Acusar o racismo incomoda – Por: Dennis de Oliveira

O que mais chamou a atenção no episódio do cabelo do personagem que será o filho adotivo de um casal de classe média alta na novela “Amor à vida” é o incômodo do autor da trama, Walcyr Carrasco. Primeiro argumentou que o menino negro adotado terá o cabelo cortado porque o estilo “black” não seria aceito por famílias de classe alta que adotariam uma criança. Depois, disse que várias pessoas criticaram uma criança com estética negra sendo adotada por uma família branca. E, com o argumento de que “quer um personagem que seja aceito, resolveu mudar o cabelo da personagem”. E, ainda confrontado com as críticas do movimento anti-racista, disse que se não quiserem assim, simplesmente tira o personagem e pronto.

Este exemplo é típico de como certas pessoas reagem quando se aponta o racismo. Não aceitam, não querem, não dialogam. E depois dizem que no Brasil não existe racismo. E que nós, negros que denunciamos o racismo, somos paranóicos e vemos racismo em tudo. E que queremos condenar até o grande Monteiro Lobato! Alguns vêm até com aqueles argumentos de que o Brasil tem até um negro como presidente do Supremo Tribunal Federal (grifo meu).

No fundo, o que estas pessoas querem dizer é o seguinte: que nós negros já conquistamos muita coisa e que devemos ficar quietos. Já temos UM ministro no STF! O Monteiro Lobato, coitado, é fruto de um contexto (e o Hitler também não é fruto de um contexto?). Cotas é um absurdo porque é fruto do discurso do “coitadismo”, de uma pretensa “incapacidade” (como se vestibular medisse apenas capacidade).

Tenho recebido emails, mensagens e comentários, alguns até agressivos neste diapasão. Normal. O Brasil é uma sociedade em que o racismo é estrutural, isto é, modelou os comportamentos, as atitudes, os pensamentos de uma grande parte das pessoas. Garantiu privilégios maiores ou menores a determinados grupos, mesmo entre as classes subalternizadas. Apontar o dedo e exigir comportamentos anti-racistas implica em tirar as pessoas da sua zona de conforto. Incomoda. Faz repensar. E os dados da PNAD do IBGE e do Mapa da Violência que mostra o índice maior de violência contra negros e a permanência das desigualdades sociais entre brancos e negros objetivamente mostram que estamos muito longe de uma equidade racial. Só não vê quem não quer. Ou não quer sair da sua zona de conforto.

Fonte: Quilombo

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Levantamento revela aumento da desigualdade entre rendimentos dos mais ricos e mais pobres

Levantamento divulgado pela organização internacional Oxfam no contexto deste 1º...

Dilma inaugura exposição de ‘gordinhas sexy’ no Planalto

A presidente Dilma Rousseff abriu nesta terça-feira (8)...

A “ocupação” do Complexo da Maré – Cândido Grzybowski

Cândido Grzybowski Sociólogo, diretor do Ibase     O Complexo da Maré é...

O fascínio de Summerhill, uma escola democrática e instigante – Por: Fátima Oliveira

Criar filhos em uma sociedade cada vez mais individualista...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=