“Acabou minha liberdade”, diz vítima de estupro na Rocinha

Imagens da jovem vão parar na internet; ela diz que os policiais editaram o vídeo que a expõe . Assista a cena divulgada:

Do Ultimo Segundo

Policiais do Bope divulgaram vídeo mostrando o rosto da moradora da Rocinha que acusa os soldados de estupro. As imagens foram exibidas nos telejornais com efeitos que escondem seu rosto. Entretanto, o material que foi para a internet não preserva sua identidade.

Mulher mostra marcas de agressões durante o estupro que denunciou

A atitude demonstra o desprezo que os policiais nutrem pela vítima, na avaliação do líder comunitário da Rocinha, William de Oliveira, já que por questões éticas e humanitárias, imagens de vítimas de estupro não são divulgadas. Segundo ele, essa é uma velha estratégia da polícia, de desmoralizar a vítima.

“Eles editaram o vídeo para distorcer a história. Naquele momento, eu já havia sido estuprada por dois outros policiais. Estava revoltada, fora de mim. E os policiais que filmaram são os que deram cobertura aos estupradores”, disse ao DIA a mulher estuprada

“Minha família viu o vídeo, estão todos desesperados. Tenho um filho pequeno”, desabafou ela, que cortou os cabelos após a divulgação do vídeo. Ela também não sai mais de casa por medo. “Agora todos os policiais conhecem o meu rosto”.

A vítima já tinha contado na delegacia que os policiais a tinham filmado. Mas, por outro lado, os PMs ouvidos pelo delegado Gabriel Ferrando, da Delegacia da Rocinha, não falaram nada sobre a divulgação.

dk4zif1ar5dzvgzonh5jfbxgw

O diretor-executivo da Anistia Internacional do Brasil, Átila Roque, disse que a denúncia de estupro não o surpreendeu. Segundo ele, assédio sexual, bolinação e piadinhas maliciosas fazem parte do cotidiano das mulheres que vivem em comunidades do Rio. “O estupro foi o passo extremo, a consequência da rotina de assédios”, afirmou.

Somente nesta quarta-feira a Corregedoria Interna da PM determinou a instauração de Inquérito Policial Militar para aprofundar as investigações sobre o caso.

Estupradores expulsos no ano passado

Essa não é a primeira vez que a PM do Rio se vê às voltas com acusações de violência sexual por parte da tropa. Em outubro do ano passado, quatro soldados que serviam na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Jacarezinho foram expulsos por terem praticado o crime de violência sexual contra duas mulheres e uma adolescente na comunidade em 2014.

Na ocasião, a PM afirmou que o ato atentou contra o sentimento de dever e decoro da classe e “que a ocorrência deste crime, cometido por agentes garantidores da lei, é inadmissível”.

+ sobre o tema

Como a vivência cotidiana do racismo pode se converter em traumas

Além de desigualdades materiais, o racismo produz marcas psicológicas...

Outras dores do parto: mães relatam ‘novo tipo’ de violência obstétrica em hospitais

Centenas de mulheres são vítimas, diariamente, da violência obstétrica...

para lembrar

Construindo cumplicidades, por Sueli Carneiro

A crescente compreensão do impacto do binômio racismo/sexismo na...

Março por Marielle e Anderson

Estamos no primeiro dia deste mês onde revivemos com...

Emoção marca despedida de Ruth de Souza, no Rio

Velório começou pela manhã, no Theatro Municipal do Rio...

Feminismos negros e a renovação política do “Dia Internacional das Mulheres”

Este artigo integra o “Dossiê Feminismo e Política”, do...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=