Violência contra as mulheres cresce 50% em um ano no Distrito Federal

De janeiro a novembro do ano passado, os 20 juizados de violência doméstica e familiar do DF receberam 10.933 mil pedidos de medidas protetivas

Por Jéssica Eufrásio Do Correio Braziliense

(foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)

Para muita gente, chegar em casa é sinônimo de segurança e bem-estar. Para outros, porém, o próprio lar se transformou no cenário de um pesadelo. Assim é a vida das milhares de vítimas de violência doméstica no Distrito Federal. Carla Graziele, Clésia, Isa Mara, Jessyka, Jusselia e Mary Stella Maris… Além de viverem relacionamentos abusivos, todas elas entraram para a lista de mulheres assassinadas por companheiros ou ex-companheiros. No quinto dia do ano, mais uma tragédia registrada: a dona de casa Vanilma Martins tornou-se a primeira vítima de feminicídio no DF em 2019.

Os dados mais recentes da Secretaria de Segurança Pública mostraram que, de janeiro a novembro, o número de ocorrências desse crime aumentou 50% em relação ao mesmo período de 2017. Por pouco, Regina* não entrou para essa triste estatística. Ela viveu um relacionamento de 10 anos com o ex-companheiro e, em abril, após denunciar agressões físicas e ameaças de morte, conseguiu uma medida protetiva. “Ele não aceitava o término. Mudei de endereço, mas ele me procurava pela cidade. Em julho, minha filha, meu genro e minha neta estavam comigo quando meu ex invadiu a casa com uma faca e tentou me atacar. Meu genro e eu conseguimos contê-lo, mas ele cortou a mão da minha filha”, relata

O agressor ficou preso por 72 dias e, depois, passou a cumprir pena com monitoramento por tornozeleira eletrônica. Regina ficou cerca de 20 dias escondida em uma chácara nos arredores de Brasília. “Pensei em ir a alguma Casa Abrigo, mas, ao mesmo tempo, não sabia se conseguiria estar segura. Por causa do medo, decidi sair da cidade. Deixei tudo o que tinha para trás e recomecei minha vida. Mesmo assim, temo que ele me encontre de alguma forma”, confessa.

E foi justamente no ano em que houve aumento no número de casos de feminicídio e nas ocorrências ligadas à Lei Maria da Penha, que as dificuldades de atendimento especializado nas delegacias e os obstáculos para o registro dos casos somaram-se a problemas estruturais e administrativos. De janeiro a novembro do ano passado, os 20 juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher do DF receberam 10.933 mil pedidos de medidas protetivas. Ao todo, 1.825 mil requerimentos foram indeferidos. Fora isso, há 6 mil tornozeleiras eletrônicas disponíveis para acompanhamento dos agressores, mas apenas 134 delas estão em uso, segundo dados do Centro Integrado de Monitoração Eletrônica (Cime).

Proteção

Para a defensora pública Dulcielly Nóbrega, é preciso acreditar nas mulheres para que elas não percam as esperanças nos programas oferecidos para combater esses crimes. “O mais difícil é a vítima tomar coragem e denunciar as agressões. É nosso dever, e do Estado, oferecer os melhores atendimentos e estarmos ao lado dessa pessoa. Quando ela é desacreditada, ou o juiz nega a medida protetiva, a mulher tende a entrar no ciclo da violência outra vez”, explica. A defensora acrescenta que, para o cenário mudar, são necessárias ações conjuntas, pois intervenções isoladas não atendem à “complexidade estrutural da violência sofrida pelas mulheres”.

Uma das medidas adotadas para manter sob vigilância famílias nas quais verificaram-se casos de violência doméstica foi o programa de Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid). Criado em 2015, o objetivo da iniciativa é prevenir, inibir e interromper a prática desses crimes. A iniciativa abrange 21 regiões administrativas e monitora 450 famílias. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, de janeiro a setembro, ocorreram 5,5 mil visitas para atendimento de 710 lares.

Outros programas

Botão de Emergência

O dispositivo para mulheres em situação de vulnerabilidade atende vítimas que estão sob medida protetiva de urgência expedida pelas Varas de Violência Doméstica. Quando a protegida se sente ameaçada, ela aciona o aplicativo que alerta o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), na SSP/DF. A equipe de policiais mais próxima do local onde a mulher estiver é acionada para atendê-la

Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid)

A Polícia Militar oferece policiamento especializado para atendimento de mulheres vítimas de violência. Assim, os policiais realizam visitas periódicas às famílias em que foram constatados casos de violência doméstica. O programa atende pelo telefone 998-418-140

Fonte: Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social (SSP/DF) e Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal (SES/DF)

Vulneráveis também são vítimas

As mulheres não são os únicos alvos da violência doméstica. Ao longo dos últimos quatro anos, pelo menos 60% dos crimes de estupro aconteceram contra crianças, adolescentes menores de 14 anos, idosos e deficientes. A maioria desses casos — quase 90%, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública — aconteceu nas residências das vítimas e foi provocada por parentes ou pessoas do círculo social da família, como amigos ou vizinhos.

“Começou em agosto, com ele (abusador) passando a mão nas minhas partes íntimas. Um dia, eu estava na cama, ele se deitou do meu lado e fez as mesmas coisas. Só que, desta vez, colocou o órgão para fora. Ele só não continuou, porque escutou minha mãe chegar em casa.” O relato é de Sofia*, 12 anos, abusada sexualmente pelo padrasto. A criança levou cinco meses para contar à mãe o que vivia com o covarde algoz. Com medo de não acreditarem nela, guardou tudo para si. Em meados de dezembro, ela revelou, em uma carta, o que acontecia. “Eu não podia mais ter medo dele”, completou.

