10 livros sobre feminismo escritos por mulheres para ler já

No mês das mulheres, atualize sua biblioteca com estas obras sobre protagonismo feminino

“Mulheres com olhos e ouvidos na ponta da língua, e corpos que falassem e rissem”, era o que andava procurando Hélène Cixous quando escrevia “O Riso da Medusa” nos anos 70. De lá pra cá, ao contrário do que pontou em seu ensaio, existem muitas “mulheres assim pelo mundo”.

Nesta mesma época, Angela Davis, por exemplo, se tornou ícone do movimento negro nos Estados Unidos e, anos depois, lançaria uma das obras mais importantes sobre o feminismo negro. E, como estas mulheres, muitas outras tomariam para si os holofotes ou o papel em branco para registrarem a história – as que elas vivem na pele ou as que outras não tiveram a chance de contar.

Para celebrar a proximidade do Dia das Mulheres, trazemos uma lista de livros que abordam o feminismo escritos por mulheres “potentes, as férteis, as alegres, as livres, […] essas belezas de vida que eu encontrava na literatura, raras e esplêndidas”, como escreveu Cixous, que também profetizou: “Agora as mulheres vão escrever. […] E o futuro está no presente”. Que assim seja!

Quem tem medo do feminismo negro?

Foto: Divulgação

Abrindo a lista, Djamila Ribeiro é uma das vozes mais poderosas da atualidade. Mas até se tornar um um nome relevante no ativismo feminista negro no Brasil, ela encarou uma infância de silenciamentos e apagamento de identidade, assim como milhões de pessoas pelo mundo inteiro. Estes são alguns dos temas abordados pela escritora nesta obra autobiográfica, publicada em 2018, que dialoga com outras autoras como Conceição Evaristo, Angela Davis e Chimamanda Ngozi Adichie, o nome por trás de mais um título essencial, “Sejamos Todos Feministas”.

O feminismo é para todo mundo: Políticas arrebatadoras

Foto: Divulgação

bell hooks só falta desenhar nesta obra que é, praticamente, um manual sobre o feminismo. Mas não é preciso: a norte-americana é extremamente clara ao explicar, primeiro, o que é feminismo e, assim, enterrar de vez as fake news sobre o assunto. E ela vai muito além em suas páginas: fala da importância de ser contra o sexismo, ou qualquer pensamento opressor, e como o tema deve ser debatido nos relacionamentos. As lutas de classe e gênero também são abordadas neste livro que você, com certeza, vai terminar fazendo inúmeras marcações.

Extraordinárias: Mulheres que revolucionaram o Brasil

Foto: Divulgação

Duda Porto de Souza e Aryane Cararo trazem perfis de mulheres inspiracionais! Você já ouviu falar, por exemplo, em Madalena Caramuru, a primeira mulher brasileira alfabetizada? E Dandara, líder do Quilombo dos Palmares ao lado de Zumbi? Também tem a baiana Maria Quitéria, heróina do exército que lutou contra os portugueses na Guerra da Independência. Em mais de 200 páginas, as autoras dão luz a nomes que caíram no esquecimento, muitas vezes em detrimento dos mesmos feitos de homens que batizam ruas e avenidas pelo país.

Afiadas

Foto: Divulgação

O título deste livro de Michelle Dean já diz: estas mulheres têm a língua afiada e são elas quem encerram o assunto em uma roda de debates. Mas nestas páginas é Dean quem fala sobre o trabalho de escritoras e críticas literárias como Mary McCarthy e Renata Adler, até nomes mais conhecidos como Joan Didion, Nora Ephron e Susan Sontag. Mulheres com opiniões e pensamentos diferentes, mas histórias parecidas: todas, em algum momento, foram subestimadas.

O quarto de Despejo

Foto: Divulgação

Antes de ser um livro-denúncia, “O Quarto de Despejo” é o diário de Carolina Maria de Jesus, uma catadora de papel semianalfabeta que enfrentou todo tipo de violência. Os relatos, que se passam no bairro do Canindé, em São Paulo, se tornaram um documento essencial para a história do Brasil, além de ser um retrato sobre as comunidades marginalizadas.

