Visões do Império: racismo e colonialismo em português

Enviado por / FonteC7nema, por João Miranda

O aparecimento da fotografia em pleno colonialismo, quando já parte do projecto científico tinha sido cooptado (para não dizer criado) pelo mesmo, criou novas formas de produção de conhecimento que não só enchem os arquivos, mas também as culturas populares dos países europeus. Objectos e imagens enchem paredes, estantes e gavetas nas casas de várias famílias, cuja ligação com os seus países de origem é muito ténue (e estritamente colonial), e criam uma normalidade que raras vezes é questionada. É a partir destas colecções de objectos que vão surgindo em feiras que Joana Pontes vai traçar, com ajuda de alguns investigadores, uma história do uso da fotografia na construção de uma imagem do império colonial português.

Não sendo original na sua aproximação formal do formato documental, é nas fotografias mostradas e, principalmente, nas intervenções dos investigadores que o filme consegue brilhar. Se parte do familiar e do quotidiano, o âmbito vai-se expandindo e vai ultrapassando a mera representação irreflectida de curiosidades e estereótipos, para englobar a produção científica e a máquina da propaganda de um sistema político que não se coibiu de usar a censura e a violência contra vozes que o questionassem e às suas instituições. O revelar o que é tão comum que já nem se percebe, bem como os “buracos” entre o que é mostrado são momentos de transformação para quem não tenha ainda começado a reflectir sobre este tema. Tudo isto sem condescendência e, mesmo falando de pessoas que fazem parte do meio académico, sem a opacidade do discurso que caracteriza algumas das pessoas e áreas do mesmo.

A acompanhar o filme está também, até ao final do ano, uma exposição com o mesmo título no Padrão dos Descobrimentos (https://padraodosdescobrimentos.pt/evento/visoes-do-imperio/), que, símbolo dessa época, tanto tem feito para fazer parte do discurso crítico da mesma. Num momento em que se vai começando a falar sobre o colonialismo e as suas representações a propósito das estátuas que enchem o espaço público, este documentário traz mais argumentos que permitem o desenvolvimento de um olhar crítico sobre um processo político e histórico que está na base de uma forma de pensar racista e colonialista que é a base de uma portugalidade contemporânea.

+ sobre o tema

“O tráfico de escravos não tinha futuro”

O Dia Internacional da Abolição do Tráfico de Escravos,...

Mercado de escravos

Durante o século XVI, com o desenvolvimento dos engenhos...

Arquivo mostra elo entre comércio de escravos e riqueza de ingleses

Pesquisa disponibiliza documentos inéditos com valores e nomes de...

Imagens da Escravidão: Emancipação, inclusão e exclusão

por Lilia Schwarcz, Maria Helena Machado e Sergio Burgi O...

para lembrar

Rita Cristina de Oliveira: O salário psicológico como projeto de governo

“Antes eu vejo essas almas despidas e por todos...

Racismo e Sexismo nas História da Lobotomia no Brasil

Dr. Juliano Moreira² já na década de 30 lutava...

Manuela Hermes de Lima: Infâncias Negras, Racismo e Trabalho Infantil

“Trabalho infantil é um crimeE tem cor e endereço (…)Prioridade...

O que leva um adepto a ser racista com os jogadores da própria equipe?

O percurso da seleção inglesa no Euro2020 ficou manchado...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=