Acusado de estupro coletivo que chocou Índia é encontrado morto

Brasília – Um dos suspeitos do estupro coletivo e da morte de uma jovem estudante dentro de um ônibus em Nova Delhi, que chocou a Índia no fim do ano passado, foi encontrado morto na prisão.

Segundo a polícia local, Ram Singh se enforcou em uma cela da prisão de Tihar, na capital indiana. Entretanto, advogados de defesa questionaram essa versão.

Singh era um dos cinco homens presos acusados do crime. Ele dirigia o ônibus clandestino onde a jovem foi atacada. Um sexto acusado está sendo julgado por um tribunal juvenil. Todos negam as acusações. O ataque brutal contra a estudante de medicina, em dezembro, provocou comoção na Índia e gerou um debate internacional sobre o tratamento das mulheres.

O advogado de Ram Singh, V. K. Anand, disse que foi informado sobre a morte de seu cliente pela polícia. “Esta notícia é chocante. Não havia circunstâncias para sugerir que ele cometeria suicídio. Ele estava satisfeito com o julgamento, que estava seguindo sem problemas”, disse Anand à mídia local.

O porta-voz da prisão de Tihar, Sunil Gupta, informou que um inquérito foi aberto para apurar o incidente. Segundo ele, o corpo de Singh deve passar por uma autópsia hoje (11). A morte de Singh representa mais um revés para as autoridades indianas, já sob críticas por conta da enorme pressão popular gerada pelo caso.

Ram Singh e os outros quatro adultos acusados – seu irmão, Mukesh Singh, Pawan Gupta, Vinay Sharma e Akshay Thakur – estão sendo julgados em um tribunal que julga causas com mais rapidez.

Eles enfrentam 13 acusações, incluindo assassinato, estupro coletivo, sequestro e destruição de provas. Se forem considerados culpados, eles poderão ser condenados à pena de morte. O menor de idade, se for condenado, deverá passar três anos em um reformatório juvenil.

A vítima estava com um amigo no ônibus quando foi atacada. Os dois foram depois jogados do ônibus na rua, nus. Ela morreu em um hospital de Cingapura no dia 29 de dezembro.

O pai de Singh, Mangelal Singh, disse que seu filho tinha ferimentos graves na mão e não conseguiria se enforcar, como sugere a versão da polícia. Ele disse ainda que seu filho foi estuprado na prisão por outros prisioneiros e ameaçado repetidas vezes por prisioneiros e também guardas. “Meu filho não cometeu suicídio”, disse o pai.

 

Fonte: Agência Brasil 

+ sobre o tema

Por que violência contra mulher aumenta em dia de jogo de futebol

O aumento do consumo de álcool e altos níveis...

Negras empreendem mais por necessidade do que as brancas

Pesquisa do Sebrae mostra que 49% das negras recorrem...

Por que Hollywood tem problemas com garotas pouco femininas?

Na série de ficção científica da Netflix “Stranger Things”,...

44 frases (e fragmentos de poesias) sobre o amor. Por Camila Nogueira

Este artigo é o primeiro de uma série. Nela,...

para lembrar

Desgenitalizar o feminismo!

Durante muito tempo o feminismo dedicou-se a genitalizar o...

Dia da Mulher Negra na América Latina e Caribe em Salvador (BA)

O dia 25 de julho foi escolhido durante o 1º Encontro...

“Bandido bom é bandido morto”, mas ai de quem defender o aborto!

O versinho do título resume a hipocrisia brasileira, que...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=