A cada 48 horas, três pessoas sofreram racismo ou injúria racial no DF em 2023

No ano passado, foram mais de 600 denúncias de discriminação racial na capital do país. Plano Piloto, Taguatinga e Ceilândia são as regiões com mais ocorrências. Caso de ofensa de garçom branco a cliente negro de churrascaria acende o sinal de alerta

O caso de um homem negro, que em uma churrascaria recebeu sua comanda escrito “preto” onde deveria estar seu nome, trouxe à tona a força da discriminação pela cor da pele no Distrito Federal. O episódio é parecido com outros 144 crimes de racismo ou injúria racial que aconteceram apenas de janeiro a março de 2023 — é como se, a cada dois dias, três pessoas sofressem esse tipo de preconceito.

Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP/DF) mostram que, no ano passado, foram 641 denúncias por discriminação racial. O Plano Piloto concentra 103 das ocorrências, seguido por Taguatinga (69) e Ceilândia (68).

As ocorrências de crimes injúria racial (quando alguém ofende outra pessoa pela raça) são 28 vezes maiores do que as de racismo (quando alguém agride um grupo ou coletivo de pessoas).

Apesar de diferentes, as duas recebem o mesmo tratamento jurídico. Desde janeiro, uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) igualou e aumentou as penas para os crimes. Agora, são inafiançáveis e imprescritíveis.

Segundo a delegada Ângela Santos, da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa, ou por Orientação Sexual, ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin), que investiga o caso da churrascaria, o garçom branco que entregou a comanda para o cliente pode ser penalizado em um a cinco de prisão.

A mudança na legislação é importante para que as pequenas agressões do dia a dia sejam denunciadas, como explica Beethoven Andrade, presidente da comissão de igualdade racial da OAB-DF. Segundo o advogado, caso a denúncia não seja feita à polícia, o cenário não será mudado a curto prazo. “Enquanto houver subnotificações, nunca vamos ter dimensão do quanto o Brasil é racista e discriminatória”, afirma.

+ sobre o tema

Bolsonaro e Trump tornaram racismo evidente, diz cofundadora do Black Lives Matter

Para Opal Tometi, reação a declarações de presidentes fortalecerá...

A dificuldade de uma mulher gorda para achar um vestido de noiva

Uma coisa que logo soube foi sobre os principais...

A bala perdida do pastor

Não há metáfora mais verossímil para o que está...

Policial mata caminhoneiro após briga de trânsito na BR-101, no ES

Após uma briga de trânsito, um policial militar matou...

para lembrar

Resposta social contundente contra o racismo

    A mensagem em Twitter dum dirigente racista...

Nike permite Jesus e Cristo, mas veta Exu e Ogum de camisas da seleção brasileira

A customização das camisas da seleção brasileira já havia...

Atriz britânica é condenada por racismo contra taxista

A atriz britânica Lauren Socha, 21, que ganhou...

“Espero muito os nossos Baracks Obamas”, diz Elisa Lucinda

“Não se dá ré na consciência de um povo.” Com...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=