8 de março: Um século de luta!

Editorial de Católicas pelo Direito de Decidir sobre o Dia Internacional da Mulher

Neste 8 de março, o movimento de mulheres do mundo todo lembra os 100 anos de luta por autonomia e pela realização plena da nossa cidadania. No Brasil, 2010 abriu-se num horizonte de expectativas com a publicação do III Programa Nacional dos Direitos Humanos (PNDH), pela Secretaria Especial de Direitos Humanos. Alguns setores da sociedade brasileira, expressão do pensamento mais fortemente conservador e retrógrado, reagiram negativamente ao Programa. Este atinge interesses de proprietários de terra contrários à realização da justiça social no campo, de grupos militares identificados com os anos de chumbo da ditadura militar que não querem desvendados os crimes cometidos à época e da Igreja Católica, que não aceita a perda do seu domínio absoluto no campo religioso e nem admite que as mulheres alcancem autonomia e liberdade. Sem a possibilidade de exercer nossos direitos no campo reprodutivo não há cidadania para nós.

É sempre bom lembrar que, se a biologia nos concedeu o privilégio de sermos portadoras da capacidade de gerarmos novos seres humanos, a dignidade exige que possamos decidir sobre essa capacidade. No III PNDH, consta o reconhecimento de que sem as mulheres, os direitos não são humanos e a proposição de ações coordenadas de governo que apóiem a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o aborto. Nosso país que, nestes últimos anos vem sendo reconhecido por seus avanços no campo da economia e da sustentabilidade, pela consolidação da democracia, pela melhora das condições de vida da população mais pobre, mostrará seu respeito a acordos firmados internacionalmente em Viena, no Cairo e em Beijin ao assegurar uma legislação favorável à vida, à dignidade e à cidadania das mulheres, tornando legal o aborto. Na defesa da vida das mulheres, é fundamental que o III PNDH seja aprovado e implementado em sua integralidade. É o que esperam as mulheres brasileiras, incl usive católicas, que não se submetem mais a ditames morais ou doutrinários que as impedem de realizar suas vidas de forma digna e feliz. Historicamente, temos lutado por isso.

Nestes 100 anos, inúmeras mulheres se destacam por sua coragem em desafiar poderes, costumes, leis e normas estabelecidas. E mesmo na Igreja Católica, ao contrário do que muitas vezes se pensa, encontramos também uma linhagem de mulheres fortes e transgressoras, que enfrentaram, das formas mais diversas e em diferentes épocas, o poder político e o poder religioso. Delas somos admiradoras, herdeiras e seguidoras. Especialmente neste centenário, é bom recordarmos o que fizeram e o que disseram essas corajosas mulheres.

No século XVII, viveu no México uma mulher extraordinária: Sor Juana Inés de la Cruz. Desejosa de estudar e não se sentindo “inclinada ao casamento”, conseguiu fazer-se monja e escritora. Reconhecida por sua brilhante inteligência, atraía ao convento personalidades da época, em busca de sua sabedoria. Perseguida depois, pela Inquisição espanhola, viu-se obrigada a abandonar sua biblioteca e seus instrumentos de trabalho, renunciando à busca intelectual que animava sua vida. Assinou, de próprio punho, uma auto-acusação que termina com uma expressão que se tornou título de um filme biográfico sobre ela: “Yo, la peor de todas”! O auto-sacrifício de Juana lhe custou a vida.

Uma outra Joana, séculos antes, desafiou o Papa e os costumes da época. Vestiu-se de soldado e foi à guerra. A Igreja condenou-a à fogueira, para depois fazê-la santa. Ainda Joana foi a mulher que se fez Papa. Lenda, segundo muitos, realidade histórica para pesquisadoras americanas debruçadas sobre velhos arquivos, esta mulher de inteligência brilhante burlou a vigilância estrita de Cardeais e Bispos e tornou-se a primeira – e, até hoje, única – Papisa da história dessa interminável lista de homens dirigentes da Igreja. Catarina, italiana, de Siena, também declarada santa, atuou junto ao Papa e aos Bispos, admoestando-os a buscarem a paz na Igreja.

No Brasil, foi Isabel, a do Fanado, em Minas Gerais, que, no século XVIII, constituiu a casa de oração “do Vale das Lágrimas”, sem pedir licença ao Bispo. Advertida por ele, respondeu-lhe que não considerava necessária qualquer licença para viver em jejum e orações sua dedicação ao Evangelho, junto com suas companheiras.

A lista seria longa se a quiséssemos inteira. Interminável, se a ela acrescentássemos as incontáveis anônimas – leigas e freiras – que sustentam cotidianamente, com seu incansável trabalho, essa Igreja que não as reconhece.
Ao celebrar este 8 de março, a imagem forte dessas mulheres sacrificadas por sua fé, muitas vezes vencidas pela imposição de princípios doutrinários rígidos, nos vem à mente. Joanas, Catarinas, Isabéis… invocamos a força dessas nossas predecessoras. Que elas nos guardem dos ventos conservadores que sopram sobre a Igreja. Que a lembrança delas nos fortifique em nossa luta!

Católicas pelo Direito de Decidir
www.catolicasonline.org.br

Fonte: Universidade Livre Feminista

+ sobre o tema

Conceição Evaristo será 1ª mulher negra a receber o título de doutora honoris causa pela UFPR

A escritora Conceição Evaristo irá receber o título de...

Sou pai e sou gay: O que eu aprendi no primeiro ano de meus filhos gêmeos

Há um velho ditado judaico que diz: "As crianças...

Foi bonita a festa

Foi bonita a festa. Quando ela subiu ao palco,...

A hipersexualização da mulher negra e a política da respeitabilidade.

Hiperssexualização da mulata? Sem dúvida. Por  ANA PAULA DA SILVA...

para lembrar

Uma carta de amor para as minhas amigas negras

Existem muitas pessoas bonitas no mundo , a beleza...

DJs indígenas militam em favor de igualdade racial e de gênero

Cris Pantoja e Renata Machado caíram na profissão de...

Desembargadora cassa decisão de juiz que anulou união homoafetiva em GO

Beatriz Franco estuda abrir processo disciplinar contra o magistrado A...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=