Guest Post »

15 ativistas negras que todos deveriam conhecer

O For Harriet publicou uma lista bem interessante que achei legal dar uma traduzida e publicar por aqui. A publicação original lista 27 ativistas, mas acabei resumindo para 15 por conta do meu pouco tempo para fazer a tradução e afins (infelizmente não vivo só de fazer este bloguinho).

No Brasil o Blogueiras Negras sempre faz uma lista de mulheres influentes na web, a revista Raça Brasil também já fez uma lista de mulheres negras importantes no Brasil em diversas frentes de atuação. Confira abaixo:

As contribuições das mulheres negras para moldar e mudar o mundo para melhor, são muitas vezes minimizados. Em cada momento da história, as mulheres negras têm trabalhado ao lado dos seus mais famosos companheiros homens. Nós montamos uma lista de apenas algumas das mulheres as quais devemos ser gratos.

Sojourner Truth

Sojourner_truth_c1870-215x300

Ex-escrava, abolicionista e defensora do direitos das mulheres Sojourner Truth, nasceu Isabella, passou os últimos 26 anos de sua vida em Michigan. Verdade foi comprada e vendida quatro vezes e passou os primeiros 29 anos de sua vida como escrava, em Nova York, condição que exigia realização de trabalho físico.

Truth se juntou aos reavivamentos religiosos que ocorreram no Estado de Nova York, no início do século 19 e tornou-se uma poderosa e carismática oradora . Em 1843, ela teve um avanço espiritual e declarou que o Espírito convidou-a para pregar a verdade e deu-lhe um novo nome, Sojourner Truth. Truth nunca aprendeu a ler ou escrever, com a ajuda de um amigo, ela publicou sua vida e crenças, em 1850, na Narrativa do Sojourner Truth, que trouxe para ela o reconhecimento nacional.

Em 1851, Truth foi em uma turnê de palestras em todo o país. Ela deu o seu mais famoso discurso: “E eu não sou eu uma mulher?”, Na conferência de direitos da mulher, em Akron, Ohio, em 1851, onde todos os outros oradores eram homens.

Quando a guerra civil começou Truth percorreu vários estados em apoio da União e incentivou muitos jovens a aderir à causa da União. Após o fim da guerra, Truth se reuniu com Abraham Lincoln para agradecê-lo para ajudar a acabar com a escravidão. Enquanto em Washington, DC, Truth fez pressão contra as leis de segregação, desempenhando papel fundamental na dessegregação dos bondes. Enquanto em DC, ela ajudou os escravos recém-libertados a se estabelecer em uma nova vida. Ela também trabalhou na Virgínia por um tempo, ajudando escravos libertos encontrar emprego. Ela aconselhou-os a usar sua liberdade de forma responsável e provar o seu valor para a sociedade através do trabalho trabalhador.

Harriet Tubman

harriet-tubman-200x300

Como uma das figuras mais proeminentes da história americana, Harriet Tubman foi responsável por resgatar cerca de 300 ex-escravos do Sul e escoltá-los para a liberdade através das ferrovias subterrâneas que levaram a Maryland. Em um ponto, uma recompensa $ 40,000 foi oferecida pela sua detenção. Tubman também era uma espiã durante a sua vida. Ela morreu em Nova York em 1913.

Ella Baker

elle-baker-230x300

Ella Baker começou seu envolvimento com a NAACP (sigla em inglês para Associação Nacional para o Avanço dos Negros) em 1940. Ela trabalhou como secretária de campo e, em seguida, atuou como diretora de regionais de 1943 até 1946.

Em 1957, Baker se mudou para Atlanta para ajudar a organizar a nova organização de Martin Luther King, a SCLC(sigla em inglês para Conferência de Liderança Cristã do Sul). Ela também fez uma campanha de recenseamento eleitoral chamado a Cruzada para a Cidadania.

Em 1º de fevereiro de 1960, um grupo de estudantes universitários negros da North Carolina A & T University recusou a deixar o balcão de almoço de um Woolworth em Greensboro, Carolina do Norte, onde eles tinham negado a lhes atender.

