”A desigualdade é sempre uma escolha política”

Novo relatório revela que o 1% mais rico obteve 38% da nova riqueza global gerada desde 1995. A metade inferior ficou com apenas 2%

Nas quase três décadas desde 1995, os membros do 1% global capturaram 38% de toda a nova riqueza, enquanto a metade mais pobre da humanidade se beneficiou de apenas 2%, uma descoberta que destaca o abismo cada vez maior entre os muito ricos e todos outro.

Isso está de acordo com a última edição do Relatório de Desigualdade Mundial, um resumo exaustivo dos dados de renda e riqueza mundiais que mostra que as desigualdades na riqueza e na renda são “quase tão grandes hoje quanto no auge do imperialismo ocidental no início do século 20”.

“De fato, a parcela da renda atualmente capturada pela metade mais pobre da população mundial é cerca de metade do que era em 1820, antes da grande divergência entre os países ocidentais e suas colônias”, observa o relatório. “Em outras palavras, ainda há um longo caminho a percorrer para desfazer as desigualdades econômicas globais herdadas da organização muito desigual da produção mundial entre meados do século XIX e meados do século XX”.

Os autores do novo relatório, divulgado na íntegra na terça-feira (7), esforçam-se para enfatizar que as desigualdades contemporâneas de riqueza e renda não são inevitáveis, mas sim a consequência de decisões deliberadas de formuladores de políticas em países individuais e no cenário global.

“A crise de Covid exacerbou as desigualdades entre os muito ricos e o resto da população”, disse Lucas Chancel, codiretor do World Inequality Lab [Laboratório Mundial de Desigualdade] e principal autor do novo relatório. “Contudo, nos países ricos, a intervenção governamental evitou um aumento maciço da pobreza – não foi o que aconteceu nos países pobres. Isso mostra a importância dos estados sociais na luta contra a pobreza”.

“Se há uma lição a ser aprendida com a investigação global realizada neste relatório”, acrescentou, “é que a desigualdade é sempre uma escolha política”.

A nova análise mostra que 2020 – um ano de deslocamento econômico induzido por uma pandemia que empurrou dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo para a pobreza extrema – marcou “o maior aumento já registrado na parcela da riqueza global disponível dos bilionários”.

“Nos EUA, o retorno da maior desigualdade de riqueza foi particularmente dramático, com a participação de 1% no topo alcançando perto de 35% em 2020, aproximando-se do nível da Idade de Ouro”, afirma o relatório, que conta com colaboração dos proeminentes economistas Thomas Piketty e Gabriel Zucman. “Na Europa, a maior desigualdade de riqueza também aumentou desde 1980, embora significativamente menos do que nos Estados Unidos”

Atualmente, os 10% mais ricos da população mundial abocanham mais da metade de toda a rendaglobal, descobriram os pesquisadores. Enquanto isso, bilhões de pessoas na metade mais pobre da população global detêm apenas 8% da renda mundial.

“As desigualdades de riqueza global são ainda mais pronunciadas do que as desigualdades de renda”, conclui o relatório. “A metade mais pobre da população global mal possui qualquer riqueza, possuindo apenas 2% do total. Em contraste, os 10% mais ricos da população global possuem 76% de toda a riqueza.”

Mantendo seu argumento de que o avanço da desigualdade de renda e riqueza é uma escolha, os autores do relatório recomendam que os líderes mundiais busquem várias soluções políticas para a crise de desigualdade global, que tem implicações econômicas, políticas e ecológicas de longo alcance.

Com um “imposto progressivo modesto sobre a riqueza detida pelos multimilionários globais”, o relatório argumenta, “1,6% da renda global poderia ser gerada e reinvestida em educação, saúde e transição ecológica.”

Se implementado nos Estados Unidos, esse imposto ajudaria a reverter a tendência de décadas de queda do imposto de renda pago pelos indivíduos mais ricos. O relatório observa que “hoje, as alíquotas efetivas de impostos da classe trabalhadora, da classe média e do 1% do topo estão muito próximas”.

O relatório também sugere que impostos corporativos progressivos e a repressão do governo à “evasão fiscal generalizada” pelos super-ricos podem ajudar a reduzir as enormes desigualdades de riqueza.

De forma mais ampla, os autores argumentam que, para “pôr fim aos grandes desequilíbrios nos fluxos de capital e renda entre o Norte Global e o Sul Global, é necessário reavaliar os princípios básicos da globalização”.

“Não é absurdo supor que cada país do mundo deva ter direitos iguais ao desenvolvimento, no sentido de que cada ser humano deve ter acesso igual à educação básica e aos serviços de saúde para começar”, afirma o relatório. “A questão de como financiar esses serviços básicos é inteiramente política, dependendo, portanto, do conjunto de regras e instituições estabelecidas pelas sociedades em todo o mundo.”

O Resumo Executivo do Relatório Mundial sobre as Desigualdades para 2022 foi traduzido por Outras Palavras.

*Publicado em Common Dreams | Tradução por César Locatelli

+ sobre o tema

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Seis em cada dez crianças brasileiras vivem na pobreza, diz Unicef

Dos 32 milhões de brasileiros de até 17 anos...

Projeto financiado pela ONU beneficia produtores rurais do Semiárido brasileiro

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações...

O núcleo duro do bolsonarismo

“E a memória de tudo desmanchará suas dunas desertas,e...

Número de crianças que não aprenderam a ler e escrever chega a 2,4 milhões e aumenta mais de 65% na pandemia

Um levantamento divulgado nesta terça-feira (8) pela ONG Todos...

Desigualdade aumentou em 2023, diz relatório do Banco Mundial

Em torno de 700 milhões de pessoas sobrevivem com menos de US$ 2,15 (R$ 10,50) por dia. São os mais pobres entre os pobres...

Longevidade para poucos

A expectativa de vida de brasileiras e brasileiros voltou a aumentar, depois do par de anos de retrocesso em razão da pandemia, que matou...

Invisibilidade social: a cor da desigualdade

Hoje, 20 de novembro, dia em que escrevo este breve artigo, é dia de Zumbi dos Palmares e da Consciência Negra. Não tenho a...
-+=