Blatter nega que exista racismo no futebol e enfurece atletas negros

Segundo o presidente da Fifa, xingamentos são comuns entre os atletas, mas casos de racismo são apenas “mal-entendidos”

Em meio às acusações sobre posturas racistas no futebol inglês, envolvendo o zagueiro John Terry e o atacante Luis Suárez, o presidente da Fifa Joseph Blatter disse desacreditar que os atletas acusados tenham, de fato, ofendido seus adversários dessa maneira. Tal posicionamento rendeu ao dirigente duras críticas de jogadores negros, uma vez que sua recomendação para solucionar os casos foi um aperto de mão entre os atletas.

Nesta quarta-feira, o atacante uruguaio Suárez foi acusado formalmente pela FA (Associação de Futebol da Inglaterra) por ter dirigido xingamentos de conteúdo racista ao lateral esquerdo do Manchester United, Patrice Evra. Além do sul-americano, o capitão da seleção da Inglaterra e do Chelsea, John Terry, foi denunciado pelo zagueiro Anton Ferdinand, do Queens Park Rangers, por ter cometido o mesmo delito.

Para Blatter, os xingamentos e as ofensas entre os atletas durante uma partida são normais e todos esses casos, que tomaram grandes proporções na Europa, não passam de mal entendidos.

“Não existe racismo no futebol. Eu acho que o mundo todo está ciente dos esforços que vêm sendo feitos contra o racismo e a discriminação. No campo de jogo, às vezes você fala algo que não é muito correto, mas no final da partida, tudo está acabado e você tem o próximo para se comportar melhor. Nós estamos em um jogo, e no final, nós apertamos as mãos. É isso que acontece”, declarou Joseph Blatter, em entrevista à CNN.

A postura do presidente da entidade máxima do futebol soou conivente para alguns jogadores negros ingleses, que dispararam severas críticas ao modo como o dirigente está conduzindo a delicada situação. Através da internet, atletas em atividade e aposentados demonstraram insatisfação com o mandatário e cobraram uma postura mais enérgica da Fifa.

“Alguém diga para mim que os comentários do Blatter sobre racismo estão errados, porque se não estiverem, eu estou surpreso”, afirmou o incrédulo Anton Ferdinand, vítima no caso envolvendo o defensor do Chelsea, em sua página pessoal no Twitter, que ainda ironizou a fala do dirigente.

“Só queria deixar algo claro. Se um jogador ofende um árbitro, um aperto de mão ao término do jogo vai fazer com que tudo fique resolvido?”, questionou o jogador do Queens Park Ranges.

Além do zagueiro, outros ídolos do futebol inglês questionaram o presidente da Fifa em suas páginas na rede social. “Senhor Blatter, seus comentários sobre racismo são doentes e condescendentes ao extremo. Você deveria se retratar”, afirmou o ex-jogador Stan Collymores, que foi acompanhado pelo meia do Aston Villa, Jermaine Jenas.

“Como o maior chefe do futebol mundial pode ser tão ignorante com relação ao racismo? Os comentários de Joseph Blatter são ridículos. Eduque a si mesmo”, completou o armador, dando uma mostra das severas críticas que o dirigente sofreu na Inglaterra.

Fonte: IG

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Série de fotos histórica escancara o racismo nos EUA da década de 1950

Se o ano de 1956 pode hoje parecer distante...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

Do Pragmatismo PoliticoAtor Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=