A revolução do cinema negro que desafiou Hollywood

O IMS paulista resgata 14 títulos das primeiras gerações de cineastas afro-americanos na Califórnia

Por JOANA OLIVEIRA, do El País

Cena de ‘Abençoe seus pequeninos corações’ (1983), de Billy Woodberry.

Como ensinar um mundo estéril a dançar? É o que se pergunta a atriz Barbara O. Jones na pele de uma freira negra, enquanto tenta abafar internamente o batuque distante dos tambores de Uganda. Os olhares contorcidos de Jones e a trilha sonora percussiva fazem uma reivindicação lúdica da ancestralidade negra no curta Diário de uma freira africana, da realizadora Julie Dash —primeira mulher afro-americana a dirigir um longa-metragem estreado comercialmente nos Estados Unidos (Filhas do Pó), em 1991.

Como ensinar um mundo estéril a dançar? Como ensinar outros olhares? A mesma pergunta parece ter passado pela mente das primeiras gerações de realizadores audiovisuais negros que entraram na Escola de Cinema da Universidade da Califórnia (UCLA), entre 1970 e 1980. Programas de atração e inclusão de estudantes de origens periféricas (latinos, indígenas, asiáticos, negros) implementados na época permitiram o florescimento de um cinema que deu protagonismo às narrativas negras, rebelando-se contra o espelho embaçado de Hollywood, onde esses artistas não se reconheciam. Agora, 14 obras da chamada L.A. Rebellion, entre curtas, médias e longa-metragens, serão apresentadas ao público brasileiro em uma mostra no Instituto Moreira Sales (IMS) de São Paulo, que começa nesta terça-feira e vai até 23 de fevereiro.

Se hoje desfrutamos de obras como Moonlight, que ganhou o Oscar de melhor filme em 2017, é porque essa produção foi antecedida pelo L.A. Rebellion e por nomes como o de Charles Burnett, realizador de trabalhos como os curtas Um Bocado de Amigos e O cavalo —outras duas pérolas que estarão no IMS.  É o que afirma a crítica de cinema estadunidense Soraya Nadia McDonald. Tanto o filme que foi aclamado pela maior indústria do cinema global quanto as produções dos jovens estudantes da UCLA foram feitos por realizadores negros, com elenco negro, com atores inexperientes ou estreantes e foram feitos com baixos orçamentos, contando histórias de negros.

 

Leia a matéria completa aqui 

+ sobre o tema

Palmares e Embaixadas de Países Africanos Preparam IV Fesman

A Fundação Cultural Palmares (FCP) e o Comitê Cultural...

Investigadores do Porto estudam bebida de origem africana

Produto é obtido a partir da flor de Bissap   Os...

Mitos e curiosidades do fim da escravidão no Brasil

Assinatura da lei Áurea pela princesa Isabel completa 125...

Mãe de Gabriel Jesus marca firme: “Filho meu baixa a cabeça quando eu falo”

Nos gramados, Gabriel Jesus tem sido um terror para...

para lembrar

Hacia el Estado Comunal Jesus Chucho Garcia

Por: JESUS CHUCHO GARCIA   Llegó la hora de salir de...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil afirma que não se aposentará totalmente dos palcos: “continuo querendo eventualmente cantar”

No fim de junho, saiu a notícia de que Gilberto Gil estava planejando sua aposentadoria dos palcos. Segundo o Estadão, como confirmado pela assessoria do...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Ex-seguranças da Chic Show, amigas se emocionam em festival: ‘Chorei muito’

A Chic Show, festa/baile black símbolo da resistência cultural negra paulistana, celebra 50 anos em grande estilo com um festival no Alianz Parque neste...
-+=