A MÍDIA E AS COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES

Frequentemente é abordado pela mídia o discurso sobre as cotas para negros nas universidades. Revistas e jornais também têm se ocupado deste tema. Levando em consideração as influências que estes meios têm sobre a sociedade brasileira, ditando formas de agir e pensar. Auxiliando na constituição da identidade.

Alguns discurso na mídia são extremamente semelhantes, isto é, apresentam o discurso sob uma ótica dos grupos dominantes da sociedade onde geralmente aparecem:

* O DISCURSO DA DEMOCRACIA RACIAL

* O DISCURSO DOS SABERES

O DISCURSO DA DEMOCRACIA RACIAL
É quando se recorre ao pensador brasileiro, autor de “Casa Grande e Senzala”, Gilberto Freyre e sua idéia de vivencia harmônica a partir da integração biológica e cultural do índio, do português e do negro africano que resultou no homem brasileiro. Neste aspecto, não se considera as diferenças e particularidades dos grupos sociais. Considerando-os iguais. Sob este aspecto o preconceito e discriminação não existem na sociedade brasileira. E todos têm as mesmas oportunidades.

É o que acontece na reportagem da Revista Veja de 06/06/07, onde a questão das cotas para negro é considerada como, “As políticas raciais que se pretende implantar no país por força da lei têm potencial explosivo porque se assentam numa assertiva equivocada: a de que a sociedade brasileira é, em essência, racista. Nada mais falso”

Ou ainda na fala da antropóloga Yvonne Maggie, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, “A discriminação existe no dia-a dia e precisa ser combatida, mas, se ambas as leis entrarem em vigor, estaremos construindo legalmente um país dividido em raças, e isso é muito grave. Será como tentar apagar fogo com gasolina”

De acordo com as citações as cotas é que representam uma ação discriminatória, equivocada, mas logo abaixo a antropóloga confirma que há preconceito é que se o negro não tem acesso a universidade e a cargos importantes, não é porque se tentou impedi, . “O fato de existir um enorme contingente de negros pobres no Brasil resulta de circunstâncias históricas, não de uma predisposição dos brancos para impedir a ascensão social dos negros na sociedade.”

“Após a abolição da escravatura, em 1888, nunca houve barreiras institucionais aos negros no país.”

E ainda “O mérito acadêmico fica em segundo plano”

O DISCURSO DOS SABERES
Neste outro ponto comum as noticias e reportagem sobre as cotas para negro, se recorre a teorias, conhecimento jurídico para se confirmar que as cotas não são necessárias e até inconstitucional,
“A lei de cotas e o estatuto racial são monstruosidades jurídicas que atropelam a Constituição”

O discurso da igualdade é literal, e não nos direitos, pois se percebe-se claramente que nem todos são iguais, mas que precisam ser incluídos na sociedade.
Enfim no discurso da mídia sobre as cotas para negro nas universidades fica implícito a:
• Superioridade branca;
• Negro fadado ao fracasso;
• Traços discriminatórios contra o negro;
• Perpetuação da classe branca;
• Objetivo polemizar-contra X a favor- só se mostra as pessoas que são contra;
• Inconstitucional;
• Não é necessário;
• Privilegia o negro, favorece sem méritos;
• Retrocesso;
• É mostrada sob a Ideologia dominante;
• Inferioriza o negro;
• Não considera o processo histórico;
• Não se considera a estrutura da atual sociedade;

“A idéia da existência de uma democracia racial é refutada a partir da utilização do adjetivo falsa que desmistifica a idéia tão propagada por algum tempo, mas colocada em prova neste momento, de que todos são iguais. Isso permite, novamente, agora com um discurso de defesa, a utilização do verbo tentar, como algo ainda em processo e ainda não efetivada, no caso a noção de igualdade, que refletida ideologicamente nos discursos que veiculam posições contra a adoção de políticas de cotas no processo de construção de identidades sociais do negro, em que há discursividades que procuram, ao invés de abolir, dissimular as desigualdades sociais.” ( SERAFIM, 2005)

COSTA, Emília Viotti da. Da Senzala à colônia. São Paulo: Difel, 1980.
SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz E Terra, 1989.
SERAFIM, C. E. R. (Discente-Autor /Mest.Acadêmico), 2005. Interdiscurso e produção identitária: as cotas paranegros no discurso midiático.; Congresso Internacional Cotidiano: Diálogos sobre Diálogos.: Anais do Congresso Internacional Cotidiano: Diálogos sobre Diálogos., 1, 1, ISBN: Português, Impresso.
VEJA on line, nº 2011, 6 de junho de 2007. Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 05/05/2010.
Revista Época no. 1522 http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca acesso 18/03/2010 .

Fonte: HISTÓRIA NA ILHA DO MIRITI

+ sobre o tema

Carta de Repúdio ao black face no Festival de Marchinhas de Ubatuba

Carta de Repúdio ao black face no Festival de...

Novos documentos revelam o racismo histórico do palácio de Buckingham

Uma regra expressa do palácio de Buckingham, em vigor...

Grupo Carrefour rejeita recomendação do Ministério Público do Trabalho após caso de racismo

O Ministério Público do Trabalho (MPT) propôs ao Hipermercado...

OAB-CE pede identificação de autores de frases ofensivas contra Miss Brasil

Melissa Gurgel foi alvo de racismo ao receber título...

para lembrar

spot_imgspot_img

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...

Justiça absolve policiais pela morte do adolescente João Pedro

A juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu sumariamente os 3 policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) pela morte do adolescente João Pedro, há 4 anos, em São Gonçalo....

Três meninos no portão

Em 2022, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) refez a pesquisa “Elemento suspeito”, feita pela primeira vez em 2003, com dados...
-+=