Vereador denuncia Colégio Anchieta ao MP por “racismo”

O vereador entrou com uma representação no Ministério Público Estadual, nesta segunda-feira (12/06), requerendo do órgão a adoção das medidas cabíveis visando coibir este tipo de prática no ambiente da referida instituição de ensino

Foto: Rejane Carneiro|AG. A TARDE

Do Tribuna da Bahia

A suposta brincadeira realizada por alunos do Colégio Anchieta, em Salvador, que ao participarem de uma atividade da escola, denominada de ‘Dia do Mico’, se fantasiaram de integrantes do KLU KLUX KLAN, organização norte-americana conhecida por realizar atos violentos contra a população negra dos Estados Unidos, gerou repercussão na imprensa e nas redes sociais, e indignou o vereador Sílvio Humberto (PSB), que é membro da Comissão de Reparação da Câmara Municipal.

O vereador entrou com uma representação no Ministério Público Estadual, nesta segunda-feira (12/06), requerendo do órgão a adoção das medidas cabíveis visando coibir este tipo de prática no ambiente da referida instituição de ensino.

A representação indica que a escola promova palestras educativas acerca do racismo e de suas consequências socioeconômicas e culturais. Sílvio defende que a situação denota a falta de aplicação das Leis 10.639/03 e 11.645/08, que instituem a obrigatorieda de do estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, públicos e privados.

“Quais cidadãos a escola está querendo formar, sendo negligente com assuntos dessa importância?”, questiona o parlamentar. “Vivemos numa cidade de imensa maioria negra. E a escola, ao permitir esse tipo de ‘brincadeira’, contribui para o ataque a uma população historicamente estigmatizada”, completa.

O vereador argumenta que é contra isso que os opositores da proposta de Escola sem Partido se levantam. “O currículo escolar deve ser um norte. Ele diz onde se quer chegar com a formação dos alunos. Não há como ser neutro nesse campo, sob o ris co de grave omissão”. O assunto, além de ser abordado por outros vereadores na Câmara, foi pauta da reunião da Comissão de Reparação da Casa Legislativa.

O vereador citou a Constituição Federal para chamar a atenção para o caráter inafiançável e imprescritível do crime de racismo. E para ressaltar que a Carta Magna preconiza a proteção do direito desses grupos sociais. “Não podemos silenciar diante desse tipo de manifestação. Esse silêncio no s custa vidas”, protestou Sílvio.

+ sobre o tema

Quatro teses contra a acusação de vitimismo de negros, mulheres e LGBT

Para Aristóteles, o termo falácia significa um raciocínio falso...

Laboratório de Goiânia se recusa a realizar exame em professor com rastafári

Laboratório de Goiânia se recusa a realizar exame em...

A história da estátua censurada em São Paulo por mostrar um beijo inter-racial

Ela tem uma história de vida inusitada para uma...

Deputado carioca será processado por homofobia e racismo

Por: Bruno Huberman Conselho de Direitos Humanos da...

para lembrar

Conselho da Europa quer discriminação racial no exercício de cargo público como crime

Mais recente relatório da Comissão Europeia contra o Racismo...

Homem confessa racismo contra modelo após concurso, diz polícia

Duas mulheres também são suspeitas do crime, mas não...

Estudante é morto por bala perdida em ponto de ônibus na Tijuca

Gabriel Pereira Alves, 18 anos, chegou a ser socorrido...

Não existe racismo fora de uma relação de poder, diz jurista

Jurista Silvio Luiz de Almeida, professor da FGV, discute...
spot_imgspot_img

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...
-+=