Depois de Tudo, Queime

Foto: Divulgação

Luciana Borges faz uma coletânea de dates fracassados após darem o primeiro – ou, na maioria dos casos, o único – match em aplicativos de relacionamento. Ela dividiu a mesa com homens machistas, abusivos, egoístas ou apenas sem noção e contou como se sentiu nestas situações: às vezes diminuída, às vezes objetificada, às vezes apenas uma plateia ou abrigo. Depois de tantas decepções, ela também relata um encontro poderosíssimo.

Persépolis

Foto: Divulgação

Enquanto aborda a guerra entre Ocidente e Oriente, a iraniana Marjane Satrapi conta sobre os próprios conflitos internos nesta história em quadrinhos que já foi adaptada para o cinema. De adolescente obrigada a usar o véu no Irã, para uma liberdade que deixou Marjane confusa na Áustria, esta HQ conquistou leitores no mundo inteiro – mesmo tendo sofrido algumas censuras.

Desconstruindo Una

Foto: Divulgação

Em 1977, na Inglaterra, um serial killer é procurado por estuprar e matar dezenas de mulheres. Nesta HQ autobiográfica, Una, então com 12 anos, reabre feridas para falar sobre feminicído em uma época e sociedade em que a violência masculina, na maioria das vezes, não é punida. “A polícia”, escreve ela em um dos quadros, “se concentra em procurar evidências de moral questionável nas vidas do crescente número de mulheres que alguém atacou”, criticando quem sempre tenta justificar a violência de gênero.

Três Mulheres

Foto: Divulgação

Também autora de outro best-seller, “Animal”, Lisa Taddeo conta a história de três mulheres reais, tratando duas delas por pseudônimos. Sloane era usada como objeto sexual do marido, enquanto o oposto acontecia com Lina, cujo marido se recusava a ter relações com ela. Por último, Meggie é mais uma mulher vítima de abuso em uma sociedade que insiste em fazer mea-culpa para os criminosos. Com uma boa dose de sarcasmo, Taddeo apresenta histórias devastadoras com relatos cotidianos.

A princesa salva a si mesma neste livro

Foto: Divulgação

Amanda Lovelace propõe um mergulho interno para buscar autoconhecimento e perceber que cada um pode ser autor do próprio final feliz, sem que isso soe egoísta ou pareça que não precisamos partilhar a vida com alguém. O pequeno, mas poderoso, livro de Lovelace rebate a ideia dos contos de fadas de que mulheres sempre vão precisar de príncipes para resgatá-las.

+ sobre o tema

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

Agressor de mulher terá que pagar gastos do INSS

Medida começará por Espírito Santo e Brasília, mas deve...

para lembrar

Desvendando Luiza Mahin: Um mito Libertário no cerne do Feminismo Negro

Desvendando Luiza Mahin: Um mito Libertário no cerne do...

Toda mulher precisa enlouquecer de vez em quando, ou acaba por enlouquecer de vez

Curiosamente, um mundo loucamente imperfeito nos exige perfeição o...

Dia Internacional da Mulher: a luta continua

No dia 8 de março de 1857, em uma fábrica...

Nísia Floresta: A feminista brasileira que você não encontrará nos livros de história

Pouco estudada, a escritora nordestina que viveu no século...
spot_imgspot_img

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Angela Davis completa 80 anos como ícone marxista e antirracista

A obra de Angela Davis, 80, uma das mais importantes intelectuais do campo do pensamento crítico, se populariza a passos largos no Brasil, país...

Nós… Mulheres do Século Passado

Idealizado pela professora e escritora Vilma Piedade, NÓS… Mulheres do Século Passado é uma coletânea de histórias escritas por 76 autoras de diferentes origens e trajetórias,...
-+=