Vices têm em comum a luta por afirmação negra e feminina

Integrantes de legendas que têm propostas políticas diferentes, o PC do B com um discurso mais radical, e o PV com uma postura mais moderada em comparação aos comunistas, as duas candidatas à vice-prefeita de Salvador, Olívia Santana e Célia Sacramento têm em comum um histórico de luta pela igualdade social e afirmação racial, além de uma história de vida que, com poucas diferenças, também se assemelham.

Por: Kleyzer Seixas

Ambas são professoras, nasceram na mesma década, a de 60, têm origem humilde, cresceram em bairros pobres de Salvador e estudaram em escolas públicas, além de terem cursado o nível superior na Universidade Federal da Bahia.

O professor de Ciência Política de Ufba, Joviano Neto, explica que, ainda que com pesos diferentes, as duas candidatas à vice expressam uma importante trajetória de luta no movimento negro. “Olívia vem da liderança do movimento negro e é de um partido caracteristicamente de esquerda. Célia veio da militância como professora, participou da formação do movimento negro e é de um partido não caracteristicamente de esquerda, mas que surgiu como alternativa. Uma enfatizando a ação política direta, outra, o ensino. Uma com uma visão mais clara, e outra, mais light” afirma Neto.

Algumas das diferenças ficam por conta da experiência política. Enquanto a comunista já foi três vezes vereadora e secretária municipal de educação, Célia foi candidata a deputada federal em 2010. O professor esclarece que, embora ambas possuam experiência pessoal de atenção e luta no movimento, “Olivia já é vereadora pela terceira vez e Célia tem um porte politico menor”.

Os projetos que ambas têm para a prefeitura também são similares. Tanto Olívia quanto Célia têm propostas voltadas para melhorar o acesso da população negra a serviços básicos, como de saúde e educação, e de ampliar as oportunidades para as mulheres no mercado de trabalho e na educação. Possuem, igualmente, um projeto para ampliar o atendimento e acompanhamento da anemia falciforme, doença que atinge a população negra.

Na condição de vereadora, Olívia Santana tem o projeto do estatuto municipal da igualdade racial, que continua tramitando na Câmara Municipal, e segundo informou, espera vê-lo aprovado ainda este ano. “Se a Câmara não votar, vamos continuar lutando para que na próxima legislatura se garanta, porque o projeto é um elenco de propostas de políticas afirmativas ara os negros”, esclarece.

Já Célia garante que levará para o executivo municipal muitas das pautas que fizeram parte dos 20 anos de trabalho em prol da afirmação das mulheres e dos negros. Uma das suas apostas é fortalecer projetos como o “Hoje menina, amanhã mulher”, cujo objetivo é orientar e formar jovens de escolas públicas, visando a discussão, identificação e prevenção de diversas formas de exclusão social. “As mulheres estão precisando de projetos que as incluam. É importante que haja uma política de qualificação profissional para elas”, destaca.

Artistas mulheres opinam sobre vices negras

“É um avanço e um atraso. Uma cidade como Salvador há muito tempo deveria ter essa liderança. A gente não pode dizer que está num super avanço nas questões dos negros, mas acho importante duas mulheres, e principalmente negras, tendo essa possibilidade. Apesar de que, na comunidade, a mulher negra já tem destaque, e isso vai ratificar o que todo mundo já sabe nas comunidades, que as mulheres são as grandes líderes, de associações comunitárias, dos bairros. Vamos perpetuar uma certeza de que a grande força está na mulher. É um ponto positivo, que vai reverberar dentro das comunidades” (Cássia Vale – atriz, 39 anos)

“É uma conquista positiva e uma representação importante para todas as mulheres negras. É claro que há uma grande simbologia pela questão da cor, mas muito mais relevante que isto é a competência para colaborar com o desenvolvimento da cidade. É fundamental que qualquer uma das duas que assuma este cargo público tenha uma atuação participativa e defenda um espaço menos desigual.”
(Margareth Menezes – cantora, 39 anos)

 

 

Fonte: A Tarde

+ sobre o tema

O verdadeiro peso do racismo no dia a dia

Diante do cenário do país, não tem como ignorá-lo....

Rosa Parks

O marco inicial deste movimento se deu no sul...

Atenta aos sinais por Flávia Oliveira

Vibro com datas que trazem reflexões sobre temas, pessoas,...

para lembrar

Após anunciar gravidez, Juliana Alves fala sobre a primeira gestação

Grávida de quatro meses, Juliana Alves revelou que será...

O que significa ser fruto de um país que foi colonizado?

Em meio à preparação do editorial de moda da...

Onde andará a boa e velha liberdade?

Sempre, sempre, sempre que a gente falava nela, tinha...
spot_imgspot_img

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo da meninade joelho num surrão. Grita ao vento seu nomeComo se quisesse dizerQue mulher tem que...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde mundial feminino da maratona ao vencer a prova em Londres com o tempo de 2h16m16s....
-+=