Acho que posso sobreviver

Pensando bem, eu acho que posso sobreviver a uma era bolsonariana.

POR LUIS FELIPE MIGUEL, do Blog do Juca 

Reprodução/ Facebook

Eu sou homem. Sou hetero. Sou aquilo que no Brasil é chamado de branco.

Se eu não vestir minha camiseta vermelha, ninguém vai me agredir na rua.

Paro de falar de Brasil e volto a trabalhar só com teoria política. Talvez tenha que usar um ou outro eufemismo, mas, no geral, eles não vão mesmo entender o que estou dizendo.

Certamente vão cortar minhas verbas de pesquisa. Posso olhar pelo lado bom: é menos trabalho. Também vão cortar minha bolsa de pesquisador, mas isso eu compenso com o imposto que pagarei a menos depois da reforma tributária do Paulo Guedes.

Vou ver minhas turmas de estudantes minguando, conforme as políticas de inclusão forem desmontadas e as mensalidades passarem a ser cobradas. Também é trabalho a menos. A universidade vai ficar mais cinza, mais silenciosa, mais morta, mas eu sempre posso me refugiar na minha casa.

Minha casa que também ficará mais silenciosa e mais cinza. Alguns dos meus amigos não terão a mesma sorte que eu e sumirão: eles têm a cor errada, eles dirigem seus afetos para as pessoas erradas, eles falam as palavras erradas. Talvez seja até melhor. Nos tempos que virão, a amizade pode ser uma coisa perigosa.

Se os artistas forem silenciados, tanto melhor: há tanto dos clássicos que ainda preciso conhecer!

Não sei atirar, mas tenho dinheiro para comprar uma bela pistola, um coldre vistoso, e ostentar pela rua minha condição de cidadão de bem.

Sim, eu posso sobreviver. Ao contrário do que ocorre com muitos outros, não está em risco minha integridade física, minha vida ou minha sobrevivência material. Basta eu ficar no meu canto. Basta eu me tornar insensível ao sofrimento à minha volta. Basta eu trair as pessoas de quem gosto. Basta eu abrir mão da minha dignidade, da minha humanidade, da possibilidade de me encarar no espelho. Basta eu me tornar um monstro.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da Universidade Federal de Brasília.

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

O surgimento dos ‘coxinhas’ Por Sergio da Motta e Albuquerque

Os protestos iniciados em junho trouxeram com eles...

Senador republicano adere a Obama

Folha de São Paulo quarta-feira, 29 de abril de...

para lembrar

A filosofia política de Mujica por ele mesmo

Para ex-presidente uruguaio, é preciso viver como a maioria, aproveitar...

Joaquim Barbosa diz que não tentará carreira política

Por: João Fellet O presidente do Supremo Tribunal...

Obama: Vitória do povo americano

Por: LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA É hora de celebrar a vitória...

O impeachment e a onda de autoritarismo

Diante da falência moral e ética de nossas instituições,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...
-+=