A vez dos evangélicos: Feliciano não nos representa

Lelis Washington Marinhos, relator do conselho político da Convenção Geral das Assembleias de Deus, afirma: “Feliciano não fala em nome da Assembleia de Deus”

O deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) pode não representar a militância gay, os fã-clubes de John Lennon ou Caetano Veloso, mas representa, sim, os mais de 200 mil eleitores que lhe garantiram seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Sua eleição em 2010 não o autoriza, porém, a falar em nome de todos os evangélicos – ou mesmo da Assembleia de Deus, denominação a que pertence. É o que deixa claro Lelis Washington Marinhos, relator do conselho político da Convenção Geral das Assembleias de Deus: “Feliciano não fala em nome da Assembleia de Deus.” Ou seja: se você é evangélico e também se assusta com alguém que envolve Deus em questões mundanas como a decisão de Mark Chapman de apertar o gatilho contra o Beatle que compôs ‘Give Peace a Chance’, tenha paciência. Marco Feliciano não representa oficialmente todos os fiéis pentecostais.

Ironias à parte, a declaração de Marinhos guarda distância das campanhas intransigentes movidas na internet contra o pastor, sob o mote “não nos representa”. Os evangélicos não compõem uma unidade política e não há razão para que um deputado os represente em sua totalidade. Ao contrário: cada denominação, cada corrente, cada pastor tem autonomia para mobilizar os fiéis e ajudar a eleger seus candidatos favoritos, de diferentes partidos. Assim, líderes evangélicos frequentemente disputam um mesmo eleitorado. E a súbita notoriedade de Feliciano pode começar a incomodar outros candidatos evangélicos.

O saldo eleitoral das declarações de Feliciano, admite Marinhos, até o momento tende a ser positivo. “Tudo indica que essa aparição, essa presença forte na mídia, aumente a votação”, diz Marinhos. No entanto, o pastor pondera que está nas mãos do Partido Social Cristão aproveitar a visibilidade de Feliciano e emplacar mais candidatos pentecostais, com o que a Assembleia de Deus espera atingir sua meta de eleger pelo menos um deputado federal e um estadual em cada unidade da federação.

Por enquanto, no entanto, não há intenção de usar a imagem de Feliciano como ponto central da campanha – pelo menos não na Assembleia de Deus. “Ele não representa o pensamento da igreja, muito embora a igreja o tenha apoiado nesse episódio por entender que a bancada evangélica não pode ser penalizada”, argumenta Marinhos, para quem o caso de Feliciano serviu como ponto de partida para um grupo de parlamentares explorar de forma negativa o crescimento dos evangélicos na política. “A escolha dele na comissão é uma questão meramente política e partidária”, afirma. Feliciano tem um pensamento “autônomo”, como reforça o relator do conselho político da Assembleia de Deus.

O barulho causado por Feliciano serviu, ainda que com fortes reações, para ampliar a visibilidade dele e do PSC. Longe do microfone da Comissão de Direitos Humanos, no entanto, os líderes evangélicos tentam evitar que os que não creem que Deus tenha matado John Lennon, derrubado o avião dos Mamonas Assassinas ou afundado o Titanic passem a ver essas posições como uma “opinião evangélica”. “Com certeza uma pessoa não morreria por drogas se tivesse na igreja. Não há pessoas viciadas aqui porque elas saem dessa vida na igreja. Recentemente um grande cantor (Chorão, no Charlie Brown Jr.) morreu de overdose. Isso não aconteceria, por exemplo, se ele tivesse buscado a igreja. Mas Deus não é vingativo, são os erros humanos que propiciam determinada consequência. Deus não tem prazer na morte.”

Feliciano encarna um personagem cínico para continuar na comissão

150 líderes evangélicos rejeitam publicamente Marco Feliciano

O pastor Feliciano e a fragilidade da política rastaquera do Brasil

Polêmica com Feliciano dá maior visibilidade a questões relativas aos Direitos Humanos

Belo Horizonte inicia luta contra homofobia no futebol

PSC mantém apoio a pastor acusado de homofobia

 

Fonte: Abril

+ sobre o tema

Votação da PEC do Trabalho Escravo é adiada mais uma vez

  A votação da Proposta de Emenda à...

ONU defende direitos humanos na internet como no mundo físico

  O principal órgão de direitos humanos da...

Brasil acata 159 das 170 recomendações da ONU sobre direitos humanos

Brasília – O governo do Brasil responde nesta...

Hoje na História, 10 de Dezembro, dia dos Direitos Humanos

por Navi Pillay "Milhões de pessoas têm ido às...

para lembrar

Convite: Diálogo sobre DH, Participação e Internet em São Paulo

CMDH - COMISSÃO MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS

Grupo faz ato contra intolerância e discriminação no Centro do Rio

do G1 O auditório da Associação Brasileira de...

Zezé Motta a Feliciano: “A gente vai se livrar desse traste”

Atriz global Zezé Motta acredita que o clamor...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=