14 de maio: o dia que nunca acabou

Enviado por / FonteColetivo Negro do MTST

Neste 13 de maio relembramos uma data simbólica para o país, quando a dita abolição da escravidão completa 132 anos. No entanto, para a população negra escravizada, essa data tem um simbolismo diferente, pois a dita abolição não resultou em reconhecimento da liberdade e da dignidade humana para quem foi humilhado, explorado e desumanizado por mais de 300 anos.

O fim legal da escravidão ocorreu por duas razões básicas: a luta e resistência incessantes do povo negro e a pressão das elites mundiais que viam no Brasil um importante mercado consumidor que precisava de força de trabalho assalariada. Entretanto, a elite nacional, formada por grandes latifundiários e senhores de escravos, jamais aceitaria a integração da população negra em pé de igualdade. Iniciou-se então um processo de embranquecimento do Brasil. Ou seja, os negros foram úteis ao país apenas como escravos. A liberdade nesse caso foi uma forma institucionalizada de demonstrar o desprezo e nos tornar uma população sem acesso a direitos básicos de cidadania.

Após a chamada abolição, criou-se um muro entre o estado e a nação afro-brasileira (e também indígena) que foi deixada à margem da sociedade. “Livres” e sem qualquer reparação histórica pelo horror da escravidão, fomos parar nas ruas, nas favelas, no sub-emprego, na miséria. Essa é a liberdade comemorada pelo Brasil? Então, nós, negros e negras, não temos o que comemorar.

O dia seguinte à assinatura da Lei Áurea nos mostrou o abandono e também o triste e cruel reconhecimento da nossa liberdade pelo estado através da violência policial que nos reprime, castiga e assassina desde então. Há 132 anos vivemos no dia seguinte à abolição, um dia que não acabou. Lutamos pelo reconhecimento, por reparação histórica, por representatividade, por direitos, contra o racismo genocida. Nossa liberdade será uma conquista. Nada a comemorar. Temos sim muita luta pela frente.

Coletivo Negro do MTST


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

O racismo cotidiano e seu emaranhado de raízes

Com a volta presencial das aulas da minha filha...

Crise econômica alimentou a xenofobia

"Desde a crise econômica, os migrantes correm cada vez...

Busto em vilarejo provoca debate sobre passado fascista da Itália

Por Gaia PianigianiHomenagem de prefeito de Affile ao general...

Análise: Machado de Assis, o gênio na gaiola do racismo

Joaquim Maria Machado de Assis é um dos gênios...

para lembrar

Crescem as distorções nas ideias e representações

Por: Olívia Santana São os dados do Tribunal Superior Eleitoral...

A Defensoria Pública da União e o combate ao Racismo como dever institucional.

A Defensoria Pública enquanto instituição permanente e essencial à...

As 8 melhores respostas ao tuíte mais ‘close errado’ da Olimpíada

Desde a vitória da judoca Rafaela Silva, que garantiu...

Pesquisa da UFSCar aponta desigualdade racial na ação da PM em São Paulo

Pesquisadores constataram que negros são maioria entre...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=