Várias dezenas de pessoas concentram-se em Lisboa contra o racismo

Várias dezenas de pessoas manifestaram-se este sábado em Lisboa contra atitudes racistas, discriminatórias e xenófobas por parte das forças de segurança.

Do Observador

 

Tiago Petinga/LUSA

Várias dezenas de pessoas manifestaram-se este sábado, no Rossio, em Lisboa, contra atitudes racistas e discriminatórias e xenófobas, cometidas por vezes por instituições, lembrando vários casos de agressões por parte das forças de segurança.

“Portugal é um país racista, sempre foi um país racista. Lembremo-nos que em 2015 tivemos jovens que foram agredidos na esquadra de Alfragide e o julgamento ainda está a decorrer. O racismo existe a nível institucional, estrutural e ao nível do povo”, disse à Lusa Lúcia Furtado, da DJASS — Associação de Afrodescendentes, uma das muitas associações organizadoras da mobilização.

Lúcia Furtado deu como exemplo de atitudes racistas o modo como os africanos são retratados nos meios de comunicação social e a forma como a História é ensinada na escola. “Queremos chamar a atenção para este fenómeno e queremos que o povo e as instituições comecem a reconhecer o racismo. Isto não é um ataque a ninguém, nem à população, é um problema da sociedade, algo estrutural”, explicou.

A ativista chamou ainda a atenção para a má aplicação da lei da nacionalidade, dizendo que a maioria das pessoas não tem noção de que muitos jovens que nasceram em Portugal não são portugueses e não têm direito à nacionalidade.

A deputada do BE Isabel Pires também esteve presente na concentração, porque, disse, “em Portugal existe um problema de racismo e está na hora de falar sobre ele”.

“O direito à habituação é muitas vezes sonegado a determinadas franjas da sociedade. Há racismo institucionalizado, como sejam os casos de violência policial ou o desigual acesso à saúde, por exemplo”, afirmou a deputada, reiterando que “o problema existe e tem de ser admitido e debatido e têm de existir propostas que o combatam”.

Segundo o BE, o racismo é crime, mas não está a ser punido como tal e, referiu Isabel Pires, “assiste-se muitas vezes a casos de violência policial, assédio na rua e no local de trabalho que continuam impunes”.

O PCP também esteve solidário com a mobilização. Para a deputada Rita Rato, “as lutas antirracista e contra a discriminação são inseparáveis da luta por um país mais justo”.

“Portugal mantém traços de racismo institucionalizados e não institucionalizado e há que combatê-lo, nomeadamente quando no nosso país e por toda a Europa crescem forças fascistas e neofascistas que importa combater”, declarou.

A lei que estabelece o Regime Jurídico da Prevenção, Proibição e Combate à Discriminação em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem está em vigor desde agosto de 2017.

+ sobre o tema

Dia das mães, 2021

A estrutura que me cerca odeia as mães, assim...

O caso do adolescente negro baleado após tocar campainha de casa errada nos EUA

Protestos eclodiram no final de semana em Kansas City,...

Anistia Internacional: Lançamento da campanha Jovem Negro Vivo

Em 2012, 56 mil pessoas foram assassinadas no Brasil....

Racismo: Metalheads saem na porrada contra white-powers na Califórnia

Uma manifestação da Ku Klux Klan em 27 de...

para lembrar

Dilma fala sobre racismo e violência contra a mulher em entrevista para Regina Casé

A presidenta Dilma Rousseff fez uma participação hoje no...

Sindicato de jogadores critica Uefa após ofensas racistas a Touré

O sindicato mundial de jogadores profissionais (FIFPro) criticou...

O esporte goleia o racismo

Enfim, o racismo sofre uma derrota dessas de mudar...

Jovens juiz-foranos combatem preconceito e discutem questões raciais na internet

Assuntos como sobrepeso e desigualdade social são abordados em...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=