Viúva matou servidor público a facadas após discussão para defender o filho gay

Perícia no carro e na casa da família ajudou a identificar Kátia Castro

Por Mariane Chianezi Do Correio do Estado

Kátia Regina de Castro, de 42 anos, confessou o assassinato do marido, Givaldo Domingues da Silva, de 44 anos, encontrado morto às margens da rodovia BR-262, no último dia 11 de maio, em Campo Grande.

Vítima que era servidor público e teria sido morto após discussão envolvendo a orientação sexual do filho do casal, um adolescente de 15 anos. Pelo menos essa é a versão de Kátia informada à Polícia Civil.

Conforme o delegado da 5ª Delegacia de Polícia Civil, Jairo Carlos Mendes, as investigações apontavam que a principal suspeita de praticar o crime era a viúva do ex-funcionário da Agência Municipal de Trânsito (Agetran). “Ela entrou em contradição algumas vezes e o cerco começou a se fechar. Ela e o advogado negociaram e resolveu se apresentar”, disse Mendes.

Primeiro fato que começou a levar a apuração em direção à Kátia foi filmagens de uma câmera de segurança do posto de combustível onde a motocicleta de Givaldo foi encontrada. Nas imagens, uma mulher apareceu abandonando o veículo.

Após série de depoimentos de testemunhas, a polícia solicitou apreensão do veículo da família, um Gol. Depois de análise pericial com luminol (produto químico que reage ao ter contato com ferro), foi possível identificar a presença de sangue humano no banco dianteiro do passageiro.

Além disso, grande vestígio de sangue havia sido encontrado na cozinha da residência do casal. “A perícia na casa deles ainda está sendo concluída, mas me adiantaram que sim, há a presença de sangue na casa”, disse o delegado Jairo.

CONFISSÃO

Ontem (23), ela e o advogado se apresentaram na unidade policial e entregaram a arma do crime, uma faca de cozinha. Kátia contou sua versão dos fatos e o que teria motivado o assassinato.

De acordo com a principal suspeita, o crime aconteceu depois de o casal discutir sobre a orientação sexual do filho, um jovem de 15 anos, que se assumiu homossexual. Conforme Kátia, Givaldo não aceitava e teria falado por diversas vezes que “preferia um filho morto, a ter um filho gay”.

No dia do assassinato, no horário de almoço do dia 8 de maio, no Bairro Cophavilla II, enquanto o filho estava em um treino esportivo, o casal começou a discutir, pois o servidor exigia uma atitude da mulher para com o filho. Depois das agressões verbais houve violência física.

Ainda conforme Kátia, marido teria a segurado por trás e apertado seus ombros. A perícia identificou que, de fato, houve lesão e que pela aparência, a data que o machucado foi cometido remete ao período do assassinato.

Depois disso, a mulher pegou uma faca e desferiu inúmeros golpes em Givaldo. “Ela não soube informar quantas facadas foi e nem em quais partes do corpo ele foi atingido. Aguardamos laudo pericial para poder identificar, pois o corpo já estava em estado de decomposição e no momento não dava para constatar”, relatou o delegado.

OCULTAÇÃO DO CORPO

Kátia, depois de perceber que havia assassinado o marido, deu início ao processo de desovar o corpo. Como relatou em coletiva de imprensa, o delegado Jairo Mendes descreveu o que a viúva disse em depoimento.

“Ela disse que ao ver o corpo, pegou uma carriola e rolou o corpo de Givaldo. Então, ela pegou muito plástico e forrou o banco do carro, seguindo então para a rodovia, onde deixou ele lá”, relatou.

No dia em que o corpo foi encontrado, Kátia chegou a ir até a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) fazer o reconhecimento do corpo.

Testemunhas afirmaram que relação do casal já foi conturbada, devido a traições por parte de Givaldo. De acordo com o delegado, ciúmes não é a primeira linha de investigação da polícia para identificar a motivação do crime.

Por colaborar com as investigações, ter residência fixa e bons antecedentes, a mulher responderá por homicídio doloso e ocultação de cadáver em liberdade. “Por mais cruel que tenha sido o crime, a polícia segue o que a lei manda”, finalizou Jairo.

 

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Travesti é assediada, ameaçada e agredida em ônibus em Aracaju

Após reclamar de homem que a apalpava, estudante é...

Reações de alunos fazem professores pararem com piadas homofóbicas

Aquelas piadinhas típicas de cursinho pré-vestibular estão com os...

Excluído de concurso por suposta homossexualidade será indenizado

Candidato receberá R$ 100 mil por danos morais Por unanimidade,...

‘Quero mostrar que é possível’, diz travesti cotada a reitora no Ceará

"Para mim é uma felicidade ser a primeira nas...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...
-+=