Um triste cenário que não pode ser naturalizado

O sofrimento a que vem sendo submetidas as crianças e mulheres das favelas do Rio de Janeiro, como o Complexo do Alemão, Acari entre outras, com operações sistemáticas e em horários de fluxo escolar vem sendo altamente danoso para esta população. O fato é que estes episódios recorrentes e cada vez mais severos vêm produzindo danos que vão além dos tristes índices de letalidade juvenil, impossibilidade de locomoção e paralisação de serviços essenciais.

Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil

Não podemos naturalizar questões como essas. É preciso que se dê visibilidade cada vez maior aos danos “colaterais” dessa forma de gestão das ações ligadas à implementação da política de segurança pública.

O aumento dos casos de sofrimento mental, stress, hipertensão, diabetes, depressão e síndrome do pânico, embora não quantificados, podem ser observados e fazem parte dos depoimentos diários, ouvidos por exemplo, por Lúcia Cabral da ONG Educap no Complexo do Alemão.

Este triste cenário infelizmente não é encontrado somente no Alemão. É o modo de gestão destinado à espaços populares. É a mutilação cotidiana da cidadania de milhares de crianças e mulheres pobres, sujeito a todo tipo de abusos e violações, por conta da criminalização da pobreza.

É imperativo buscarmos juntos, sociedade e instituições, um caminho para a mudança desse quadro, ou perdemos todos e todas.

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Do Valongo à Favela: Exposição conecta passado escravo com favelas nos dias de hoje

A principal exposição do Museu de Arte do Rio (MAR)...

A ‘desfavelização’ e o ódio da elite às periferias perpetuam herança colonial

"Moro na Favela do Lixão há mais de 30 anos. Quando...

V Semana de Reflexões Sobre Negritude, Gênero e Raça

Pesquisadores da temática racial de todo o país chegam...

O teu discurso não nega, racista

Deixar de cantar marchinhas ofensivas a grupos historicamente discriminados...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Favelas e Comunidades Urbanas: por que mudança feita pelo IBGE é importante

O IBGE decidiu substituir a designação "Aglomerados Subnormais", utilizada pelo instituto em seus censos e pesquisas desde 1991. A mudança é um pedido antigo...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...
-+=