A música outra

A versão de ‘Mulheres’ escrita por Doralyce e Silvia, duas mulheres negras, é a versão outra do outro do outro

Eu tô pra ver um ano pior que 2018, pelo menos na minha vida. Na verdade espero não ver, ainda que 2021 e 2022 tenham feito concorrência pesada. Em 2018 olhei para o abismo, e ele me olhou de volta. Semana passada, com a morte de Tina Turner, me lembrei de que este foi o ano em que meditei com maior frequência. Eu meditava três vezes por dia, como quem toma antibióticos. Foi assim que encontrei Tina recitando o Sutra de Lótus no YouTube e celebrei a capacidade do artista em ser múltiplo, em estar aberto a construir novas coisas, mesmo quando parece que não há mais nada a ser construído.

Tina Turner – Foto: Lynn Goldsmith/Divulgação

Meu Deus, pensando agora, foram tantos os abismos políticos! O assassinato da Marielle, a prisão do Lula, a eleição do Bolsonaro. Falo só desses abismos porque prefiro, pelo menos hoje, não expor minha vida pessoal. Muito se fala de 2020, mas 2018 foi o início do fim do mundo.

E falando nele, a gente já chegou à conclusão de que, além da vacina, foi a arte que nos salvou do abismo pandêmico. Filmes, livros e especialmente a música nos fizeram companhia e serviram de alento para milhões de pessoas.

E falando nela, eu estava em 2018, em uma das primeiras vezes que a versão de “Mulheres”, composta por Doralyce e Silvia Duffrayer, foi cantada ao vivo. Era a roda do Samba que Elas Querem, na Cinelândia, se não me engano, na Banca do André. A letra era tão bonita, gostosa, respeitosa e potente, que você aprendia a cantar a plenos pulmões em cinco segundos. Aquela letra era tudo que a gente necessitava cantar a plenos pulmões em 2018.

Qual não foi minha surpresa ao ver o post da Doralyce semana passada contando que o “hino” seria retirado das plataformas digitais a pedido do compositor da versão original e de sua editora. Doralyce ainda escreve que 100% da propriedade intelectual e do direito autoral sobre a versão já tinham sido cedidos ao autor.

Na verdade, o que mais me assustou foi uma frase na resposta do próprio compositor ao post. Não, não foi a parte do “podia ter tirado do YouTube também”, como quem diz “agradeçam!”. Foi a frase: “Nada contra a luta de vocês.”

Simone de Beauvoir cunhou o conceito da mulher como “o outro”, sem reciprocidade do olhar do homem. Grada Kilomba chama a mulher negra de “o outro do outro”, duplamente desqualificada.

A versão de “Mulheres” escrita por Doralyce e Silvia, duas mulheres negras, é a versão outra do outro do outro. Sempre será a luta de “vocês”, para determinadas pessoas. Essas pessoas nunca farão parte, nunca estarão junto, não porque são indesejadas, e sim porque não se reconhecem. Elas são só pessoas, nós somos o outro (do outro).

Você consegue imaginar Chico Buarque proibindo a versão de “Cálice” do Criolo? Chico passou a cantar a versão, agradeceu e disse que Criolo o chamou para o “clube”. O berço pode ser o rap, o samba, o funk, mas não existe fronteira para a poesia. Mais ainda quando a poesia é cantada na rua, nos bares, nas bancas, nas rodas.

Na próxima sexta-feira, Doralyce lança seu novo álbum, “Dassalu”, falando de amor, cheio de referências diaspóricas, influências da música hauçá e nagô, e ela me disse que é sobre isso que ela gostaria de estar falando neste momento. Vamos ouvir.

+ sobre o tema

Liliam Thuram: Itália é racista

Ex-jogador da seleção francesa se solidariza com Mario...

Rede Globo: O racismo “Tá no Ar” ou “Quer açoitar quantos?”

“Interrompemos esse programa para apresentar um comercial do século...

Cotas: 62% dos brasileiros aprovam

Pesquisa Ibope encomendada pelo Estadão revela que aprovação...

para lembrar

“Não aguento mais publicar matéria de criança morta”

Artur Voltolini, editor do Favela 247, escreveu artigo lamentando...

Eleito em concurso de beleza é alvo de racismo: “Chamou gorila para votar”

Almir Lima disputou o concurso Garoto da Favela do...

Audiência de Cotas Dra. Deborah Duprat (Vice-Procuradorageral da República)

O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI - (PRESIDENTE E RELATOR) -...

Grécia, França e Espanha, os países europeus mais antissemitas

O debate sobre o preconceito contra os judeus estoura...
spot_imgspot_img

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...

Funcionária de academia será indenizada por racismo: “cabelo de defunto”

Uma funcionária de uma academia em Juiz de Fora (MG), na Zona da Mata, será indenizada em R$ 15 mil por sofrer racismo. De...

Efeito Madonna no Rio

Uma mulher. Uma mulher de 65 anos. Uma artista de fama planetária que, aos 65 anos, 40 de carreira, é capaz de mobilizar para...
-+=