Abril: aniversário de muitas lutas feministas

Artigo produzido por Redação de Geledés

Duas organizações que são pilares dos movimentos negros e dos movimentos feministas fizeram aniversário e, em Portugal, a proposta é que uma Maré Feminista invada as manifestações da Revolução dos Cravos

Será que chegaremos a um tempo em que algumas datas serão comemoradas apenas pela sua importância histórica, não mais para serem relembradas pela atualidade, persistência ou ameaça de retorno dos motivos que as originaram?!?! Essa é uma pergunta que surge quando nos deparamos com um importante calendário de lutas, como o desses últimos dias de abril.

Abril é mês de luta para as mulheres Foto: Reprodução/Facebook/Instituto Geledés
 Abril é mês de luta para as mulheres Foto: Reprodução/Facebook/Instituto Geledés

Mulheres negras contra o racismo

Uma das expressões mais vigorosas e instigantes no movimento brasileiro de mulheres dos últimos anos tem sido o movimento das mulheres negras, sejam elas feministas ou não. No último 19 de abril duas organizações que são pilares dos movimentos negros e dos movimentos feministas fizeram aniversário. No Nordeste do Brasil, em Salvador, o Odara – Instituto da Mulher Negra completou 8 anos de existência. No Sudeste, em São Paulo, o Geledés – Instituto da Mulher Negra** fez 30 anos.

Odara, que foi criado com o objetivo central de “instituir um processo de rearticulação e mobilização das organizações de jovensmulheres e lésbicas negras do Nordeste, para fortalecer a luta pelo combate ao racismosexismo e lesbofobia” é uma das organizações particularmente envolvidas na construção da Rede de Mulheres Negras do Nordeste – com expressão em Pernambuco – e da Articulação de Mulheres Negras Brasileiras.

Foto: Reprodução/Facebook/Instituto Geledés

Geledés nasceu em 1988. É conhecido como uma das organizações que fundaram o moderno movimento negro do Brasil. O seu aniversário foi comemorado com uma série de debates com convidadas/os que fizeram uma análise da conjuntura a partir da retrospectiva desses 30 anos de história do país, abordando a ação dos movimentos sociais e do Estado brasileiro. Um dos debates focou nas políticas de educação, área de incidência priorizada pelo Instituto. O enfrentamento à violência contra as mulheres negrastambém fez parte da agenda de discussão.

A existência de organizações como o Geledés e o Odara é fundamental para a sustentação dos movimentos sociais. Entre outros motivos porque os apoiam e guarnecem quando necessário, contribuem para fortalecer suas pautas e instituem processos educativos para a formação de novas lideranças. Na relação com outros movimentos sociais, são elas também que fazem a crítica permanente e os convocam a repensarem as suas frentes e formas de atuação. Enquanto o racismo persistir, só podemos desejar que permaneçam vivas e fortes! Além de parabenizá-las pelas trajetórias robustas.

Nem todo dia é Dia do Índio

O 19 de abril é também o Dia do Índio. Aprendemos isso quando crianças, na escola. Mas, a não ser pelo histórico de destruição e extermínio que a imprensa e as redes sociais costumam mostrar, sabemos tão pouco sobre eles e elas, não é verdade? A data está marcada, portanto, como de resistência dos povos negros e povos indígenas contra os dispositivos racistas etnocidas contra os quais estamos todos e todas convocados/as a lutar.

Para quem tem um pouco mais tempo, gostaria de sugerir a leitura da aula pública “Os involuntários da pátria, realizada pelo antropólogo Eduardo Viveiros de Castro no abril indígena de 2016, na Cinelândia, Rio de Janeiro. Uma aula-documento que mantem a sua atualidade, vigor e contundência.

‘Os involuntários da Pátria’, aula de Eduardo Viveiros De Castro – Foto: Reprodução

Marielle Franco: Presente!

E para quem estará em Portugal neste 25 de abril, aniversário da Revolução dos Cravos, segue uma convocatória da União de Mulheres Alternativa e Resposta (Umar), que nos faz desejar estar ali representadas. A proposta é que uma Maré Feminista invada as manifestações que serão realizadas pelo aniversário da Revolução que pôs fim à ditadura Salazarista, como uma onda de contestação contra todas as discriminações que persistem em Portugal e no resto do mundo. Os pontos de encontro, às 14 horas, serão em Lisboa: na Marques de Pombal junto ao Hotel Fênix e no Porto: no Largo do Soares, em frente à Padaria Pão Fofo.

Marielle Franco era vereadora pelo PSOL no Rio – Foto: Reprodução/Facebook

Em tempo: o nome Maré Feminista é, conforme observação, “uma forma de homenagear Marielle Franco que se auto-apresentava como cria da Maré, nome da favela do Rio de Janeiro que viu crescer esta singular feminista e lutadora pelos direitos humanos”.

Finalizando, ofereço a vocês uma música que é um manifesto sobre a urgência da demarcação das terras indígenas: Demarcação Já! Confira o vídeo abaixo.

** Ambas organizações podem ser acompanhadas pelo facebook. O Geledés, que tem entre as suas linhas de ação a incidência no campo da comunicação, possui também um portal www.geledes.org.br que é uma fonte importante para aquelas pessoas que querem acompanhar o que acontece na diáspora africana. Os debates do seu aniversário de 30 anos, para quem tem interesse, podem ser aí acessados.

* Carla Gisele Batista é historiadora, pesquisadora, educadora e feminista desde a década de 1990. Graduou-se em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Pernambuco (1992) e fez mestrado em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela Universidade Federal da Bahia (2012). Atuou profissionalmente na organização SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia (1993 a 2009), como assessora da Secretaria Estadual de Política para Mulheres do estado da Bahia (2013) e como instrutora do Conselho dos Direitos das Mulheres de Cachoeira do Sul/RS (2015). Como militante, integrou as coordenações do Fórum de Mulheres de Pernambuco, da Articulação de Mulheres Brasileiras e da Articulación Feminista Marcosur. Integrou também o Comitê Latino Americano e do Caribe de Defesa dos Direitos das Mulheres (Cladem/Brasil). Já publicou textos em veículos como Justificando, Correio da Bahia, O Povo (de Cachoeira do Sul). 

+ sobre o tema

PL 1904/24 – A legalização da violência do Estado

O projeto de Lei 1904/24 é mais uma da...

O Encontro das Águas

  Quem já teve a oportunidade de assistir, seja presencialmente...

para lembrar

O maior legado do Ilê é a valorização do negro

A exposição Ocupação Ilê Aiyê a ser inaugurada no Itaú Cultural,...

Chef Aline Chermoula – Um tempero da diáspora

Conversamos com Chef Aline Chermoula, do Chermoula Gastronomia. Neste vídeo...

A escola brasileira como projeto de país

Pelos 8,5 milhões de quilômetros quadrados do Brasil cabem mais de 207 milhões de pessoas, que falam mais de 274 línguas, com variados sotaques....

Vai-Vai, como um quilombo cultural, mostra o que o povo negro é capaz de realizar

Da diáspora africana ao racismo estrutural, a Vai-Vai entra na madruga deste sábado para domingo, às 1h45, no sambódromo em São Paulo, para contar...

Formação de agentes populares de saúde: uma ação eficaz contra a pandemia

Desde os primeiros casos registrados de coronavírus no país, já era possível prognosticar que a pandemia iria impactar 97% dos 13,6 milhões de moradores...
-+=