Achilie Mbembe e Sueli Carneiro: filósofos das epistemologias insurgentes

Programa

Em um contexto tão refratário à reflexão e à teoria e tão apegado a crenças e opiniões, como fazer do exercício do pensamento uma forma de materialização da política, ao modo da filósofa Hannah Arendt? É possível aproximar a filosofia da vida? É plausível renová-la com aquilo que há de mais pulsante e perturbador no nosso mundo?

Do Sesc São Paulo 

Foto: Caroline Lima/ Nicolas Marques/KR

Entendemos que o enfrentamento destas questões nos leva, pelo menos, a uma via que se bifurca em duas: de um lado, temos o predomínio de um tipo de eficácia social que se construiu desdenhando o exercício do pensar, dando primazia à razão técnica; muito rapidamente a nossa educação privilegiou a formação instrumentalizada, desconsiderando outras formas de conhecimento. De outro lado, nos deparamos com a subalternidade e invisibilidade de modalidades do saber e do pensamento que foram postos à margem das formas autorizadas de produção do saber: a produção de grupos raciais não hegemônicos quase sempre foi vista como algo periférico, menor.

Num momento de franca reivindicação por reconhecimento e representação, essa constatação, que não é nova, ganha impulso renovado por meio de diferentes focos.  Emergem vozes insurgentes que vêm colaborando para a teoria social ao mesmo tempo em que apontam os racismos e outras formas de destituição que marcam a organização e difusão do saber (ocidental). Filósofos, a exemplo de Peter Sloterdijk, afirmam que “há um século a filosofia está morrendo. No entanto, ela não consegue morrer porque sua tarefa não foi cumprida.

Assim, sua despedida precisa se delongar de maneira aflitiva. (…). Achilie Mbembe e Sueli Carneiro são pensadores que, não aderindo à surdez diante do presente, dizem o que a filosofia “esqueceu” de dizer, conseguem apreender a formação do mundo naquilo que ela tem de mais profundamente excludente. Em suma, com eles, o conceito alcançou a realidade. O diálogo entre filósofos é algo que nos precede de longe. Epicuro-Platão, Spinoza-Descartes, Diderot-Rousseau, Althusser-Sartre. O que depreender de  Achilie Mbembe e Sueli Carneiro quando postos em dupla? O curso partirá do diálogo entre os dois, acompanhando parte da trajetória de ambos, que tem como ponto inicial o filósofo Michel Foucault para manufaturar um outro paradigma de análise.

Sueli Carneiro se vale do dispositivo de sexualidade para construir o dispositivo de racialidade como chave explicativa do racismo e do sexismo. Assim, oferece também parâmetros de intervenção para a transposição do problema. Mbembe parte da biopolítica para fecundar a necropolítica e lançar luz sobre as políticas de soberania que decidem o valor da vida e do humano. Conscientes de onde falam, para onde e para quem falam os dois põem em relevo as referências intelectuais negras, costumeiramente ignoradas pela academia. Frantz Fanon, Charles Mills, Lelia Gonzalez são alguns autores com os quais estabelecem intensa interlocução.

Com essa aproximação, espera-se apontar uma filosofia insurgente que presta serviço para a compreensão do contemporâneo, a partir de um deslocamento radical dos modos de ver e de pensar.

Cronograma
Aula 1 – Sistemas de pensamento filosófico: Achilie Mbembe e Sueli Carneiro, legatários da desobediência
Aula 2 – Pensamento filosófico e a nova compleição do mundo: racismos, sexismos
Aula 3 – Necropolítica, negritude, crítica da razão negra:  categorias teóricas de Achilie Mbembe
Aula 4 – Dispositivo de racialidade, novo contrato racial: categorias teóricas de Sueli Carneiro
Aula 5 – Epistemologias insurgentes: “agora que me ensinastes a tua língua tenho como te amaldiçoar.
As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. [email protected] / 11 3254-5600

Palestrantes

Rosane Borges

Jornalista, pós-doutora em Ciências da Comunicação, professora universitária, integrante da Cojira-SP (Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial), autora de diversos livros, entre eles “Esboços de um tempo presente” (Malê, 2016) e“Espelho infiel: o negro no jornalismo brasileiro” (Imprensa Oficial, 2004).
(Foto: Ayalla Salvador)

Informações 

Data

10/07/2019 a 16/07/2019

Dias e Horários

Segunda a sexta, 14h às 17h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de junho, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar
Bela Vista – São Paulo.

Valores

R$ 18,00 – credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 – pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 – inteira

+ sobre o tema

EUA: Protesto contra o genocídio da raça negra!

O pastor Walter Hoy é uma voz constante que...

El cimarronaje como liberación de los cuerpos

La afroatitud frente a la opresión de la corporeidad...

Norte-africanos podem ter fabricado iogurte há 7 mil anos

  Norte-africanos podem ter fabricado iogurte há 7...

As estrelas literárias sem firmamento na África

Eclosão de escritores da África subsaariana contrasta com a...

para lembrar

Anderson Silva tenta se acostumar com fama no Brasil após luta com Belfort

Lutador revela mudança no comportamento do público brasileiro depois...

Pan-Africanismo

Pan-africanismo é o nome dado a uma ideologia que...

Espaços culturais baianos recebem Mostra Cinema e Direitos Humanos

As exibições acontecem entre 21 de janeiro até 24...

Fim do racismo deve estar entre os Objetivos do Milênio

O primeiro encontro mundial da comunidade afrodescendente terminou no...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...
-+=