sexta-feira, novembro 26, 2021
InícioQuestão RacialCasos de RacismoAdvogados negros divulgam manifesto contra racismo na OAB

Advogados negros divulgam manifesto contra racismo na OAB

Um grupo de advogados negros encaminhou ao presidente da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/ES), José Carlos Rizk Filho, um manifesto pela “erradicação do racismo como prática genocida contra a população negra”, praticado “dentro da própria Ordem”. Eles exigem que a OAB/ES “tenha posturas concretas, permanentes e vigilantes de combate a todas as manifestações de racismo”, sendo necessária uma “ação sistêmica e urgente de transformação das práticas realizadas pela Ordem dos Advogados do Brasil”.

Os advogados denunciam a ausência da população negra nos diversos espaços da OAB, como nos eventos organizados pelas comissões temáticas da instituição e na própria diretoria. “Registramos, ainda, que quando a população negra conquista determinados espaços, como por exemplo, na Comissão de Igualdade Racial da OAB/ES, a mesma encontra diversas dificuldades para concretizar ações que garantam de fato a conscientização, reconhecimento, promoção da igualdade, defesa dos direitos étnico-raciais e, consequentemente, os direitos da população negra”, afirmam.

Uma prova dessa realidade, dizem os advogados, é a falta de respostas aos cinco ofícios encaminhados pela Comissão desde 18 de junho para a presidência da OAB. Entre eles a inserção da autodeclaração de raça nos formulários da OAB/ES; reconhecimento de Chico Prego, uma das lideranças da Insurreição de Queimados, como o primeiro advogado do Espírito Santo; criação de conta no Instagram para a Comissão; oficiar as universidades e institutos de ensino públicos a respeito de suposta fraude ao sistema de cotas; e que a OAB/ES ingresse como amicus curiae em ação civil pública manejada pela Defensoria Pública em relação às operações policiais no âmbito do Morro da Piedade e entorno.

“A Comissão a todo o momento enfrentou diversas dificuldades para organizar, apoiar, atuar e concretizar ações em prol da população negra”, ressaltam. O grupo afirma, ainda, que em junho, mês da mulher negra latino-americana e caribenha, não houve na Ordem nenhum evento alusivo à data. No documento, lembram do fato acontecido em julho, quando a Comissão de Igualdade Racial organizou uma exposição fotográfica online intitulada Advogadas Negras Capixabas, “com o objetivo de prestigiar e dar visibilidade ao nome de algumas advogadas negras que têm sido exemplo de resistência no campo jurídico e que com suas histórias de vida militam contra o racismo, por igualdade de oportunidades e por uma sociedade democrática”.

O advogado Pedro Henrique Souza Ramos presidiu a Comissão de Igualdade Racial até este mês, mas o caso envolvendo a advogada Fayda Belo, de Cachoeiro de Itapemirim, sul do Estado, teria culminado com sua renúncia e de outros membros. Fayda seria homenageada em exposição, mas teve sua participação vetada pela OAB.

Informações apontam que depois a própria OAB removeu os integrantes que restaram e foi feita uma lista com sugestão de novos diretores, membros internos, que são juristas, e externos, que são negros e negras que não são advogados, mas têm militância na questão racial. Ordem acabou nomeando, porém, uma mulher branca para presidir a comissão, a advogada Taina Quarto Moura Coura.

Quanto a essa decisão, o manifesto questiona a ausência de diálogo da OAB/ES com os membros anteriores da Comissão de Igualdade Racial. “Fato estarrecedor é a nomeação de uma advogada branca como presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB/ES e de outros membros que sequer possuem contato efetivo com os coletivos negros! Questionamos: qual a razão de ser da Comissão? Qual a razão de nomear uma mulher branca para Presidência? Uma mulher que não sofre o racismo e que não representa e nunca representará a população! Qual a razão de nomear pessoas que não têm contato com membros dos coletivos negros? Todas e todos que fazem parte da Comissão precisam ser engajados na causa negra! Não são todas mulheres negras e homens negros que representam a população negra! A Comissão de Igualdade Racial não serve apenas como enfeite, ela precisa propor e concretizar ações afirmativas para a população negra!”, criticam os advogados, que não assinam o manifesto nominalmente, alegando receio de perseguição.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!
RELATED ARTICLES