Acordo para cota étnica provoca polêmica no mundo da moda

Fonte: Roxane Ré

A baiana Anne Barreto, 19, também afirmou que ainda existe muito preconceito racial, mas disse ser contra as cotas. “Acho que não deveriam existir cotas. Infelizmente há muito preconceito no mundo e em todos os setores da sociedade. O preconceito é uma coisa cultural e não existe só no mundo da moda”, ressaltou (Foto: Mônica Garcia / Especial para Terra)

 

O acordo que a organização da São Paulo Fashion Week assinou com o Ministério Público Estadual, se comprometendo a incentivar as grifes a contratar 10% de modelos afro-descendentes e indígenas para os desfiles, causou polêmica entre os profissionais do mundo fashion. A medida, chamada de “termo de ajustamento de conduta”, foi anunciada esta semana.

Para Dudu Bertholini, designer da grife Neon, são as autoridades que provocam a segregação, pois essa medida vai constranger as modelos negras. Ele garante que não utiliza o critério racial ao selecionar as tops que desfilam para sua grife e afirma que não existe preconceito no meio fashion. O diretor da agência Mega Models, Raphael Garcia, afirma que aimda faltam candidatas a modelo com esse perfil no mercado.

Já Moisés Júnior, booker da agência Ten Models, vê de maneira positiva a medida tomada pelo Ministério Público. Para ele a situação melhorou em relação há dez anos, mas as oportunidades de trabalho para as modelos negras continuam escassas. O booker conta que dos 140 modelos contratados da agência, 12 são negros e que nos Estados Unidos e na Europa, o mercado está bem mais democrático.

Fernanda Téo, modelo há 6 anos, admite ter dificuldades em trabalhar por ser afro-descendente. Na opinião dela, quando as grandes marcas contratam uma garota negra para uma campanha, é porque ela já tem um nome firmado no mercado internacional.

Assim como acontece nas universidades, o governo quer garantir através de lei o direito dos afro-descendentes até que tenhamos uma democracia mais ampla. É um movimento inverso ao fluxo natural das coisas, quando o correto seria oferecer oportunidades iguais desde a escola para que uma nova realidade se concretizasse em oportunidade de emprego. Também acredito que o preconceito na moda não faz sentido, já que a diversidade étnica é um grande trunfo nas mãos dos profissionais da moda.

Matéria original: Acordo para cota étnica provoca polêmica no mundo da moda

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Walé Oyéjidé estilista nigeriano fala sobre moda masculina e mais

Diretamente dos EUA, onde mora atualmente, o estilista nigeriano Walé...

Maybelline escolhe a beleza negra de Herieth Paul como seu novo rosto

Maybelline escolhe a beleza negra de Herieth Paul como...

Conheça as modelos afro-americanas que fazem história no mundo da moda

Naomi Sims Primeira top model negra americana, Naomi Sims foi...

African Fashion Show – A moda e modelos da África

Apresentação do African Fashion Show com modelos e moda...
spot_imgspot_img

Um país doente de realidade

O Brasil é um país "doente de realidade". A constante negação da verdade me leva a essa conclusão. Enquanto parte dos indivíduos prefere alterar...

Inclusão não é favor

Inclusão não é favor. Inclusão é direito! Essa é a principal razão pela qual ações voltadas à promoção da equidade racial devem ser respeitadas, defendidas e...

Ações afirmativas sob ataque

O receio e o sentimento de ameaça sentidos por parcelas da população como reação à crescente presença negra em lugares antes considerados apenas para...
-+=