Dia dos Direitos Humanos: Pandemia agravou desigualdades

Enviado por / FonteDW, por Agência Lusa

Dois anos de pandemia agravaram as desigualdades que a ONU queria erradicar com a Declaração de 1948, avalia a Alta Comissária Michelle Bachelet. Hoje, 10 de dezembro, assinala-se o Dia dos Direitos Humanos.

A crise da Covid-19 “provocou um aumento preocupante das desigualdades, a começar pelas taxas desproporcionadas de infeção e morte nas comunidades mais marginalizadas”, disse a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, numa mensagem em vídeo por ocasião do 73.º aniversário da adoção da Carta dos Direitos Humanos, que se assinala esta sexta-feira, 10 de dezembro.

A pandemia “contribuiu também para o aumento dos níveis de pobreza, fome e para a redução do nível de vida”, enquanto aumentaram os protestos, a instabilidade social e os conflitos, sublinhou a Alta Comissária.

As mulheres, os trabalhadores informais, os idosos e os mais jovens estão entre os mais atingidos pela pandemia e as suas consequências socioeconómicas, mas também as pessoas com deficiências e membros de minorias étnicas e religiosas, sublinhou Bachelet.

A desigualdade também aumentou entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento, tendo em conta que as previsões sugerem que em 2022 os primeiros terão crescimento económico, enquanto os últimos continuarão em recessão.

Michelle Bachelet – Foto: Fabrice Coffrini/AFP/Getty Images

Momento crítico da política mundial

Estas divergências “foram agravadas pela taxa de vacinação incrivelmente desigual”, disse Bachelet, recordando que nos países de alto rendimento, em média, 65% dos adultos receberam pelo menos uma dose de vacina anti-Covid, enquanto nas economias mais pobres a percentagem cai para 8%.

Bachelet lembrou ainda que, juntamente com a crise de saúde, o mundo está a atravessar outra crise ambiental, com 15.000 mortes e 98 milhões de pessoas afetadas em 2020 devido a desastres climáticos.

“Estamos num momento crítico da política mundial, em que o mundo ainda não recuperou da pandemia e está a tentar, por outro lado, fazer as mudanças radicais necessárias para evitar outras catástrofes ambientais futuras”, alertou a antigo Presidente do Chile.

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

Urariano Mota: O estilo Bonner e Dilma

Por: Urariano Mota   A maioria dos brasileiros observou o comportamento...

Será a volta do monstro? por Cidinha da Silva*

Parece que o vento virou, à direita, e os...

Maior operação de combate à escravidão do país resgata 337 em 15 estados

Uma megaoperação com 105 ações de fiscalização, envolvendo 50...

Me deixem em paz – Por: Fernanda Pompeu

1964 + 50Histórias de pessoas de carne e osso...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=