24 anos após genocídio em Ruanda, racismo e discurso de ódio aumentam

800 mil pessoas foram assassinadas no país africano; Dia Internacional de Reflexão sobre o Genocídio de 1994 contra os Tutsi em Ruanda é marcado neste 7 de abril; secretário-geral António Guterres está muito preocupado também com o aumento da xenofobia ao redor do mundo.

Este sábado, 7 de abril, é o Dia Internacional de Reflexão sobre o Genocídio de 1994 contra os Tutsi em Ruanda, com a ONU lembrando que os Hutus também foram mortos.

Cerca de 800 mil pessoas foram assassinadas no massacre, que começou no dia 7 de abril e durou aproximadamente 100 dias.

Tragédia monumental

O secretário-geral da ONU explica ser uma data para “lembrar todas as pessoas assassinadas e refletir sobre o sofrimento dos sobreviventes, que mostraram que a reconciliação é possível mesmo depois de uma tragédia monumental”.

Na mensagem sobre o dia internacional, António Guterres afirma que “Ruanda aprendeu com a tragédia” e a comunidade internacional deveria fazer o mesmo, já que “os países têm a responsabilidade de proteger suas populações de genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade e limpeza étnica”.

Para o chefe da ONU, é fundamental que exista união para “prevenir essas atrocidades”. Guterres também está muito preocupado com o “aumento, pelo mundo, do racismo, do discurso de ódio e da xenofobia”.

Rohingyas em Mianmar

Segundo ele, essas “manifestações de crueldade humana alimentam terreno para atos ainda mais malvados”. António Guterres lamenta que, atualmente, pessoas continuem sendo assassinadas, deslocadas e sofrendo abusos de direitos humanos por conta de sua fé ou etnia.

O chefe da ONU tem preocupação especial com os muçulmanos rohingya, de Mianmar, porque “integrantes desta minoria étnica e religiosa têm sido assassinados de forma sistemática, torturados, estuprados, queimados vivos e humilhados”. Por isso, mais de 671 mil rohingyas já buscaram refúgio de Bangladesh.

Coragem

Guterres também lembra que a ONU está comemorando os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e da Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio.

Mas para salvar pessoas em risco, o secretário-geral pede mais do que palavras. António Guterres quer “coragem para cuidar e decisão para agir”, única maneira, segundo ele, de honrar vítimas e sobreviventes do genocídio e garantir que o que aconteceu em Ruanda não se repita jamais.

+ sobre o tema

SPFW vai ter que incentivar uso de modelos negros

30 dias após evento, SPFW deverá enviar lista dos...

Quem canta o quê: fique por dentro das playlists de Obama no Spotify

Na reta final de seu mandato como presidente dos...

Lá vem o Raio! Usain Bolt faz sua estreia como jogador de futebol na Austrália

Ainda sem contrato, tricampeão olímpico aprova experiência: "Foi o...

Incra reconhece território quilombola pela primeira vez no Paraná

Foto: Carolina Goetten Portaria de reconhecimento oficializará os limites da comunidade...

para lembrar

Cultura, semente, semeador

Estudo britânico diz que hip-hop teve mais influência do...

“A Copa pôs a África no mapa”, diz mulher de Mandela

Por: Georgina Higueras A entrevista transcorre tranquilamente até que...

Leia prefácio de Chuck D do Public Enemy ao livro O dia em que James Brown salvou a pátria

Prefácio Lembro do impacto inicial que o Poderoso Chefão do...

‘Pantera Negra’ é indicado ao Oscar de Melhor Filme

A produção da Marvel entra para a história como...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=