Dia dos Direitos Humanos: Pandemia agravou desigualdades

Enviado por / FonteDW, por Agência Lusa

Dois anos de pandemia agravaram as desigualdades que a ONU queria erradicar com a Declaração de 1948, avalia a Alta Comissária Michelle Bachelet. Hoje, 10 de dezembro, assinala-se o Dia dos Direitos Humanos.

A crise da Covid-19 “provocou um aumento preocupante das desigualdades, a começar pelas taxas desproporcionadas de infeção e morte nas comunidades mais marginalizadas”, disse a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, numa mensagem em vídeo por ocasião do 73.º aniversário da adoção da Carta dos Direitos Humanos, que se assinala esta sexta-feira, 10 de dezembro.

A pandemia “contribuiu também para o aumento dos níveis de pobreza, fome e para a redução do nível de vida”, enquanto aumentaram os protestos, a instabilidade social e os conflitos, sublinhou a Alta Comissária.

As mulheres, os trabalhadores informais, os idosos e os mais jovens estão entre os mais atingidos pela pandemia e as suas consequências socioeconómicas, mas também as pessoas com deficiências e membros de minorias étnicas e religiosas, sublinhou Bachelet.

A desigualdade também aumentou entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento, tendo em conta que as previsões sugerem que em 2022 os primeiros terão crescimento económico, enquanto os últimos continuarão em recessão.

Michelle Bachelet – Foto: Fabrice Coffrini/AFP/Getty Images

Momento crítico da política mundial

Estas divergências “foram agravadas pela taxa de vacinação incrivelmente desigual”, disse Bachelet, recordando que nos países de alto rendimento, em média, 65% dos adultos receberam pelo menos uma dose de vacina anti-Covid, enquanto nas economias mais pobres a percentagem cai para 8%.

Bachelet lembrou ainda que, juntamente com a crise de saúde, o mundo está a atravessar outra crise ambiental, com 15.000 mortes e 98 milhões de pessoas afetadas em 2020 devido a desastres climáticos.

“Estamos num momento crítico da política mundial, em que o mundo ainda não recuperou da pandemia e está a tentar, por outro lado, fazer as mudanças radicais necessárias para evitar outras catástrofes ambientais futuras”, alertou a antigo Presidente do Chile.

+ sobre o tema

O golpe de 2016 e seu estudo nas universidades

Se várias universidades resolveram colocar o tema “O golpe...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

para lembrar

Convite: Diálogo sobre DH, Participação e Internet em São Paulo

CMDH - COMISSÃO MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS

Grupo faz ato contra intolerância e discriminação no Centro do Rio

do G1 O auditório da Associação Brasileira de...

Zezé Motta a Feliciano: “A gente vai se livrar desse traste”

Atriz global Zezé Motta acredita que o clamor...

Após passagem por RR, rei da Noruega segue para reserva indígena

Rei Harald V viajou neste dia 22 para...

Quem cata suas latinhas é trabalhador?

Todo Carnaval tem seu fim. E com ele toneladas e mais toneladas de lixo... Não importa como você decidiu comemorar o seu Carnaval. Se decidiu cair na folia, lá...

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...
-+=