Vereadora sofre transfobia: “É roubar nossa dignidade não usar nome social”

Após ser vítima de transfobia, Benny Briolly (PSOL-RJ) conseguiu que a Câmara de Niterói (RJ) obrigasse os vereadores a usarem o nome social de qualquer colega trans dentro da Casa. Primeira vereadora trans eleita da cidade, Benny era constantemente chamada por pronomes do gênero masculino, e não por seu nome social, pelo colega bolsonarista Douglas Gomes (PTC). O vereador já a chamou de “moleque, vagabundo” e “traveco do PSOL”.

Na sexta (16), a Câmara publicou uma resolução com a nova orientação — o vereador que não respeitá-la poderá sofrer um processo no Conselho de Ética. O nome social é aquele que uma pessoa escolhe para usar quando se reconhece com um gênero diferente daquele com o qual foi identificada no nascimento.

A Universa, Benny diz que chamar uma pessoa trans pelo nome social é uma questão de manter a humanidade, e não apenas de respeito:

Usar o nome social é manter a humanidade, a dignidade e a cidadania da pessoa trans. Quando você respeita, não rouba a dignidade da pessoa

Segundo a vereadora, que é presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Gomes alegava ter imunidade parlamentar para se referir a ela no gênero masculino. “A imunidade dá a ele liberdade de expressão. Ele poderia subir na tribuna para ir contra os projetos para trans e travestis que eu apresentasse, mas não para cometer o crime de LGBTfobia, que é uma determinação do STF”, fala. Em 2019, o Supremo Tribunal Federal aprovou a criminalização da LGBTfobia.

Para Benny, os parlamentares que aprovaram a resolução da Câmara não merecem aplausos por fazer valer a lei. “A resolução só mostra que Niterói é uma sociedade que está dentro da lei, não é algo para ser aplaudido, porque já existe uma lei no Brasil”, diz.

A Câmara de Niterói é um lugar historicamente baseado na velha política patriarcal dos coronéis e com uma herança escravocrata. Por sua vez, o Brasil lidera o ranking dos países que mais matam trans. Então há uma reprodução das violências aos direitos humanos na Câmara

Benny foi a vereadora mulher mais votada na cidade em 2020 e logo após ser eleita sofreu ameaças anônimas de morte. À época, ela disse em entrevista para Universa que, por ser travesti, teria que trabalhar o dobro dos outros 20 parlamentares para cumprir a mesma tarefa.

Para ela, a forma com que a sociedade marginaliza a população trans também reverbera dentro das instituições. E que, por isso, a transfobia na política e na sociedade será reiterada “enquanto o Estado brasileiro não for derrotado nos marcos opressores e capitalistas”.

Avanços na visibilidade

A vereadora aponta que a inserção de pessoas trans na política e em outras frentes da sociedade e no mercado de trabalho é um avanço. Para ela, o combate à transfobia também se dá pela visibilidade, com o uso da palavra travesti como símbolo de resistência na mídia e por ações políticas que garantam a legitimidade de direitos das pessoas LGBTQIA+.

“Existe um avanço das mulheres travestis e trans que é histórico. Há mais visibilidade e sabemos que tudo que a gente consome, uma novela, um programa de entrevista, tem direcionamento político. Agora temos a Liniker, Linn da Quebrada, Pabllo Vittar, mulher trans atuando em novelas. Ter esse avanço faz com que os marcos políticos também avancem.”

+ sobre o tema

Homofobia: Confundidos com casal gay, pai e filho são espancados em São Paulo

O caso aconteceu em uma feira agropecuária de São...

‘O amor une. A homofobia, não’: MEL lança primeiro comercial com beijo gay da TV brasileira

O Movimento do Espírito Lilás (MEL) em parceria com...

A fabulosa geração de gays que nasceu para ser tudo que ninguém quer

Apropriam-se de termos, criam linguagem própria e um andar...

Candidato homofóbico do PSDB causa revolta e vergonha alheia

Candidato homofóbico pretende 'ensinar meninos a gostarem somente de...

para lembrar

Transexual denuncia caso de preconceito em prova da Uneb

Uma mulher transexual, de 24 anos, disse que foi...

Grande São Paulo registra ao menos três ataques a transexual e travestis em duas semanas

Levantamento do G1 identificou ataques nos dias 4, 10...

Edson Santos lembra histórico de exclusão dos negros na política

O deputado federal e ex-ministro da Igualdade Racial Edson Santos...

Duas caras na política, no cotidiano, na vida: o problema da consciência dissociada.

Há um fator fundamental a ser analisado na formação...
spot_imgspot_img

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=