Baker deixou o SCLC após a série de “sentaços” em Greensboro . Ela queria ajudar os novos estudantes ativistas, porque ela viu jovens, ativistas como um recurso e um trunfo para o movimento emergente. Senhorita Baker organizou uma reunião na Universidade de Shaw para os líderes estudantis dos “sentaços” em abril de 1960. A partir dessa reunião, o SNCC (sigla em inglês para Comitê de Coordenação de Estudantes Não-Violentos) nasceu.

Josephine Baker

josephine-213x300

Josephine Baker não foi apenas uma artista amada que chegou à fama nos palcos de Paris porque o racismo deteve nos EUA, mas ela visitou o país nos anos 50 e 60 para ajudar a combater a segregação. Ela chegou a adotar crianças de diferentes etnias e religiões para criar uma família multicultural ela chamou de “A tribo do arco-íris”.

Daysi Bates

Daisy_Lee_Gatson_Bates-193x300

Daisy Bates nasceu em 11 de novembro de 1914, em Huttig, Arkansas. Ela se casou com o jornalista Christopher Bates e eles operavam um jornal Africano-Americano semanal, o Arkansas State Press. Bates tornou-se presidente da regional Arkansas da NAACP e desempenhou um papel crucial na luta contra a segregação. Em 1952, dirigiu a regional Arkansas da NAACP e ajudou na desagregação das escolas em Little Rock. Ela documentou esse processo em seu livro “The Long Shadow of Little Rock: A Memoir“. Ela morreu em 1999.

Mary McLeod Bethune

Bethune42h-222x300

Mary McLeod Bethune foi uma ativista pela justiça racial que procurou melhorar as oportunidades educacionais para os afro-americanos. Ela é mais conhecida por iniciar uma escola para estudantes afro-americanos em Daytona Beach, Flórida, que eventualmente se tornou Bethune-Cookman University. Ela também serviu como presidente da Associação Nacional de Mulheres coloridas e fundadora do Conselho Nacional das Mulheres Negras.

Beverly Bond

bevbond_1-226x300

Foi há apenas cinco anos que a ex-modelo e DJ criou a organização sem fins lucrativos Black Girls Rock! Seu objetivo era o de construir a auto-estima de jovens mulheres negras, oferecendo orientação e enriquecimento através de programas de artes. No outono passado, a organização juntou-se a Black Entertainment Television para criar o Black Girls Rock! show que atraiu 2,5 milhões de espectadores e pioneiras como Ruby Dee, Missy Elliot e Iyanla Vanzant.

Elaine Brown

elaine-brown-300x164

m abril de 1968, após o assassinato de Martin Luther King Junior, Elaine Brown assistiu à sua primeira reunião do comitê de Los Angeles do Partido dos Panteras Negras. Brown assumiu a direção depois de Huey Newton, em 1974, quando Newton fugiu do país, a nomeação de Brown como sua sucessora. Brown manteve o controle do partido até 1977, quando Newton retornou de seu exílio auto-imposto em Cuba para enfrentar as acusações de homicídio de que foi posteriormente absolvida.

A liderança de Brown foi recebida com hostilidade pelos soldados rasos do sexo masculino, mas Brown continuou a desenvolver e expandir os serviços para a comunidade, tais como o programa livre de pequeno-almoço, clínicas médicas e jurídicas gratuitas, e o Centro de Aprendizagem Oakland Comunidade, que foi reconhecido pela cidade de Oakland por sua excelência acadêmica.

Majora Carter

Bio_MajoraCarter-200x300

Carter recebeu um MacArthur “concessão gênio” pela criação de capacitação para o trabalho de colarinho verde e colocação em áreas urbanas. Ela também teve a visão de ver o rio Bronx, perto de seu bairro Hunts Point, em Nova York, como um recurso para revitalizar sua comunidade e criar empregos verdes. Seu trabalho foi fundamental para a abertura de Hunts Point Riverside Park em 2007, o primeiro parque beira-mar da região em 60 anos. Hoje, ela dirige uma empresa de consultoria de mesmo nome focada em trabalhos de revitalização urbana e de colarinho verde.

Shirley Chisholm

Shirley_Chisholm-191x300

Shirley Chisholm foi a primeira mulher negra a ser eleita para o Congresso, ganhando em New York em 1968 e se aposentou do cargo em 1983. Ela fez campanha para a nomeação presidencial democrata em 1972, mas é mais conhecida por seu trabalho em várias comissões do Congresso ao longo de sua carreira . Uma política resoluta, Chisholm foi igualmente reconhecida na cultura popular e no mundo político e acadêmico pela sua simbólica importância e de sua carreira de realizações.

