 – Bloco N – Edificio OAB – Brasi­lia/DF – CEP 70070-913
Fone: (61) 2193- 9769 / (61) 2193-9728

+ sobre o tema

Dossiê reúne impactos e violações de direitos no caminho para a Copa do Mundo

Documento será entregue aos governos e às prefeituras das...

O protesto dos cineastas contra a ‘política do coturno’

O filme Trabalhar Cansa, dos diretores Juliana Rojas e...

Dois moradores de rua foram executados na manhã deste sábado em Taguatinga

Dois moradores de rua foram executados a tiros neste...

para lembrar

Policial é principal agressor de jovens moradores de rua, diz pesquisa

Dos 127 jovens entrevistados, 47,1% disseram já ter sido...

Rio lança Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo

A partir desta terça-feira o Disque Denúncia do...

‘Não existe perdão para racismo’, diz vereador judeu

  Parlamentar que comparou colega judeu a Hitler, e depois...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=