A criança entregou o pedaço de papel na presença do abusador, que negou tudo. A mãe fingiu não acreditar, enquanto o suspeito arrumava as roupas em uma mala para deixar a casa. No entanto, a responsável pela menina o denunciou para a Polícia Militar. Ele foi preso em flagrante por estupro de vulnerável. A mãe, Carolina*, não se arrepende e incentiva outras vítimas e familiares: “Não podemos nos calar diante dos abusos e quem é responsável pela criança deve acreditar nela. Temos de acreditar em uma pessoa que está vulnerável, muitas vezes, o agressor está dentro do nosso convívio”, alerta.

Para a delegada adjunta Patrícia Bozolan, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), a principal dificuldade enfrentada pelos agentes é a dúvida que a família tem sobre o depoimento da criança. “Como na maior parte das ocorrências o abusador é conhecido de todos, há um conflito familiar. Parte acredita na criança e a outra, não. Um abusador não tem cara, profissão, idade ou passagem pela polícia. Isso faz os adultos pensarem que aquela vítima está ‘fantasiando’ toda a situação”, ressaltou a delegada.

Mudanças

De janeiro a outubro, os crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes corresponderam a 80% dos casos de estupro que chegaram às unidades de saúde, segundo informações da Secretaria da Promoção de Políticas para Crianças e Adolescentes. As meninas são as principais vítimas. Segundo a subsecretária da pasta, Perla Ribeiro, o problema envolve todas as classes sociais e idades. Ela ressalta que, para além da idealização de poder do adulto sobre a criança, há a sensação de que o homem tem o direito de dominar o corpo feminino.

Perla explica que, para se alcançar a prevenção desse tipo de ação, é preciso ter, sobretudo, um diálogo aberto com crianças e adolescentes. “Ao falarmos sobre o assunto, mostramos que eles têm poder de decisão sobre os próprios corpos e que nenhuma outra pessoa tem autorização para tocá-los sem que eles deixem. Além disso, precisamos estruturar as políticas públicas para tratar dessas questões”, pontua.

Os obstáculos no atendimento às vítimas de violência doméstica e de estupro de vulnerável, além da prevenção desses crimes, compõem a lista de desafios da nova gestão do Distrito Federal. De acordo com o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, esses serão alguns dos principais pontos trabalhados pela equipe que integrará as chefias dos órgãos de segurança. “Estamos fazendo um estudo dos índices e de tudo o que tem sido feito para reprimir e evitar os casos. Mais importante que a repressão é a prevenção. Vamos trabalhar com intensidade em cima disso”, reforçou Anderson.

*Nomes fictícios

Onde buscar ajuda

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)

A unidade especializada funciona 24 horas e fica na Asa Sul. Telefones: 3207-6172 e 3207-6195

Casa Abrigo

Foi criado para a proteção de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar que corram risco de morte. O encaminhamento é feito pela Deam. A casa busca preservar a integridade física e psicológica de mulheres e dos dependentes delas (meninas de todas as idades e meninos de até 12 anos). O endereço é sigiloso

Centros de Atendimento Psicossocial para Usuários de Álcool e Outras 

Drogas (Caps-AD)

Atende pessoas com mais de 18 anos que façam uso abusivo de álcool e/ou outras drogas

Centros Especializados de Atendimento à Mulher (Ceams)

Atendimento multidisciplinar na área psicossocial e jurídica à mulher vítima de violência

Centros de Referência da Assistência Social (Cras)

Realiza trabalho social de caráter continuado com as famílias, no sentido de fortalecer a função protetiva, prevenir a ruptura dos vínculos, promover acesso e usufruto de direitos e contribuir com a melhoria da qualidade de vida dos integrantes

Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas)

Serviço de Proteção e Atendimento Especializado às Famílias e Indivíduos (Paefi) em situação de risco pessoal e social, por violação de direitos como trabalho infantil, negligência, abandono, violências, abuso ou exploração sexual

Núcleos de Atendimento às Famílias e aos Autores de Violência Doméstica (Nafavd)

Acompanhamento psicossocial de autores e vítimas de violência doméstica contra a mulher, encaminhados pelo Sistema de Justiça (promotorias, Tribunal de Justiça)

Programa de Pesquisa, Assistência e Vigilância em Violência (PAV)

Atendimento a pessoas em situação de violência por meio de uma abordagem biopsicossocial e interdisciplinar. O programa é formado por assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, técnicos de enfermagem, médicos (ginecologista, pediatra e psiquiatra) e pedagogos

 

+ sobre o tema

Yelena Isinbayeva retira declarações anti-homossexual

Foi tudo “um mal entendido” devido ao fraco inglês....

Vídeo PLP 2.0 – App de enfrentamento a violência contra mulher

PLP 2.0 aplicativo de combate a violência contra mulheres...

La historia de la jueza a quien le quitaron sus hijas por ser lesbiana

Primer caso de discriminación por orientación sexual que llega...

para lembrar

Taís Araújo revela: “Maternidade não me completa. Sou bem mais que isso”

Em entrevista à Marie Claire, a atriz Taís Araújo...

Conheça as 60 iniciativas selecionadas no 3º Edital Elas Periféricas

Chegou o grande momento! A Fundação e o TikTok...

Quem ama não mata, 40 anos depois

30 de dezembro de 1976. O Brasil inteiro se...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=