Vídeos mostram a sutileza de padrões racistas quando você pesquisa em bancos de imagem

Os padrões raciais desiguais se estabelecem e se disseminam não só nos grandes e evidentes momentos de racismo, mas também em pequenos detalhes, nas formas com que quase todo tipo de coisa é oferecida e disseminada – inclusive em algo tão banal quanto a busca por imagens na internet.

Do Hypeness

A página Desabafo Social realizou um experimento com os quatro maiores bancos de imagens virtuais para comprovar como o racismo pode estar até mesmo na maneira com que algoritmos de busca se comportam.

O experimento basicamente consiste em observar a diferença no resultado da busca de termos como “pele negra” e simplesmente “pele”, ou “pessoa negra” e somente “pessoa”. Quando o adjetivo de cor está incluído, naturalmente que a busca oferece um resultado consistente, mostrando, por exemplo, uma porção de imagens de pessoas negras. Quando a busca é simplesmente por “pessoa”, o resultado mostra quase que absolutamente imagens de pessoas brancas.

Em resumo: por que é preciso escrever “negro” para achar negros entre as imagens? Por que branco é o resultado padrão? Em um país com mais da metade da população de cor negra – e com um histórico tão brutal de racismo desde sempre e até hoje – tal “falha” não é um mero detalhe, mesmo que seja simplesmente um “erro” de algoritmo. A página também oferece o experimento em inglês.

São quatro vídeos, cada um com um termo (sempre com uma busca incluindo o adjetivo “negro” e uma somente com a palavra simplesmente) e um banco de imagens diferente. Para o iStock Photos, a palavra buscada foi “pele”; no Depositphotos, a palavra foi “pessoa”; no Shutterstock, a procura foi por “família”; e no Gettyimages, “bebê”

Por fim, uma frase, adaptadas a cada busca, e uma pergunta. No caso de “pessoa”, por exemplo, o vídeo se conclui dizendo “Pessoa negra também é pessoa” – e convida cada banco de dados a uma reflexão urgente: vamos conversar sobre seu algoritmo de buscas?

Se tudo na vida pode ser visto como uma metáfora de algo maior e simbólico sobre todos nós, esse caso (e maneira como ideias tão amplas e universais como família e pessoa se mostram ligadas somente a peles brancas) é claro e evidente – e precisa ser visto e falado imediatamente.

 

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

V Semana de Reflexões Sobre Negritude, Gênero e Raça

Pesquisadores da temática racial de todo o país chegam...

O teu discurso não nega, racista

Deixar de cantar marchinhas ofensivas a grupos historicamente discriminados...

Padre critica machismo, homofobia e Bolsonaro e ganha as redes sociais

Padre fez discurso corajoso contra o ódio em pregação...

Descolonização e racismo à portuguesa

O que Marcelo Rebelo de Sousa fez foi manifestar...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=