A força do feminino negro em “Deusa do Ébano: Rainha do Ilê Aiyê”

Dirigido por Carolina Moraes-Liu, esse documentário registra a participação de Joseane, Talita e Aurelina no concurso da beleza negra, promovido pelo Bloco Ilê Aiyê, considerado “o mais belo dos belos”.

Por: Ceiça Ferreira

São vozes femininas que contextualizam a importância desse evento para a cidade, e para as mulheres negras, trata-se de “um acontecimento, que fará o Curuzu tremer”, no qual será escolhida a Deusa do Ébano: a Rainha do Ilê Aiyê, título que vai além de ser eleita a mais bela, compreende o reconhecimento da mulher negra, exatamente em Salvador, chamada de “Roma Negra”. Mas as estatísticas e também as falas de Arany Santana e Vovô (respectivamente, diretora e presidente do Bloco) nos situam sobre a realidade que existe na capital baiana, marcada pelo racismo e pela profunda desigualdade social.

 

 

AurelinaÉ nesse contexto que acompanhamos o desejo e o empenho que essas três jovens dedicam a esse concurso. Para Aurelina, significa a mulher negra ganhar mais espaço e por isso também entende sua responsabilidade dentro dessa comunidade. Ela que já está concorrendo há quatro anos revela “esse sonho já passou por cima de mim [..] Eu desejo mais do que tudo”. E assim como ela, também Ninha que com a experiência de quem já participou várias vezes do concurso e foi premiada como princesa, agora a ensina-lhe a dançar.

Joseane (outra candidata que o curta acompanha) afirma “o concurso mostra a beleza que nós temos, ainda pouco valorizada pelas agências de modelo”, que semelhante à mídia e ao cinema privilegia um ideal de beleza eurocêntrico.

Essa histórica condição de subalternidade que a mulher negra é submetida, consolida o significado desse concurso, que segundo Arany “tornou mais fácil ser negro em Salvador”. Contra o racismo e a invisibilidade, surge essa proposta de afirmação e orgulho da negritude, e também suas raízes com a cultura e a religiosidade de matriz africana. É dentro do candomblé que o bloco Ilê Aiyê nasceu, e a ele deve sua existência, se inspira em seu rico patrimônio simbólico (cores, ritmos, mitos, valores, fazeres e princípios).

É também no candomblé, observando a dança dos orixás, que Ninha afirma ter aprendido dançar o ijexá e o jincá (ritmos tocados durante o xirê, estrutura em forma de círculo que organiza a sequência de cantigas e danças dedicada a cada orixá), necessários para a apresentação na noite da beleza negra. Logo, participar do concurso significa poder mostrar em essa origem e religiosidade negra, algo extremamente relevante em Salvador, onde apesar da baiana e de outros elementos da cultura afro serem “vendidos” como orgulhosos atrativos turísticos, ainda prevalece a intolerância ao povo-de-santo.

JoseaneE essa exigência de saber dançar também pode ser entendida uma oportunidade de mostrar uma corporeidade específica, uma maneira diferente de lidar com o corpo, com qual expressa sua memória coletiva e ancestral. Como ressalta a historiadora e poetiza Beatriz Nascimento, no filme “Orí”, “a memória são conteúdos de um continente, da sua vida, da sua história, do seu passado, como se o corpo fosse o documento, não é à toa, que a dança para o negro é um momento de libertação. O negro não pode ser liberto, enquanto ele não esquecer no gesto que ele não é mais um cativo”.

Por essas razões compreendemos como a dança é tão importante, e se faz presente desde os oito anos na vida de Talita (também uma participante do concurso), que concilia a profissão de professora com o curso de dança. Ela, juntamente com Joseane, Aurelina e tantas outras jovens, com diferentes histórias de vida compartilham um só desejo: ser rainha de Ébano, aquela que representa o Ilê Aiyê no carnaval.

Pelo documentário, acompanhamos a ansiedade e a preparação dessas três candidatas ao título de Rainha do Ébano, o aprendizado das danças, as etapas de seleção, a produção do figurino e o momento mais esperado, a noite da beleza negra. E sem dúvida, essas mulheres estão mais lindas do nunca, estão odara (palavra iorubá que sintetiza a ideia de beleza suprema, que compreende ainda a bondade e a funcionalidade. Odara é bom, belo e útil).

