Vale a pena salvar idiomas?

É relativamente fácil mobilizar uma multidão para salvar as baleias; mais difícil é reunir alguns gatos pingados pela preservação de bichos pouco simpáticos, como a minhoca branca (Fimoscolex sporadochaetus), que pode já ter desaparecido; o verdadeiro desafio, entretanto, é arregimentar gente para conservar um idioma.

Fonte: Folha de São Paulo 

O Brasil é um dos países campeões em línguas ameaçadas de extinção. A crer nas estimativas de Tove Skutnabb-Kangas, com 219 idiomas, somos a oitava nação mais linguisticamente diversa do planeta, ficando atrás apenas de Papua-Nova Guiné (850), Indonésia (670), Nigéria (410), Índia (380), Camarões (270), Austrália (250) e México (240).

Não por acaso, as línguas faladas por pequenos grupos indígenas em áreas tropicais são as que correm maiores riscos, a exemplo do que se dá com espécies animais e vegetais. As pressões econômicas que derrubam florestas são as mesmas que rompem o isolamento cultural de índios e os levam a fixar-se em áreas urbanas, adotando idiomas majoritários como o português.

No plano global, acredita-se que existam em torno de 6.500 línguas. Elas podem ser classificadas em três grandes grupos em relação a suas perspectivas de sobrevivência. São chamadas de “moribundas” quando já não são aprendidas pelas crianças. Estima-se que de 20% a 50% estejam nessa situação. Diz-se que estão “ameaçadas” quando se encontram em vias de deixar de ser aprendidas por jovens. E são consideradas “seguras” quando não se enquadram em nenhuma das categorias anteriores. Só 10% dos idiomas são robustos o bastante para se encaixar na última definição; 90% não sobreviverão além de 2100.

A iniciativa do IBGE de promover o recenseamento linguístico tem o mérito de mapear, para além de chutes e estimativas, os idiomas existentes no Brasil e o grau de ameaça que paira sobre cada um.

A questão é se vale a pena tentar salvar idiomas ou se o processo de concentração linguística é inexorável. Na última hipótese, só o que nos restaria fazer é colecionar o maior número possível de registros dessas línguas, para que elas não se percam inteiramente. Cada idioma, afinal, ao revelar como um grupo de indivíduos pensa e hierarquiza o mundo, é uma janela para a natureza humana.

 

+ sobre o tema

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

para lembrar

spot_imgspot_img

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 15 anos, 151,5 milhões sabem ler e escrever ao menos um...

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...
-+=