A diferença entre artigos científicos escritos por homens e por mulheres

Nova pesquisa revela distinção na linguagem usada por cada gênero, além de como isso impacta a repercussão de trabalhos

Por Sabrina Brito, da Veja

Trabalhos feitos por homens costumam ser mais bem-sucedidos: mas seria por causa da linguagem usada? (Foto: Lucas Vasques/Pixabay)

De acordo com um estudo realizado por cientistas das universidades Harvard e Yale, nos EUA, e Mannheim, na Alemanha, a linguagem utilizada por pesquisadores e pesquisadoras em seus artigos é muito diferente, e isso pode influir no sucesso que seus trabalhos têm. Publicada ontem (16) no periódico científico BMJ, a pesquisa é a primeira em grande escala a quantificar diferenças nas palavras usadas por cada gênero em trabalhos biomédicos.

Os cientistas analisaram mais de 6 milhões de publicações e constataram que artigos em que os autores principais são homens possuíam até 21% a mais de chance de usar uma linguagem positiva e otimista, que coloca os achados em alto grau de importância, em comparação às suas contrapartes femininas. Segundo o estudo, os títulos e resumos das pesquisas lideradas por homens usavam mais frequentemente palavras como “excelente”, “único” e “inovador”.

Consta ainda que artigos em que o primeiro e último autor são mulheres apresentavam 12,3% menores chances de usar expressões positivas para descrever achados, do que aqueles em que o primeiro e o último autor são homens. Além disso, foi concluído que os trabalhos em que esses termos constavam eram 13% mais citados do que os outros, desprovidos da perspectiva otimista.

De acordo com os responsáveis pelo levantamento, há diversos fatores que levam a esse tipo de desigualdade. No entanto, afirmam, é importante ter em mente que a linguagem pode servir como um desses pilares. Uma das teorias que explicam o fenômeno observado é a de que homens se promovam mais porque é mais socialmente aceito que eles o façam do que mulheres, observam os pesquisadores. Além da comunidade científica, outro público que pode ser afetado pelo uso de termos otimistas é o de leitores.

+ sobre o tema

Rotina de professoras negras será retratada em documentário sobre Diáspora Africana

Podemos construir uma escola que valorize a ancestralidade africana?...

Oxfam e FNPI lançam bolsa de jornalismo sobre desigualdade

Bolsa de US$ 5 mil está com inscrições abertas...

Kaya Thomas criou um app que te ajuda a encontrar livros de autores negros

A alfabetização da comunidade negra foi um dos gritos...

para lembrar

Dia Internacional da Mulher torna-se feriado em Berlim

A ideia de criar o Dia da Mulher surgiu...

13 Possíveis temas de Redação do Enem 2016

Os estudantes que desejam ingressar no ensino superior precisam...

Veja intenções de voto à Presidência por sexo e região segundo Datafolha

Na média nacional, Dilma tem 50%, contra 27% de...
spot_imgspot_img

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...

Encontro anual do SETA definiu ações e estratégias para uma educação antirracistae emancipatória.

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou do planejamento anual Projeto SETA  (Sistema de Educação Por Uma Transformação Antirracista) em Paraty, Rio de Janeiro....
-+=