Septima Clark

septima-244x300

Pioneira na educação para a cidadania das bases, Septima Clark, foi chamada de ” mãe do movimento ” e a epítome de uma ” professora da comunidade, intuitiva lutadora pelos direitos humanos e líder de seu povo iletrados e desiludidos”. Por mais de 30 anos , ela ensinou ao longo Carolina do Sul. Ela participou de uma ação judicial liderada pela NAACP , que levou a igualdade salarial entre  professores negros e brancos na Carolina do Sul. Em 1956, a Carolina do Sul aprovou uma lei que proibia funcionários municipais e estaduais de participar de organizações de direitos civis. Depois de 40 anos de ensino, o contrato de trabalho de Clark não foi renovado quando ela se recusou a sair da NAACP.

Até 1956 , Clark já tinha começado a realizar workshops durante suas férias de verão na Highlander Folk School em Monteagle, Tennessee, um centro de educação popular dedicado à justiça social.

Quando o estado de Tennessee forçou a escola a fechar em 1961, a SCLC , criou o Programa de Educação para a Cidadania , inspirado nas oficinas de cidadania de Clark.

Anna Julia Cooper

cooper

Nascida em 1858 na Carolina do Norte de sua mãe escravizada, Hannah Stanley Haywood, e o seu dono branco. Anna Julia Cooper passou sua vida inteira de mais de um século redefinindo as limitações e oportunidades para as mulheres negras em uma sociedade criada para o seu desempoderamento e subjugação. Ilustre estudiosa e educadora, Cooper viu o estado e agência de mulheres negras como central para a igualdade e progresso da nação. Ela escreveu seu famoso livro em 1892: A Voz do Sul _. “Apenas a mulher negra pode dizer quando e onde entrar, na calma dignidade, indiscutível da minha feminilidade, sem violência e sem patrocínio especial, e então aí o todo da raça negra entrará comigo”. _Ela lutou incansavelmente durante toda a sua vida para elevar a voz das mulheres negras em busca de uma sociedade mais justa para todos.

Angela Davis

angela

Angela Davis, nasceu em 26 de janeiro de 1944, em Birmingham, Alabama, tornou-se uma  mestre e estudou na Sorbonne. Ela ingressou no Partido Comunista dos Estados Unidos e foi presa por acusações relacionadas a um surto de prisão, embora em última instância, as denuncias foram canceladas. Conhecida por livros como Mulheres, Raça e Classe , ela já trabalhou como professora e ativista que defende a igualdade de gênero, reforma do sistema prisional .

Marian Wright Edelman

marian-wright-edelman-bw-high-res-1-211x300

Marian Wright Edelman se tornou a primeira mulher afro-americana a passar no exame de qualificação para exercer a advocacia no Mississippi. Graduada do Spelman College e Yale Law School. Ela dirigiu o escritório NAACP Legal Defense and Educacional Fund em Jackson, Mississippi. Edelman escreveu numerosas obras sobre a desigualdade racial, e fundou o Fundo de Defesa das Crianças, no qual ela tem sido uma defensora de americanos desfavorecidos.

Amy Ashwood Garvey

amy-234x300

Amy Ashwood, feminista, dramaturga, palestrante e pan-africanista, foi uma das fundadoras da Universal Negro Improvement Association na Jamaica, e a primeira esposa de Marcus Garvey. Ashwood nasceu em Port Antonio, Jamaica, e passou vários anos da infância no Panamá. Ela voltou para Jamaica para atender o ensino médio e conheceu Marcus Garvey em um debate doprograma da sociedade em julho de 1914, quando ela tinha 17 anos de idade. Ashwood foi a primeira secretário e membra do conselho de administração da UNIA recém-formado em 1914 – 1915. Ela trabalhou com Garvey na organização da reunião inaugural em Collegiate Hall, em Kingston, o escritório logo foi criado em uma casa na rua de Charles alugado pela família Ashwood. Ela também ajudou a estabelecer a corrente auxiliar do movimento das Senhoras e envolvida nos primeiros planos para construir uma escola industrial.

 

 

Artigos relacionados