Você acha que existe racismo no Carnaval de Salvador?

Cepaia inicia pesquisa que investiga racismo no Carnaval de Salvador

Você considera que existe racismo no Carnaval de Salvador?

Um projeto de pesquisa desenvolvido pelo Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos (Cepaia) da UNEB, em parceria com o Departamento de Educação (DEDC) do Campus I da universidade, na capital, vai investigar a incidência das manifestações de preconceito racial nessa grande festa popular.

A pesquisa, intitulada O racismo no Carnaval de Salvador, será lançada nesta sexta-feira (18), a partir das 9h, no Auditório Jurandir Oliveira, no DEDC. Para participar do evento, aberto ao público externo, não é necessário realizar inscrição prévia.

“Queremos investigar e compreender o racismo no Carnaval de Salvador, já que partimos do pressuposto de que uma grande parcela da população negra fica à margem da festa. Estudando o porquê desse fato, vamos poder elaborar alternativas e pensar em políticas públicas que possam modificar essa realidade”, explica o professor do DEDC e pesquisador do Cepaia, Valdélio Santos, um dos coordenadores da pesquisa.

Uma das metodologias utilizadas na investigação é a aplicação de um questionário com 46 perguntas, que já pode ser respondido pela população por meio do endereço eletrônico www.racismonocarnaval-salvador.org.br.

Estão convidados para o lançamento do projeto o reitor Lourisvaldo Valentim, a vice-reitora Adriana Marmori, o pró-reitor de Pós-Graduação (PPG), José Cláudio Rocha, os diretores Wilson Mattos (Cepaia) e Antônio Amorim (DEDC), além do secretário estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Elias Sampaio.

A programação do evento conta ainda com uma mesa-redonda sobre o tema, que terá a participação de pesquisadores da UNEB e do presidente do grupo Olodum, João Jorge Rodrigues.

O projeto de pesquisa O racismo no carnaval de Salvador tem apoio do Instituto 2 de Julho, organização não-governamental (ONG) de Salvador.

Fonte: Uneb

+ sobre o tema

Show de Ludmilla no Coachella tem anúncio de Beyoncé e beijo em Brunna Gonçalves; veja como foi

Os fãs de Ludmilla já estavam em polvorosa nas redes sociais...

Geledés faz em Santiago evento paralelo para discutir enfrentamento ao racismo nos ODS

Geledés - Instituto da Mulher Negra realiza, de forma...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços,...

As mulheres que se rebelam contra venda de meninas para casamentos no México

Inicialmente, Claudia* não havia pedido dinheiro em troca da...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Racismo filho do fascismo

A luta para acabar com as repetidas manifestações de...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Estudantes do Congo acusam Brigada Militar de racismo no Rio Grande do Sul

Africanos acusam BM de racismo e constrangimento por Jessica...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=