 

 

O filme mostra a apresentação de várias participantes, sequências que nos envolvem. Impossível não se emocionar com a apreensão, a alegria e o choro delas nesse momento tão especial. E a escolhida daquele ano, subiu novamente ao palco e agora com o título de Deusa do Ébano, Rainha do Ilê Aiyê dança majestosamente.

Duas semanas depois, essa rainha representou o bloco no carnaval, de maneira exuberante ela apresentou no figurino e na delicadeza de seus movimentos corporais o enredo do Ilê Aiyê naquele ano.

“O Ilê acertou quando criou a noite da beleza negra, porque independente dessa afirmação da estética negra, ele elevou nossa auto-estima enquanto mulheres […] conseguimos que as mulheres dessa cidade se sentissem bonitas”, afirma Arany Santana (diretora do bloco). Concordo com ela, pois criar um concurso que afirma e valoriza o feminino já é uma iniciativa louvável, mas quando trata-se do feminino negro, acredito que é também uma atitude política.

Desvalorizadas diante de um padrão de beleza eurocêntrico, obrigadas a se enquadrarem em um lugar social que oscila entre os estereótipos da “mulata” (objeto sexual) e da empregada doméstica, é que essas mulheres negras encontram nesse concurso uma visibilidade historicamente negada, e também onde se reconhecem e são reconhecidas como detentoras de beleza, talento e uma história.

Ao destacar a cultura e religiosidade de matriz africana, nos mais diversos elementos estéticos, como no figurino e na dança das participantes, a noite da beleza negra apresenta também a possibilidade de buscar no universo do candomblé a atuação de nossas percussoras, como Mãe Aninha, Mãe Senhora, Mãe Menininha do Gantois, e também Mãe Hilda, a matriarca do Curuzu, estrela guia da comunidade negra Ilê Aiyê, que assim como tantas outras mulheres negras traziam em comum o desejo de liberdade.

talitaEssa espiritualidade ancestral também nos oferece outros símbolos e figuras míticas femininas. Tão ricas, complexas, altivas e amorosas, como a de Oxum (dona do ouro, da prata e dos mais ricos encantos femininos); a de z (orixá guerreira, mãe protetora, senhora dos ventos e das tempestades); e a de Iemanjá (mãe dos deuses, dos homens e dos peixes; e dona de todas as cabeças, por isso rege o equilíbrio emocional e a loucura).

Inspiradas na força dessas mães negras e na altivez das iabás, continuemos essa história de resistência, lutando cotidianamente contra o racismo e o sexismo, lembrando sempre que “nossos passos veem de longe”1.

Notas e Referências

Agradeço a cineasta Carolina Moraes-Liu, que gentilmente me cedeu uma cópia do filme.

(Mais informações: http://www.documentario.com/ebonygoddess.html)

1O livro de saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Criola/Pallas, 2000.

CARNEIRO, Sueli. A força das mães negras. Jornal Le Monde Diplomatique. 08 de Novembro de 2007

Orí. Direção: Raquel Gerber. Textos e Narração: Beatriz Nascimento. 1989.

*Ceiça Ferreira é jornalista, doutoranda em Comunicação na Universidade de Brasília (UnB), e desenvolve atividades com mídia, culturas negras e comunicação em movimentos sociais.

 

 

 

 

Fonte: Semira Mostra Mulheres no cinema

+ sobre o tema

‘Aumento salarial beneficia especialmente as mulheres’, diz Maria Sylvia, do Geledés

Os dados mostram que as mulheres negras têm as piores taxas...

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

A empresária Luiza Trajano na redação brasileira da RFI,...

Agora, a punição para estupros recairá sobre a vítima

O novo líder do governo na Câmara, deputado André Moura (PSC)...

para lembrar

Mulheres indígenas contam sua história em livro

Mulheres indígenas de oito etnias da região Nordeste acabam...

Alagoinhas pode ter primeira candidata a prefeita trans do Brasil

Aos 32 anos, Samara Diamond (PSOL) pode ser a...

Quadrinista Tailor: “As pessoas têm problemas em rever privilégios”

Artista quer desistir do curso de Jornalismo para usar...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=