A onça

Conto

Karina esfrega as mãos. A água fria toca a pele confirmando parte de uma presença. O rosto no espelho reflete encontro e estranheza com a outra de si mesma. As manchas pretas estão por toda face. Simula um sorriso e os caninos saltam da boca. A cara de onça veio pra ficar.

O primeiro sinal do animal aconteceu quando Karina tinha sete anos. Gritaram na escola:

– Karina cara de macaca!

A menina voltou para casa acabrunhada. Na manhã seguinte da desfeita, acordou com uma mancha na testa mais preta que o tom de sua pele. Zelosa, a mãe levou a filha em tudo quanto foi médico. A ciência não encontrou remédio. No terreiro de mãe Joaquina, o caboclo falou:

-A menina carrega a mata no corpo. Não há de ser coisa ruim, mas é preciso proteger.

Mistério a gente não contesta. Mesmo sem entender a mensagem do Sete Flechas, a mãe banhou a criança com as ervas recomendadas. Uma folha para cada dia da semana. A mancha não sumiu, nem aumentou.

Depois de vinte anos convivendo com a marca, Karina até esqueceu que não nascera com ela. Agora, quando a felina voltou a se manifestar, a jovem aceitou de vez que a onça faz parte da sua natureza. Ela achou bonito quando os olhos ficaram verde amarelados.

-Pareço com vó Zeferina, disse referindo-se à ancestral de pele azulada e olhos verdes.

As pintas negras espalharam-se apressadas pela face. Os longos pêlos perto da boca chegaram por último. Karina tentou arrancá-los. Pinça, creme, cera quente. Foi inútil. Tirava os fios à noite e um punhado renascia pela manhã. Por fim, achou a cara nova mais bonita que a antiga. O inconveniente é a necessidade de escondê-la.

No trabalho usa a câmera desligada. Mas desde a última reunião já não pode mais falar. Durante o brainstorming, alguém fez de conta que não ouviu a ideia sugerida por Karina. Quando foi denunciar o desaforo, a voz humana saiu misturada com os timbres da felina. Karina, intuindo que a onça reivindicava a palavra, continuou o reclamo pelo chat. Ufa! Escapou por pouco. É arriscado rugir do centro sendo margem.

Na luz do dia, por precaução, Karina-onça só aparece com máscara, maquiagem e óculos escuros. Outro dia foi ao mercado com olhos descobertos e camadas e mais camadas de pó facial. O artifício não foi suficiente para camuflar a pantera. Na fila, uma mulher gritou:

– Por que tá me olhando desse jeito?

A visão fixa na nuca da mulher. As pupilas se dilatam. Na mandíbula alongada, a boca enche de saliva. Os músculos dos braços e das pernas se contraem. A onça esturra tão forte que, lá distante, o Sete Flechas foi capaz de ouvir.

*********
Esse texto é fruto de conversas partilhadas, sugestões e revisões de Aaron Jaekel, Anderson de Souza, Camila Matheus da Silva, Cesar Augusto Mendes Cruz, Daniela Vieira, Márcia Cristina Rogério de Almeida, Mayara Almeida do Nascimento e Terra Johari

+ sobre o tema

”Achavam que minha mãe era a babá”, diz ruiva filha de mulher negra

A fotógrafa Michelle Marshall fez um ensaio que registra...

Afinal, somos racistas?

No último final de semana reencontrei um jovem brilhante...

Uma cena racista no Leblon

Andando pelo Leblon, um casal de jovens viu um...

para lembrar

Maisa faz desabafo sobre racismo sofrido pelo pai: “Sempre é o segurança”

A atriz usou seu twitter para conversar sobre o...

Joel, o menino da capoeira, está morto

  Salvador - O menino Joel da Conceição Castro, de...

Rio de Janeiro police raid on favela leaves at least 25 dead

At least 25 people have been killed after heavily...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=